quinta-feira, 12 de agosto de 2010

'Não sei por onde vou, Não sei para onde vou. Sei que não vou por aí!'


Cântico negro

José Régio


"Vem por aqui" — dizem-me alguns com os olhos doces
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: "vem por aqui!"
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali...
A minha glória é esta:
Criar desumanidades!
Não acompanhar ninguém.
— Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre à minha mãe
Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos...
Se ao que busco saber nenhum de vós responde
Por que me repetis: "vem por aqui!"?

Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí...
Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.

Como, pois, sereis vós
Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos?...
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos...

Ide! Tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátria, tendes tetos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios...
Eu tenho a minha Loucura !
Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...
Deus e o Diabo é que guiam, mais ninguém!
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.

Ah, que ninguém me dê piedosas intenções,
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou,
É uma onda que se alevantou,
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
Sei que não vou por aí!

.

Comente com o Facebook:

4 comentários:

  1. :) belíssimo, obrigada

    ResponderExcluir
  2. Heloisa Guimarães12.8.10

    Mello, esse poema é belíssimo! Você conhece, também do José Régio, o Libertação? Aí vai. Um grande abraço e parabéns por seus textos sempre lúcidos,
    Heloisa

    LIBERTAÇÃO
    Menino doido, olhei em roda e vi-me
    fechado e só na grande sala escura
    (Abrir a porta, além de ser um crime, era impossível para a minha altura...).
    Como passar o tempo?... E diverti-me
    desta maneira trágica e segura:
    pegando em mim, rasguei-me, abri, parti-me, desfiz trapos, arames, serradura...
    Ah, meu menino histérico e precoce!
    Tu, sim! Que tens mãos trágicas de posse,
    e tens a inquietação da descoberta.
    O menino, por fim, tombou cansado;
    o seu boneco aí jaz esfarelado...
    E eu acho, nem sei como, a porta aberta!

    ResponderExcluir
  3. Anônimo12.8.10

    ...nussa! Parece o Crumb fociferando em Paraty!!

    ResponderExcluir
  4. "SERÁ UMA VITÓRIA ACACHAPANTE E, MUITO PROVAVELMENTE, NO 1º TURNO", diz o entrevistado

    Não tem dinheiro que pague ver a Mônica Waldvogel, no "Entre Aspas", ouvir e engulir essa dura realidade.

    Querem ter o gostinho?

    http://www.youtube.com/watch?v=_COH1ca2RRg&feature=player_embedded

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...