domingo, 1 de fevereiro de 2009

'Hamas matou crianças palestinas para culpar Israel'


O portavoz israelense Mark Regev afirma numa entrevista que o Hamas assassinou crianças palestinas para pôr a culpa em Israel. O entrevistador parece não acreditar no que ouve: "Você não tá falando sério, tá?".



Clique aqui e receba gratuitamente o Blog do Mello em seu e-mail

imagem RSSimagem e-mail

Comente com o Facebook:

3 comentários:

  1. Israel deve ser julgado pelo Tribunal Penal Internacional ! Abaixo-assinado Universal

    Cerca de 300 ONG e associações vão solicitar ao Procurador do Tribunal Penal Internacional que investigue os crimes de guerra cometidos por Israel em Gaza. O apoio da cidadania é indispensável. Assinem e façam circular este « abaixo-assinado universal »». É urgente.

    http://www.tlaxcala.es/detail_campagne.asp?lg=po&ref_campagne=10

    ResponderExcluir
  2. Faz tempo que não leio meus e-mails e, consequentemente, seu blog. Fiquei feliz por continuar a todo vapor porém a cor preta para algo tão limpo ficou pesada. Não gostei muito desse novo layout! Sorry.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo10.2.09

    Os soldados israelenses explodiram as portas da minha casa, mataram minha mãe e deixaram o corpo dela com as crianças
    Gaza - Samira a-Daghameh, 13
    Tenho 13 anos, agora vivo com meu pai, Majdi e minhas irmãs e meus irmãos: Muhammad, 12, Roah, 10, Manal, 9, Ruba, 4, e Qusai, 2. Minha mãe, Wafa, vivia conosco até o dia em que foi assassinada. Nossa casa fica a 700 metros da fronteira de Gaza com Israel.

    Na quarta feira, às duas da manhã eu acordei com o barulho de tiros. Meus pais estavam sentados, acordados na sala e eu me sentei um pouco com eles. Logo depois voltei para meu quarto e tentei até dormir de novo.
    Às seis da manhã ouvi minha mãe acordar Muhammad, Roah, e Manal, para que eles fossem para a escola. Eles freqüentam a escola da ONU, onde minha mãe ensina e todos vão para a escola juntos. Quando eles estavam saindo de casa minha mãe ouviu mais tiros do lado de fora e decidiu não sair. Às sete e meia o diretor ligou e disse que ela tinha que ir para a escola. Minha mãe então saiu com meus irmãos e eu fiquei em casa com meu pai, com Ruba e com Qusai.

