Posts recentes

terça-feira, 24 de maio de 2016

Gilmar Mendes agora livra a cara de Jucá, num pré-julgamento: 'É apenas conversa entre pessoas que estão fazendo análise do cenário'




O ministro do STF Gilmar Mendes, que agora acumula também a presidência do TSE, como sempre, fala antes dos julgamentos, quer para condenar (quando petistas) ou absolver (tucanos e aliados) antecipadamente.

Nesta terça o ministro falastrão inocentou o ex-ministro Romero Jucá do vazamento publicado pela Folha na segunda, em que Jucá comentava com o empresário Sérgio Machado uma forma de parar a Lava Jato. Gilmar não viu nada de mais na conversa. Um papo informal, entre amigos...

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes disse nesta terça-feira (24) que não entendeu a conversa entre o ex-ministro Romero Jucá e o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado como uma tentativa de interferir na Operação Lava Jato. "Não vi isso. É uma conversa entre pessoas que têm alguma convivência e estão fazendo análise do cenário numa posição não muito confortável", afirmou. [Fonte]

O caso deve cair nas mãos dele, porque Gilmar vai acumular também mais um cargo. A partir do dia 31 deste mês, semana que vem, ele vai assumir o comando da Segunda Turma do STF, exatamente aquela que avalia os recursos da Lava Jato.

Portanto, Jucá pode dormir tranquilo, porque se deu bem.

Já petistas que se preparem: vão estar cercados por Gilmar Mendes por todos os lados. Quando não for no Comando ou na presidência, quer da Segunda Turma ou do TSE, Gilmar é sempre o "sorteado" para condenar petistas e livrar a cara de tucanos e aliados no STF.

É lenha.

Clique aqui e receba gratuitamente o Blog do Mello em seu e-mail
imagem RSSimagem e-mail

Meu perfil no Facebook: Antonio Mello


Madame Flaubert, de Antonio Mello

A Semana 2 do golpe em postagens do Blog do Mello

17 a 24 de maio de 2016

 




Clique aqui e receba gratuitamente o Blog do Mello em seu e-mail
imagem RSSimagem e-mail

Meu perfil no Facebook: Antonio Mello


Madame Flaubert, de Antonio Mello

Diário Oficial: O golpista Temer não é presidente da República. Paremos de tratá-lo assim





A mídia golpista é que o trata assim. O golpista Temer é vice-presidente da República no exercício do cargo de Presidente da República. É o que consta em todas as decisões tomadas por ele publicadas no Diário Oficial.

A Presidenta é Dilma. O usurpador continua sendo vice, por isso não pode desfazer tudo o que foi feito no governo Dilma. Ele tem apenas que tocar a administração, até o julgamento final do impeachment de Dilma pelo Senado. Mais que isso é golpe dentro do golpe.




Clique aqui e receba gratuitamente o Blog do Mello em seu e-mail
imagem RSSimagem e-mail

Meu perfil no Facebook: Antonio Mello


Madame Flaubert, de Antonio Mello

Silêncio do PGR Janot aumenta suspeita de sua participação no golpe de Estado




Passadas 24 horas desde a publicação da reportagem de Rubens Valente na Folha de São Paulo que mostrou, em diálogos entre o ministro do Planejamento Romero Jucá e o empresário Sérgio Machado, os bastidores do golpe de Estado que apeou do poder, ainda que provisoriamente, a presidenta eleita com quase 55 milhões de votos Dilma Rousseff, o distinto público formado pelos cidadãos brasileiros que lhe pagam o salário exigem do PGR Janot sua posição sobre o caso.

Como procurador Geral da República Janot não tem direito ao silêncio de um cidadão comum. Há a suspeita cada vez mais fortes de prevaricação do PGR.

A gravação comprometedora foi realizada em março mas só agora após o impeachment da presidenta Dilma é que veio a público.
  • Desde quando Janot sabia da gravação? 
  • Por que só agora veio a público?

Nós os brasileiros queremos saber qual a participação do Procurador Geral da República no golpe de Estado.


Clique aqui e receba gratuitamente o Blog do Mello em seu e-mail
imagem RSSimagem e-mail

Meu perfil no Facebook: Antonio Mello


Madame Flaubert, de Antonio Mello

segunda-feira, 23 de maio de 2016

PDT entra com ação no STF contra governo golpista Temer-Cunha por 'usurpação das funções da Presidência da República '




Os advogados do PDT Marcos Ribeiro de Ribeiro e Ian Rodrigues Dias entraram com uma  ação com pedido de liminar contra atos do governo Temer-Cunha, que no exercício da Presidência da República, “em virtude do afastamento da titular do mandato eletivo” e “a despeito da provisoriedade e da precariedade de sua assunção ao cargo, está a implementar alterações profundas na Administração Pública Federal”.

Segundo os advogados, está configurada “a usurpação das funções da Presidência da República pelo Vice-Presidente em exercício, pois a Presidenta da República encontra-se no curso do seu mandato, consoante esclarece o parágrafo 4º do art. 86 da Constituição Federal, estando tão-somente suspensa de suas funções em virtude do procedimento de impeachment admitido, primeiramente, pela Câmara dos Deputados, e, após, pelo Senado Federal”. [Fonte: Jota]

Ou seja, tudo o que o governo provisório da dupla golpista Temer-Cunha está fazendo não encontra amparo na Constituição. Temer-Cunha deveria apenas estar tocando a administração, enquanto a titular da Presidência, a presidenta eleita com quase 55 milhões de votos Dilma Rousseff se prepara para seu julgamento e aguarda a decisão final do Senado sobre seu pedido de impeachment.

