quarta-feira, 25 de novembro de 2009

‘O meu carro, se me permite a expressão, não há cu de peruano que aguente’, diz Gabeira


Quando se junta cu e peru, o pau come (epa!) ou então é ai, ui, ai, ui, aaai, uma loucura!... Mas isso é coisa da vida particular de cada um.
Menos quando entra na reta dinheiro público. Menos ainda quando quem usa dinheiro público de forma irregular é ninguém menos do que o Indiana Jones da moral e dos bons costumes, o Super-Ético Fernando Gabeira, aquele deputado do PV que disse que o ex-deputado Severino Cavalcanti era uma vergonha para a Câmara dos Deputados, exatamente por causa de sua política de merrequinhas. (Clique aqui e ouça a entrevista exclusiva que fiz com Severino Cavalcanti quando Gabeira foi flagrado em outro “desvio ético”).
Explico: A Folha (aquele jornal que publica fichas policiais falsas, que diz que a ditadura foi branda, e que emprestou carros para torturadores passearem com torturados até a “solução final”) publicou ontem uma reportagem (aqui, para assinantes) mostrando que teve acesso a “dados sigilosos” (como? Com que intenções? Eles procuraram os quebradores de sigilo ou foram por eles procurados?) que mostram que deputados usaram ilegalmente verbas indenizatórias da Câmara em suas campanhas políticas de 2008. Entre eles, Gabeira:
Um dos expoentes da Câmara, o deputado Fernando Gabeira (PV-RJ) utilizou parte da verba indenizatória na disputa à Prefeitura do Rio em 2008: usou R$ 6.600 para alugar o carro que o transportou durante a campanha. Gabeira disse não considerar incorreta a atitude, porque a Câmara permite o aluguel de carros e porque ele repassou um carro seu (um Gol) para uso do gabinete.
"O meu carro, se me permite a expressão, não há cu de peruano que aguente. Os caras andavam comigo em um Gol, não dava para colocar quatro pessoas", disse ele -que, após as eleições, não cobrou mais da Câmara gastos com aluguel de carro. Gabeira disse que isso ocorreu porque ele comprou um carro para uso do gabinete.
Ao ver a cara de pau dessas éticas figuras, me recordo de um filme de Godard (não me perguntem qual, porque aí já seria muito para minha memória de pouquíssimos RAMs) em que o sujeito diz que quando ouve falar em ética (ou moral, sei lá, não recordo), “tenho vontade de puxar meu talão de cheques”. É isso.
Vomitar também vale, e além do mais é menos dispendioso (OK, menos chique também...)...
(Só pra não encerrar assim no ar: Alguém sabe a origem dessa expressão "asssim não há cu de peruano que aguente"?)

Clique aqui e receba gratuitamente o Blog do Mello em seu e-mail
imagem RSSimagem e-mail

Comente com o Facebook:

8 comentários:

  1. é, conhecemos a ética do gabeira: é a ética dos flash de tv.

    ResponderExcluir
  2. Minha mãe usava essa expressão antigamente, hoje não tem usado. Fiquei espantada ao ver, pensei que fosse um regionalismo paraense. Ela dizia que tem a ver com a quantidade de peruanas que se prostituíam, denota o exagero no que as peruanas tinham que encarar.

    Abraço,
    Elza

    ResponderExcluir
  3. Anônimo26.11.09

    É comum, que expressões incomuns sejam forjadas com base na experiência própria ...

    ResponderExcluir
  4. A ética do Gabeira é do tamanho daquela famosa tanguinha de crochê...

    ResponderExcluir
  5. Anônimo27.11.09

    Mello, a palavra do filme é "cultura", e o nome do filme é "O Desprezo" (1964).

    ResponderExcluir
  6. alexandre28.11.09

    O anônimo já confirmou. O filme é o "desprezo". E o ator que diz essa fala é o Jack palance. Acredite se quiser.Filmaço.
    Vê se não some,hein, Mello. A guerra imunda já começou. Seu blog é imprescindível.

    ResponderExcluir
  7. Na verdade companheiro Mello,o que o Gabeira tem de bom é que ele fala mesmo a sua versão,não fica através de assessorias de imprensa dando versões falsas e desmentindo fatos acontecidos.

    Então devemos levar em conta sim éssa grande figura da nóssa politica que sempre honrou a sua palavra.

    Ele esclareceu que deixou um outro carro,não mentiu,isso deveria ser levado em conta.

    ResponderExcluir
  8. aiaiai1.12.09

    Minha curiosidade me levou ao google que me levou a uma página que tem, na letra de uma música de alcyr guimaraes, a frase do deputado. Não explica muito, mas é um indicio de que a expressão é antiga e paraense. O Alcyr é um compositor do pará.

    http://letras.terra.com.br/alcyr-guimaraes/1199268/

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

ENFRENTANDO O GOLPE 

A mídia corporativa e o governo golpista querem sufocar os blogs e sites de oposição ao golpe. Precisamos do seu apoio, da sua assinatura, e também do seu engajamento, nos ajudando a divulgar nossos blogs e sites de oposição ao golpe nas redes, republicando nossas postagens, distribuindo conteúdo para amplificar o alcance de nossas críticas.

Assinar é muito fácil, é só clicar numa das imagens, Doar ou Assinar. Todos os cartões de crédito são aceitos



Se preferir, você pode fazer sua doação diretamente na conta do Blog:

Banco Bradesco
Pipa Produções Artísticas Ltda
CNPJ: 10585813/0001-44
Agência 0213
Conta 8035-7
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
O Blog do Mello, enquanto não consegue se sustentar apenas com assinantes, precisa de anunciantes, e você utiliza um bloqueador de anúncios.
Por favor, desative o bloqueador para o Blog do Mello. Obrigado.