domingo, 5 de dezembro de 2010

PHA também está deslumbrado com a penetração dos homens de farda no Alemão


É só o que eu posso pensar da postagem em seu blog em que ele afirma que O PiG (*) tem razão: a ocupação do Alemão é uma derrota.

O PIG está satisfeitíssimo com a "máscula" ocupação, tanques, homens de preto, capitãesnascimento, principalmente com "a tropa na rua".

A Sky, que PHA cita na postagem, está faturando com o fim da gatonet (cobrando R$ 49,90 de quem antes pagava R$ 30), e a Globo é sócia da Sky.

O engraçadinho Marcelo Tass também parece compartilhar da felicidade do PIG e de PHA, tanto que defendeu em seu twitter o seguinte:


Mas se PHA estiver errado com sua empolgação, não será a primeira vez. Conforme já publiquei aqui, em 2007, no mesmíssimo Alemão, PHA combinou com o governador Cabral, o secretário Beltrame e a irmã do jornalista Tim Lopes um encontro para um ano depois, em que tomariam uma cerveja no Alemão pacificado. Como vimos pela recente ocupação, estava errado. Confira no vídeo ao final.

Por isso não entendo o entusiasmo de PHA. Torcer a favor, também torço. Mas não distorço.

O PIG só não está mais satisfeito, porque a ocupação foi apenas no Alemão e em 13 UPPs, nas quase mil favelas do Rio. Não está mais safisfeito porque o desejo de Tass ainda não virou realidade. A "tropa na rua", Polícias civil e militar, Exército, Marinha, Aeronáutica limpando a área.



.

Comente com o Facebook:

7 comentários:

  1. Até q enfim alguém viu q é completamente sem sentido os comentários do PHA sobre a ocupação...Que cargo ele qr no governo Cabral/Dilma??? Decepção total...

    ResponderExcluir
  2. Américo Camargo6.12.10

    Eu também sou contra toda essa ostentação bélica, todo esse aparato militar, mas tenho que considerar que a situação no complexo do alemão estava insustentável! Total domínio do tráfico, o povo acuado, com medo, um verdadeiro inferno. Pelo menos aquele pessoal está respirando um pouco!

    ResponderExcluir
  3. Luis Rodrigues6.12.10

    Nem uma nem outra. O PIG pegou uma carona oportunista, tipo a onda Marina. Ficar na ZS criticando é mole.

    ResponderExcluir
  4. Anônimo6.12.10

    Que ideia hem Marcelota! Nao estrague as nossas Forças Armadas. Policia derruba bandido. A eleicao derruba politico.
    PB

    ResponderExcluir
  5. Anônimo6.12.10

    A hierarquia classista e trágica do crime

    Aqui chego ao ponto que me fez refletir sobre a essencialidade do crime para a sociedade burguesa e aperspectiva de classe tão fielmente reproduzida em sua hierarquia. Sim, porque é no interior de toda essa discussão que se deve tratar a realidade da explosiva população carcerária que, apesar de confinada, vem apavorando com as notícias sobre as rebeliões que organiza e as ações que efetivamente lidera nas ruas. Essa perspectiva, portanto, é muito diferente do senso comum que analisa o problema a partir dele próprio,como se a sua existência fosse algo em si ou, quando muito, um problema de má gerência do Estado, reflexo da corrupção que emana da representação política (no Brasil e mundo), um problema de educação, enfim.

    À essa altura da discussão realizada, uma questão fundamental é saber: quem são os indivíduos amotinados e organizados em torno do PCC? São bandidos? Quanto a isso parece não haver muita dúvida. Todos eles, de algum modo, violaram, muitas vezes violentamente, regras essenciais e necessárias à sociabilidade humana, mesmo quando submetidas à lógica do capital.

    Aqueles indivíduos, amontoados em celas como animais no abatedouro, sujeitos às piores humilhações e violência física, um dia roubaram, traficaram, mataram, realizaram, em muitos dos casos, o trabalho sujo reservado à “escória” de uma estrutura social, seja ela legal ou ilegal.

    Assim, tanto quanto Sherlock ou Hercule Poirot o fariam, eu pergunto: qual o motivo do crime cometido por eles? Pois bem, aqui reside toda a diferença entre os bandidos-que-vão-para-a-cadeia e os bandidos-que-não-vão-para-a-cadeia, entre os bandidos visíveis e os bandidos invisíveis, estes em geral assentados nos setores mais importantes, e até mesmo insuspeitos, da sociedade capitalista (5). Em princípio, portanto, parece que para aqueles que não-vão-para-a-cadeia, o crime é a oportunidade de acumular e fortalecer ainda mais a condição de burguês, a fim de conquistar todos os benefícios materiais e imateriais que correspondem a esse status quo, cujo pré-requisito é a propriedade privada, independentemente dos critérios de moral e de princípios éticos, hipocritamente constituídos para a sociedade de classes. Para os que vão-para-a-cadeia, o trabalho desenvolvido no interior da atividade criminosa constitui um meio de reproduzir as condições de sua vida de bandidos que, conscientemente, vão-sempre-voltar-para-a-cadeia.
    O bandido visível nasce em bairro de pobres, é subnutrido, aplaca a fome com cola, com crack, não estuda, apanha e é submetido a sevícias em casa, na rua, na Febem, mais tarde, nas delegacias de polícia.

    Mais aqui:
    http://dialogico.blogspot.com/2010/05/capital-trabalho-e-crime.html

    ResponderExcluir
  6. Azarias6.12.10

    Antes de invadir os Morros, deveriam invadir(com auditorias) os tres principais
    Bancos Privados do país e desapropriar/desalojar/empossar/assenhorear-se do dinheiro do tráfico que ali estão depositados. Posso garantir que quinze dias após, a invasão dos morros seria mais branda, menas afoita e principalmente menas sanguinária e violenta.

    ResponderExcluir
  7. Galvão6.12.10

    A única alternativa à invasão do complexo do alemão seria o pessoal da zona sul, que em dias sem sol, desfilam de branco pedindo paz, nas avenidas de Ipanema e Leblon, parar de comprar drogas. Sem consumidor não há negocio que sobreviva.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...