    Eu arrumei a casa e então subi no sótão para ver o que estava acontecendo na área. Aí vi três tanques de guerra, lado a lado, a uns 500 metros de minha casa. Quando eu vi os tanques corri para dentro porque fiquei com muito medo. Às oito e meia meu pai foi até a casa do vizinho, eu fiquei em casa com meus irmãozinhos e meia hora depois cortaram a luz. Ao meio dia minha mãe me chamou de fora de casa, pedindo que eu abrisse a porta. Eu perguntei, “Como foi que você chegou em casa?”. Ela disse que tinha conseguido uma carona com alguém passando pelos campos e não pelas ruas. Ela entrou e começou a fazer o almoço. Eu ajudei um pouco e quando terminamos de almoçar, ela sentou-se para estudar, ela freqüentava a Universidade Aberta de al-Quds. Eu então fui brincar com meus irmãozinhos. Aí começou um novo tiroteio, eu então olhei da janela e vi que agora havia um trator de demolição a 30 metros de nossa casa. Eu comecei a rezar. Ainda estávamos com a luz cortada. De repente, ouvimos um barulho de portas e janelas caindo no chão e quando olhamos da janelas vimos que o trator estava novelando o chão e derrubando a cerca da casa de nosso vizinho, Ibrahim. Então o trator demoliu totalmente a casa dele. O barulho continuava, e estava vindo na direção de nossa casa. Ouvi vozes dos soldados israelenses falando perto da janela. Minha mãe então disse que ia esperar , no caso deles chamarem para alguma coisa. Eu fiquei perto da janela, de onde eu podia ouvir as vozes deles, nós estávamos com muito, muito medo. De repente eu ouvi uma explosão horrível dentro da nossa casa e vi um raio de luz vermelha. A casa ficou então cheia de fumaça e os vidros e as madeiras de todo lugar caíram no chão. Eu não conseguia ver nada dentro de casa por causa da fumaça. Corri para onde minha mãe estava e vi dois soldados dentro de casa. Um deles olhou minha mãe, caída no chão e disse: “Ótimo”. Eu voltei morrendo de medo para o quarto onde eu estava. Um dos soldados ficou parado na porta. Meus irmãozinhos gritavam sem parar, de terror com o barulho, os tiros e a fumaça. Isso eram quatro e meia da tarde. Os soldados então entraram na nossa casa. Uns tiraram os carpetes do chão e jogaram em cima de minha mãe. Eles estavam todos muito armados usando capacetes, elmos, com uma rede de pano verde. Também estavam carregando uma coisa que parecia um tubo de um metro mais ou menos, verde. Eram apavorantes. Eu perguntei a um deles onde estava minha mãe, mas ele não respondeu e começaram a falar em hebraico uns com os outros e eu comecei a chorar. Eles não respondiam nada, então eu perguntei se podia ir ao banheiro, pensando que podia tentar achar minha mãe. Um deles disse em árabe: “Vá”. Quando eu saí do quarto vi mais quatro soldados no corredor que dá para o banheiro perto de onde minha mãe estava. O soldado mandou eu ir para o outro banheiro para eu não ver minha mãe jogada no chão e quando eu saí mandou que eu fosse de volta para o quarto. A casa estava cheia de soldados. Eu fiquei então no quarto com meus irmãozinhos e os soldados ficaram na entrada. A luz continuava cortada. Nove horas da noite os soldados começaram a juntar os equipamentos para sair da nossa casa. Quando eles saíram eu quis is para a casa do meu avô que fica a uns 300 metros mas eles ficaram do lado de fora e eu fiquei com medo de me mexer. Duas horas depois, onze da noite eles foram embora, eu peguei meus irmãozinhos e saí correndo para a casa de meu avô.
    No caminho encontrei uma tia, contei à ela que minha mãe tinha sido ferida e poderia estar morta, continuei correndo sem parar até a casa de meu avô. Meu tio não acreditou que ela estava morta e correu para nossa casa, eu fiquei com meu avô chorando pensando na minha mãe que podia ter sido morta sem nenhum motivo, nenhum, nenhum, pelos soldados. Ela ficou horas na casa e não podiam levar ela para o hospital, foi horrível. Às onze e quinze então chegou uma ambulância e a levou para o hospital e ela tinha mesmo sido morta.

    http://www.btselem.org/english/testimonies/20080507_killing_of_wafa_a_a_daghameh.asp

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

ENFRENTANDO O GOLPE 

A mídia corporativa e o governo golpista querem sufocar os blogs e sites de oposição ao golpe. Precisamos do seu apoio, da sua assinatura, e também do seu engajamento, nos ajudando a divulgar nossos blogs e sites de oposição ao golpe nas redes, republicando nossas postagens, distribuindo conteúdo para amplificar o alcance de nossas críticas.

Assinar é muito fácil, é só clicar numa das imagens, Doar ou Assinar. Todos os cartões de crédito são aceitos



Se preferir, você pode fazer sua doação diretamente na conta do Blog:

Banco Bradesco
Pipa Produções Artísticas Ltda
CNPJ: 10585813/0001-44
Agência 0213
Conta 8035-7
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
O Blog do Mello, enquanto não consegue se sustentar apenas com assinantes, precisa de anunciantes, e você utiliza um bloqueador de anúncios.
Por favor, desative o bloqueador para o Blog do Mello. Obrigado.