sexta-feira, 18 de março de 2011

Arruda denunciou em setembro à Veja corrupção de presidentes do PSDB e do DEM, mas revista só publicou agora


Leitores da Veja que votaram nas últimas eleições em Sergio Guerra, Rodrigo Maia, Agripino Maia, Demóstenes Torres (presidentes e expoentes do PSDB e do DEM) por acreditar que eles não estivessem envolvidos em corrupção deveriam processar a revista Veja.

Em setembro do ano passado, portanto antes das eleições, o ex-governador de Brasília José Arruda, que renunciou para não ser cassado por corrupção, deu entrevista à Veja onde afirmou que deu dinheiro e prestou favores a todos eles e mais ao senador Cristóvão Buarque e à campanha do PT em Goiânia.

A revista sonegou essas informações a seus leitores e com isso fraudou o resultado das eleições.

O que têm a dizer sobre a farsa os blogueiros e jornalistas de esgoto da revista?

O direito à informação está consagrado na Constituição e a Veja deveria ser processada por descumpri-lo.

Leia mais aqui: http://goo.gl/5A2jE

.
(Via Celular)

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Aqui, comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

ENFRENTANDO O GOLPE 

A mídia corporativa e o governo golpista querem sufocar os blogs e sites de oposição ao golpe. Precisamos do seu apoio, da sua assinatura, e também do seu engajamento, nos ajudando a divulgar nossos blogs e sites de oposição ao golpe nas redes, republicando nossas postagens, distribuindo conteúdo para amplificar o alcance de nossas críticas.

Assinar é muito fácil, é só clicar numa das imagens, Doar ou Assinar. Todos os cartões de crédito são aceitos



Se preferir, você pode fazer sua doação diretamente na conta do Blog:

Banco Bradesco
Pipa Produções Artísticas Ltda
CNPJ: 10585813/0001-44
Agência 0213
Conta 8035-7
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
O Blog do Mello, enquanto não consegue se sustentar apenas com assinantes, precisa de anunciantes, e você utiliza um bloqueador de anúncios.
Por favor, desative o bloqueador para o Blog do Mello. Obrigado.