quinta-feira, 2 de junho de 2011

Caso Palocci mostra que 'jornalismo de resultados' está cada vez mais na moda


Em julho de 2006 criei o conceito aqui, e o repito agora, explicando do que se trata, pois acho que está cada vez mais atual, como no caso Palocci, por exemplo.

Depois do futebol de resultados chegou a vez do "jornalismo de resultados"

Depois do "futebol de resultados", com o resultado [aqui eu me referia ao fiasco da seleção dirigida por Parreira na Copa da Alemanha daquele ano] que vimos, agora é a vez do "jornalismo de resultados". Para seus defensores, este tipo de jornalismo é o jornalismo habitual, mas sem as frescuras. É irmão do "futebol de resultados", porque para ambos não interessa jogar limpo, respeitar as regras e os adversários - o importante é o resultado.

Por exemplo: se alguém é acusado de um crime e ele nos parece realmente culpado, por que chamá-lo de acusado, se podemos chamá-lo de criminoso? Por que devemos ouvir a versão dele, se sabemos que ele irá mentir, porque assim agem os de seu partido, religião, classe social?

Portanto, onde o jornalismo escreveria que o deputado Fulano de Tal, acusado de desviar verbas da educação em benefício próprio, alegou X e disse que apresentaria as provas Y, o "jornalismo de resultados" diria simplesmente o deputado Fulano de Tal desviou verbas da educação em benefício próprio.

Se duas pessoas têm visões opostas sobre um mesmo assunto, para que ouvir as duas partes? Para o "jornalismo de resultados" deve-se escolher apenas a versão do "lado certo" e ignorar solenemente a outra. Esse "lado certo", é claro, é o do veículo, jornalista ou blogueiro.

Para os praticantes desse "jornalismo" só existe um pecado mortal no veículo, jornalista ou blogueiro: a falta de posicionamento. Se você, por exemplo, acha que o presidente [à época] Lula é uma besta, isso deve ficar claro em todas as reportagens ou postagens. Como nessa história:
O Papa vem ao Brasil para visitar os fiéis e resolve ir a Manaus conhecer o Rio Amazonas. Lula vai com ele, junto com toda a comitiva, mais aquele monte de gente da imprensa. Chegando lá, resolvem passear de barco pelo rio, mas, num solavanco das águas, o Papa cai e começa a se afogar.

Pânico. Ninguém sabe o que fazer, pois as águas estão agitadas demais. O papa se distancia cada vez mais do barco. Lula, então, pula no rio, mas em vez de afundar começa a... andar sobre as águas!!! Ele caminha sobre o rio até chegar junto ao Papa, estende-lhe a mão e o leva com segurança para o barco.

Manchete do "jornalismo de resultados":

"LULA NÃO SABE NADAR!"

.

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Aqui, comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...