quarta-feira, 18 de maio de 2011

Por que Palocci e não André Lara Resende, que Nassif afirma que enriqueceu com informações superprivilegiadas?


Quando a Folha de S.Paulo levantou a questão do enorme crescimento patrimonial de Palocci com certeza já sabia de antemão a resposta. Palocci foi o czar da Economia durante boa parte do governo Lula. Depois, foi colher no mercado o que plantou no governo, quando já não estava mais no governo (este detalhe é fundamental), com sua empresa de consultoria.

Mas, por que a Folha e os outros grandes veículos de nossa mídia porcorativa não fazem um trabalho desses sobre o André Lara Resende, escolhido "Economista do Ano", pela Ordem dos Economistas do Brasil?

Lara Resende, segundo Nassif, estava no governo, quando da implementação do Real, "participando diretamente das formulações da equipe econômica" e era sócio de um Banco na outra ponta, faturando horrores com informações que, por sua posição, eram pra lá de superprivilegiadas.

Nassif fez uma postagem sobre isso em seu antigo blog, em 2006:

O Brasil de André - 4

O ponto focal desse desastre foi a decisão tomada, na partida do Real, de flutuar o câmbio para baixo. Nas discussões preliminares, todas as consequências negativas tinham sido identificadas pelos economistas do Real. Todas, do risco do excesso de dólares apreciando o real, do custo fiscal das reservas cambiais excessivas, da necessidade de conter o capital gafanhoto.

Nada foi feito para prevenir os desastres anunciados. André participou diretamente da decisão de apreciar o câmbio, que matou a grande oportunidade de crescimento do país no século. E foi beneficiário direto desse erro. No final de 1994 seu banco estava vendido em quase US$ 1 bilhão no mercado futuro de câmbio. E ele continuava participando diretamente das formulações da equipe econômica.

Nos anos seguintes, tornou-se personagem típico do romance "O Encilhamento", do Visconde de Taunay. Comprou carros de corrida, viajou para Londres transportando cavalos em avião.

Agora, vem com essas considerações de cunho filosófico-político, como se essa deterioração do país nada tivesse a ver com as decisões econômicas?

Deveria se contentar em continuar apenas milionário.

O que Nassif quis dizer fica mais claro num trecho de uma entrevista concedida a Paulo Henrique Amorim, quando Nassif divulgava seu livro “Os cabeças-de-planilha”:

Nassif – (...) Nesse ambiente é que o André Lara Resende monta o banco Matrix especificamente para se aproveitar daquele momento...
Paulo Henrique – Dessa apreciação do Real...
Nassif - Dessa apreciação e, depois, passar o banco pra frente.
Paulo Henrique - Então, eu te pergunto: o que você está querendo dizer é que o André Lara Resende, que ajudou a formular essa conversão de URV para Real sabia que ia ter uma apreciação e abriu um banco para se beneficiar disso
Nassif - Isso.
Paulo Henrique – É isso?
Nassif - É.
Paulo Henrique - O André Lara Resende ...
Nassif - Acho que um pouco mais. Foi cometido um erro, um erro que não tem base na lógica do Plano Real e pessoas - o André foi o que mais se beneficia disso - que participaram da formulação do Plano se beneficiaram disso.
Paulo Henrique - Quer dizer, um erro que o André sabia de antemão que haveria?
Nassif - Isso.

Paulo Henrique Amorim voltou ao assunto em seu blog em 2009, citando trechos do livro de Nassif:

. “…(André) continuou tendo participação ativa nas formulações econômicas, em um caso flagrante de ‘inside information’. Aliás, ele era mais do que um insider. Era o economista com dupla militância, ajudando a definir as regras do Real e, depois, operando no mercado em cima dessas margens”. (Pág. 187)

. “… algumas instituições começaram a atuar pesadamente no mercado de câmbio, apostando na apreciação do real… a mais agressiva foi a DTVM Matrix… com capital de R$ 14 milhões passou a ter uma carteira de R$ 500 milhões. Seu principal sócio era André Lara Resende”. (Pág. 197)

. “Para fortalecer a posição dos “vendidos” (como o Matrix de André), nos meses que antecederam a implantação da nova moeda, Winston Fristch reuniu-se reservadamente em São Paulo com instituições financeiras… fornecendo o mapa da mina da apreciação do Real… Um dos presidentes de instituição financeira presente me contou a surpresa deles ao ver um membro do Governo passando o mapa da mina cambial”. (Pág. 198)

. Esses relatos espantosos fazem parte do livro “Os cabeças-de-planilha”, de Luis Nassif, da Editora Ediouro, que acaba de ser lançado.

. Esta é provavelmente a denúncia mais grave já feita sobre as maracutaias na política econômica brasileira.

. Sobre a promiscuidade entre o público e o privado.

. Sobre o que se passa, na verdade, por trás da ciência dos cérebros que oferecem à mídia conservadora e aos bancos as idéias luminosas que deveriam orientar essa infeliz Nação.

. Eles, os sábios. “A Nova Renascença”, como dizia o “Rei Filósofo”, FHC. Eles, os especialistas em “inside information”…

. André Lara Resende foi um dos formuladores e, como demonstra Nassif, o maior beneficiário do Plano Real.

. Não há como atribuir a apreciação do Real, na largada do Plano, a uma barbeiragem, ou a um “erro técnico”, como prova Nassif.

. Está mais parecido com um “business plan”.

. A melhor explicação, como diz Nassif, é que houve um trabalho em cima de “inside information”, em que Resende sabia que o “erro” seria cometido e os gênios do Governo FHC não o corrigiriam.

. Por que não corrigiram?

. Nem FHC, o Farol de Alexandria, que lançava luzes sobre a Antiguidade, sabe explicar.

. A entrevista que FHC deu a Nassif, em fevereiro deste ano, é patética.

. Por três vezes ele diz que não sabia do que acontecia – e não sabia o que acontecia sobre o Plano Real, que mudou a economia, a moeda e o país (para o bem e para o mal…)

. E por cinco vezes ele diz que não foi consultado.

. Não foi consultado sobre questões centrais da reforma do Plano Real.

. É espantoso !!!

. Espantoso também é o que conta Nassif, na Pág. 211: “André Lara Resende via o plano como uma forma de enriquecimento e ascensão social. Depois de enriquecer com o Real, realizou sonhos adolescentes de comprar carros e cavalos de corrida – que transportou de avião para Londres, quando resolveu passar uma temporada por lá”… [Postagem de PHA completa aqui]

.

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Aqui, comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...