Ela está apenas afastada. Mas ainda é a presidenta. O usurpador é apenas interino e não pode virar a casa de pernas pro ar, enquanto não sai a decisão do Senado.

Como o STF é sócio do golpe, a ação não deve dar em nada. Mas fica marcada posição. Não se pode entregar de mão beijada o poder a quem não o obteve do voto soberano do povo.

O cargo de vice-presidente (ou mesmo vice-governador ou vice-prefeito) é como o apêndice, não tem função e só se percebe sua presença em momento de crise, como agora.

Faça um exercício e diga rápido quem é o vice-governador de seu estado e o vice-prefeito de sua cidade. Seu voto foi para ele ou para o(a) titular?

Pois é. Essa é a importância dos vices.

No entanto, insuflado pela mídia golpista e atendendo aos apelos do tal Mercado, o governo provisório e golpista Temer-Cunha quer adotar uma pauta que não foi a votada pelos 55 milhões de brasileiros que votaram 13, Dilma.





Clique aqui e receba gratuitamente o Blog do Mello em seu e-mail
imagem RSSimagem e-mail

Meu perfil no Facebook: Antonio Mello


Madame Flaubert, de Antonio Mello

Grampo de Jucá prova que golpe que levou ao governo Temer-Cunha foi pra acabar com a Lava Jato


Não foi por R$ 0,20. Nem para passar o Brasil a limpo. Muito menos para livrar o país de um suposto perigo comunista.

Nem foi para acabar com os corruptos. Muito pelo contrário. O que a gravação reproduzida hoje na Folha de S. Paulo mostra é que o objetivo dos golpistas era tirar Dilma, que não tinha uma única acusação de corrupção contra ela, e deixar livres os corruptos, pondo fim à Lava Jato.

Um conluio entre deputados e senadores corruptos e ministros do Supremo Tribunal Federal golpeou a presidenta da República eleita com quase 55 milhões de votos.

Trecho do diálogo reproduzido na imagem mostra que esse era o objetivo do golpe.

Quem bateu panelas em favor do impeachment de Dilma deve estar agora batendo com a cabeça na parede.

Mas quem apoiou Temer, Cunha, Jucá, Aécio, Serra (com 17 processos nas costas) numa cruzada moralista contra a corrupção não pode agora vir se declarar enganado.

O vazamento do grampo deixou nu o governo golpista, que apodreceu ainda verde, antes de amadurecer, e agora só espera secar e cair.

Quero meu voto de volta.



Clique aqui e receba gratuitamente o Blog do Mello em seu e-mail
imagem RSSimagem e-mail

Meu perfil no Facebook: Antonio Mello


Madame Flaubert, de Antonio Mello

domingo, 22 de maio de 2016

Vendilhão Serra exposto de corpo inteiro e sem sapatos em charge de Aroeira




Primeiro tucano a correr para os braços da dupla Temer-Cunha, Serra sonhava no mínimo com o Ministério da Fazenda. Não porque visse ali uma solução para o Brasil. A solução que ele vislumbrava era para si mesmo e sua sonhada candidatura à Presidência em 2018.

Quebrou a cara e levou de consolo o Ministério das Relações Exteriores.

Como precisa de plateia para se impor aos demais tucanos que almejam a presidência, Serra partiu para o ataque, especialmente contra os pequenos Cuba, Venezuela, Bolívia, e até a África, mas acenando alegremente para os Estados Unidos.

É a volta da política dos pés descalços, humilhação imposta ao chanceler brasileiro Celso Lafer em aeroportos dos Estados Unidos, durante o governo Fernando Henrique Cardoso.

Horas depois, em 31 de janeiro, quando embarcava para Nova York do aeroporto Ronald Reagan, em Washington, Lafer teve que tirar novamente os sapatos e entregá-los a uma agente de segurança. Ficou descalço (e muito irritado) por alguns minutos. No total, Lafer foi obrigado a tirar os sapatos três vezes. [Fonte: Folha]

A charge de Aroeira faz um retrato de corpo inteiro do vendilhão Serra, que envergonha o Brasil.



Clique aqui e receba gratuitamente o Blog do Mello em seu e-mail
imagem RSSimagem e-mail

Meu perfil no Facebook: Antonio Mello


Madame Flaubert, de Antonio Mello

Gilmar Mendes livra Temer do ficha-suja sem nem ler o processo: 'Não examinei a questão, mas não houve abuso de Temer'




Sem nem ver, só de ouvir falar, o ministro Gilmar Mendes já tem opinião sobre o julgamento do golpista Temer ficha-suja, que deverá cair em suas mãos, já que ele é o novo presidente do TSE:

“Não examinei essa questão. A jurisprudência do TSE indica que a partir de um dado limite poder-se-ia caracterizar. Não parece ser o caso aqui, não me parece que seja o caso. Acho que o debate está mais colocado no plano político. Acho que não houve esse tipo de caracterização. Em geral, ocorrem estes erros por pequenas margens. Às vezes, saber qual é a sua capacidade de doação, isso acontece, isso por si só não caracteriza qualquer abuso”. [Fonte: Última Instância]

De orelhada, Mendes sentencia e livra Temer. Só falta dizer: É dos nossos, não vem ao caso.


Clique aqui e receba gratuitamente o Blog do Mello em seu e-mail
imagem RSSimagem e-mail

Meu perfil no Facebook: Antonio Mello


Madame Flaubert, de Antonio Mello