quinta-feira, 30 de abril de 2009

Folha muda como o príncipe de Lampedusa?


Li no Observatório da Imprensa, que a Folha vai mudar:

(...) Comunicado assinado conjuntamente pelo diretor de Redação, Otavio Frias Filho, e pela editora-executiva, Eleonora de Lucena, elenca as diretrizes básicas para a chamada mudança editorial.

(...) São as seguintes as diretrizes propostas pelo comando do jornal para a mudança editorial em curso:

1. Organizar a pauta selecionando mais os assuntos e priorizando as abordagens exclusivas dos fatos de relevo. Buscar o furo como prioridade máxima. Ter um planejamento de médio e longo prazo para o desenvolvimento de pautas mais abrangentes.

2. Na produção, cuidar para ampliar o número de fontes, buscar o contraditório e sempre entender o contexto e os interesses que cercam a notícia. Não hesitar em pautar histórias que revigorem o prazer da leitura.

3. Na elaboração dos textos, trabalhar com concisão e didatismo. Observar a necessidade de a redação ter: a) frases e parágrafos curtos (máximo de 10 linhas justificadas); b) uso de aspas apenas quando houver relevância ou quando a declaração for curiosa; c) emprego de números e cifras com mais critério, lembrando sempre de relacionar a parte e o todo; d) preocupação com as nuances, os matizes de argumentos e fatos, fazendo relatos com fidelidade, sem tentar enquadrá-los em categorias preconcebidas; e) a memória do caso e suas inter-relações; f) narração clara e fácil, evitando jargões; e g) conexão com a vida prática dos leitores.

4. Na edição, ter a preocupação de oferecer um produto mais compacto e integrado, sem reduzir espaço reservado a artes e fotos. É necessário reforçar a hierarquia nas páginas. Ajuste gráfico em curso auxiliará nessa tarefa. É preciso dar visibilidade ao “outro lado” e usar com mais frequência recursos como: a) “análise”; b) “perguntas e respostas” / “para entender o caso”; c) “quem ganha e quem perde”; d) “saiba mais”; e e) “e eu com isso?”. [leia íntegra de artigo de Eduardo Ribeiro aqui]

“E eu com isso?”, indaga-se você que me lê, já se adaptando às novas regras da Folha. “Muda o Diretor de Redação, que também é o dono? O homem que defendeu a ditabranda? A linha serrista? Não? Então vão mudar as moscas, mas a merda vai continuar a mesma. Tô fora, é Frias”.

Ah, antes que me esqueça: No romance O Leopardo, de Lampedusa, há a famosa frase do príncipe Fabrizio Salina "É preciso que alguma coisa mude para que tudo fique como está".

O que você acha?

Clique aqui e receba gratuitamente o Blog do Mello em seu e-mail

imagem RSSimagem e-mail

Comente com o Facebook:

9 comentários:

  1. Sabe, Melo, não li o livro mas vi o filme. Lembro-me das cenas e das atitudes do príncipe diante dos conflitos. O diretor escolhe as luzes e sombras nos diálogos onde o príncipe enceta suas estratégias de poder, mas quando mostra o povo e a cidae, com seus ideiais de liberdade e justiça social, coloca as belas luzes das cidades italaianas com suas casas claras e seu belo povo.
    Assim é a Folha, entre as sombras se esgueira suas mentiras.

    ResponderExcluir
  2. Anônimo30.4.09

    Entao vao mudar as moscas, mas a merda vai continuar a mesma, certo?

    C/ tais medidas, podem até reclamar de vendagens despencando, mas nao tem o menor direito de reclamarem da credibilidade q vai segue como páu de galinheiro ...

    Inté,
    Murilo

    ResponderExcluir
  3. Estou procurando um lencol pra enxugar minhas lagrimas...

    Media latina NUNCA HESITOU em ampliar conflitos pra beneficio de seu maior e mais corrupto patrocinador, a direita.

    Mas agora vai mudar! Vai sim! Eu vi! Eu li na falha de SP!

    ResponderExcluir
  4. Benedito30.4.09

    A Falha mantém a aposta na mesma estratégia iniciada nos anos 80, quando da campanha das diretas-já: o marketing enganoso. Mas agora existe a Internet. E só se engana quem quer ser enganado. Parabéns, Mello, pelo seu blogue.

    ResponderExcluir
  5. Não fazem a menor diferença as supostas mudanças. Porque enquanto o plaboyzinho Octavinho continuar na direção, a Folha nunca mais voltará a entrar em minha casa... Nem de graça!

    ResponderExcluir
  6. Mello, que delícia de blog. Qu prazer ler você. Já adicionei, virei fã de carteirinha.

    ResponderExcluir
  7. Chico Cerrito30.4.09

    O que dizer de um órgão supostamente de informação, que define como meta "buscar o furo como prioridade máxima"? Já a verdade...
    Parece prioridade mais apropriada para aqueles tabloides ingleses de escândalos, celebridades e desinformação.
    Pensando bem tá certo, a Folha é isso mesmo.
    Sub-imprensa movida a marketing, meia verdades, fofocas, que aceita falsificações grosseiras como a ficha da Dilma e colunistas extremamente parciais.
    Tudo a serviço das más ideias e intenções demo-tucanas, um autêntico membro honorário do PIG.

    ResponderExcluir
  8. Anônimo1.5.09

    Ria e repasse ...

    Inté,
    Murilo








    Certa vez quatro meninos foram ao campo e, por 100 reais, compraram o burro de um velho camponês.

    O homem combinou entregar-lhes o animal no dia seguinte.

    Mas quando eles voltaram para levar o burro, o camponês lhes disse:

    - Sinto muito, amigos, mas tenho uma má notícia. O burro morreu.
    - Então devolva-nos o dinheiro!
    - Não posso, já o gastei todo.
    - Então, de qualquer forma, queremos o burro.
    - E para que o querem? O que vão fazer com ele?
    - Nós vamos rifá-lo.
    - Estão loucos? Como vão rifar um burro morto?
    - Obviamente, não vamos dizer a ninguém que ele está morto.

    Um mês depois, o camponês se encontrou novamente com os quatro garotos e lhes perguntou:

    - E então, o que aconteceu com o burro?
    - Como lhe dissemos, o rifamos. Vendemos 500 números a 2 reais cada um e arrecadamos 1.000 reais.
    - E ninguém se queixou?
    - Só o ganhador. Porém lhe devolvemos os 2 reais e ficou tudo resolvido.

    Os quatro meninos cresceram e fundaram um banco chamado Opportunity, um outro Banco chamado Marka, uma igreja chamada Universal e o último tornou-se Ministro do Supremo Tribunal Federal.

    Inté,
    Murilo

    ResponderExcluir
  9. graciliano4.5.09

    Mudança na Folha? Não antes de outubro de 2010. Ela recebeu adiantado e tem que prestar o serviço contratado. Quando o Serra compra centenas de milhares de assinaturas, está salvando a FSP das assinaturas e vendas perdidas. Mas o favor não é gratuito, claro.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...