quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Estão querendo transformar os mortos em culpados pela tragédia da boate Kiss em Santa Maria.


Não sei se você que me lê recebeu alguns desses e-mails que estão correndo a rede e tratam da tragédia que na madrugada de sábado para domingo matou até o momento 235 pessoas e feriu mais de cem, várias delas em estado grave.

O que me espantou e me trouxe a esta postagem foi um deles, que teria sido escrito por um jovem de 19 anos - o que me pareceu ainda mais absurdo. Não vou revelar o nome dele, e reproduzo a seguir o teor da mensagem, que veio com o seguinte texto no assunto (subject): "Deu merda. Muita merda!".


BAGUNÇA

Quando eu digo que a universidade virou espaço de culto à bagunça, à vida desregrada e à irresponsabilidade, completamente desvirtuada de seus valores originais, dizem que sou cricri e antissocial, que sou chato e amargo. Mas deu merda. Alguém foi irresponsável e deu merda. Várias pessoas foram irresponsáveis e deu merda, muita merda. Teto de espuma, falta de sinalização, extintores mal inspecionados e não funcionando. Luzes de emergência que não funcionaram. Gente drogada e alcoolizada que não pôde reagir. Alguém disparando um sinalizador num ambiente fechado. Uma irresponsabilidade atrás da outra em nome de "curtir a vida" e "aproveitar a melhor fase da vida". E não me venham com "ah, mas foi um caso isolado, nem todos os lugares são assim". Bobagem. Essas duas frases resumem a concepção atual que, estimo, no mínimo metade dos jovens têm sobre a universidade: é o lugar de beber, de conhecer drogas, de “pegar” todo mundo, de ir a festas de arromba. Construir o conhecimento é bobagem, prestar serviço à humanidade através do saber é bobagem: o importante são as fotos no Facebook, as histórias para contar, o carpe diem moderno e o diploma fuleiro ao final do curso. A palavra de ordem é curtir. Curtiram. Curtiram 234 corpos queimados frutos não deste ou daquele erro de fulano ou ciclano, mas de um comportamento e um valor difundido entre os jovens. Não sou conservador. Não acho que aproveitar a vida faça mal. Não há problema nenhum em fazer uma festa ou gostar de uma balada. Mas é um problema quando a responsabilidade é posta de lado em nome de um estilo de vida. O problema é quando este é o único objetivo, o norte que direciona toda uma vida. O problema é quando vivem em função da sexta-feira-à-noite e todo o resto perde o sentido. E é assim que, como eu vejo, muitos têm vivido. E pior ainda é quando tudo isso é defendido e divulgado pela mídia e pela sociedade. Eu aposto que boa parte dos sobreviventes vão estar em outra festa, muito parecida com essa, para comemorar a sobrevivência. E vão achar o máximo e suas famílias vão apoiar isso. E isso, meus caros, é de matar. Novamente: a causa real deste incêndio é um comportamento defendido por muitos. Ninguém ali pensou em sua própria segurança. Ninguém pensou no que poderia acontecer quando se reunissem tantas pessoas em um ambiente tão fora de controle. Mais de 2 mil pessoas, a maioria alterada devido ao álcool ou às drogas, em transe por conta da música, no mesmo espaço. Desta vez não deu certo.

Será que esse jovem (?) não leu que a culpa do acidente nada teve a ver com o comportamento dos mortos, mas dos vivos e muito vivos, que fizeram e deixaram funcionar uma arapuca?

Será que se esses jovens fossem religiosos, tementes a deus, caretas até a medula, numa festa religiosa comemorando por exemplo o evento mundial da igreja católica que acontecerá este ano no Rio, e o incêndio começasse do mesmo modo, todos se safariam?

O comportamento dos jovens não teve nada a ver com a tragédia. Estavam ali para se divertir, e poderiam ser coroas como eu - porque, sim, os coroas também se divertem. E morreríamos do mesmo jeito. Assim como morreriam intoxicados pela fumaça tóxica os religiosos do evento suposto.

A acusação, a culpabilização das vítimas, é muito semelhante àquela feita às mulheres estupradas: porque eram lindas, usavam roupas provocantes, passaram por uma rua perigosa, estavam em lugar ermo, era madrugada etc.

Quer dizer que as mulheres têm que ser feias, não podem usar a roupa que quiserem nem frequentar ou passear por onde desejarem, porque se forem estupradas a culpa será delas?

Todos temos direito de curtir a vida (embora isso parece uma coisa horrorosa para o autor da mensagem), com segurança. Passear, brincar, dançar, ir a shows com amigos, namoradas. Se não há segurança, se - como diz o subject do e-mail, der merda, muita merda! - temos que procurar os culpados lá do lado criminoso e não do lado das vítimas.

Mais uma vez, minha solidariedade aos amigos e familiares das vítimas de Santa Maria. Que vocês não deixem de curtir  a vida por causa desse terrível acontecimento. Cobremos punição para os responsáveis, e depois, passado o luto, quando der aquela vontade, divirtam-se, curtam a vida, carpe diem, enquanto outros preferem morrer de tédio.

Comente com o Facebook:

Um comentário:

  1. Anônimo1.2.13

    "Nao sou conservador"diz o autor do texto infame-imagina se fosse! Entendi a intencao dele-a de criticar a postura e mentalidade dos universitarios de hoje,do individualismo,da despdeocupacap c/questoes sociais,etc. Contudo o momento escolhido e o mote de usar a tragedia de Santa Maria p/embasar a tese eh que foi te'trico. Abracao, Christiane Maria

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...