RECENTES

segunda-feira, 12 de março de 2012

Assassinar civis inocentes no Afeganistão não é novidade para o Exército dos EUA. Ontem foram pelo menos mais 15


Um soldado dos EUA matou nesse domingo pelo menos 15 pessoas e feriu outras cinco, apenas entrando nas casas e executando quem encontrasse pela frente. [A notícia completa você pode ler aqui, na BBC]

Mês passado, outros soldados dos EUA queimaram várias cópias do Alcorão, no mesmo Afeganistão.

O desprezo pelo outro é comum nos soldados daquele país. Há menos de um ano o Spiegel mostrou imagens repulsivas de soldados dos EUA exibindo e humilhando corpos de civis do Afeganistão que eles haviam assassinado.

Confira que o assassinato frio não é exceção, mas lição que eles aprendem na Escola de Guerra:

Soldados americanos executam civis inocentes no Afeganistão e posam com seus corpos como troféus



As imagens "repulsivas" (na definição do Spiegel, de onde as retirei, a partir de uma postagem do Blog do Gadelha) mostram soldados americanos exibindo o corpo de um civil assassinado por eles. O Spiegel afirmou que tem várias outras imagens semelhantes e vídeos.

Segundo a reportagem um grupo de 12 soldados americanos vai à corte marcial por atos que o coronel das forças armadas dos USA Thomas Collins classifica como "repugnantes para nós como seres humanos e contrários às normas e valores dos Estados Unidos".

Na mesma linha, um comunicado do exército americano afirma que "[a ação dos soldados está] em absoluto contraste com a disciplina, o profissionalismo e o respeito que têm caracterizado o desempenho dos nossos soldados".

Não é o que afirma o ex-marine Jimmy Massey, que trabalhou durante 12 anos no exército dos EUA:

Jimmy Massey: Durante quase 12 anos ele foi um marine. Trabalhou no recrutamento de jovens para guerra no Iraque. E comandando seu pelotão no solo iraquiano.

Recentemente, esteve em Caracas, na Venezuela, para lançar seu livro Cowboys de Infierno. Na ocasião, deu uma entrevista à jornalista Rosa Miriam Elizalde. A seguir, trechos da entrevista, que pode ser lida na íntegra aqui (em espanhol).

Jimmy Massey por ele mesmo


Tenho 32 anos e sou um assassino psicopata treinado para matar. Não nasci com essa mentalidade. Foi o Corpo de Infantaria da Marinha dos EUA que me educou para ser um gângster das corporações americanas. O que sei fazer é vender aos jovens a idéia de alistar-se nos marines e matar. Sou incapaz de conservar um trabalho. Para mim os civis são desprezíveis, atrasados mentais, uns fracos, uma manada de ovelhas. Eu sou seu cão pastor. Sou um predador. No Exército me chamavam "Jimmy o Tubarão".

Marines


Os Estados Unidos só têm duas maneiras de usar os marines: para tarefas humanitárias e para assassinar. Nos 12 anos que eu passei no Corpo de Marines dos Estados Unidos jamais participei de missões humanitárias.

O que significa ser um recrutador militar nos EUA


Ser um mentiroso. A administração Bush tem incentivado a juventude americana a alistar-se no Exército e o que basicamente faz – e eu fiz também - é atraí-los com incentivos econômicos. [Se tiver estômago para imagens fortes, visite esta página, com mais informações e fotos – algumas bem chocantes – dos soldados americanos que acreditaram nas promessas de Bush]. Durante três anos recrutei 74 pessoas, que nunca me disseram que queriam entrar no Exército para defender o país nem alegaram nenhuma razão patriótica. Queriam receber dinheiro para ir a uma universidade ou obter um seguro de saúde. E eu lhes descrevia primeiro todas essas vantagens e só ao final lhes falava que iam servir à pátria. Jamais recrutei o filho de um rico.

Iraque: O ‘inimigo’ armado pelos EUA


Cheguei ao Iraque em março de 2003. Meu pelotão foi a vários lugares antes ocupados pelo Exército iraquiano. O que vimos foram milhares e milhares de caixas de munições que levavam a etiqueta norte-americana e estavam aí desde que os Estados Unidos ajudaram o governo de Saddan Hussein na guerra contra o Irã. Vi caixas com a bandeira norte-americana e até tanques dos EUA. Meus marines – eu era sargento de categoria E6, uma categoria superior ao sargento, e dirigia a 45 marines - me perguntavam por que havia munições de nosso país no Iraque. Não entendiam. Os relatórios da CIA afirmavam que Salmon Pac era um campo de terroristas e que íamos encontrar armas químicas e biológicas. Não encontramos nada. Nesse momento comecei a pensar que nossa missão realmente era o petróleo.

.

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Aqui, comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

ENFRENTANDO O GOLPE 

A mídia corporativa e o governo golpista querem sufocar os blogs e sites de oposição ao golpe. Precisamos do seu apoio, da sua assinatura, e também do seu engajamento, nos ajudando a divulgar nossos blogs e sites de oposição ao golpe nas redes, republicando nossas postagens, distribuindo conteúdo para amplificar o alcance de nossas críticas.

Assinar é muito fácil, é só clicar numa das imagens, Doar ou Assinar. Todos os cartões de crédito são aceitos



Se preferir, você pode fazer sua doação diretamente na conta do Blog:

Banco Bradesco
Pipa Produções Artísticas Ltda
CNPJ: 10585813/0001-44
Agência 0213
Conta 8035-7
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...