domingo, 22 de setembro de 2013

Mais um capítulo de meu romance Madame Flaubert, neste primeiro dia de Primavera





Neste capítulo, a Ema Bovary de Antônio C. revive a cena da Madame Bovary original, na festa do castelo de Vaubyessard. Na atualização de Antônio C. a festa é na antiga embaixada de Portugal, em Botafogo (imagem acima). Na festa, ela se recorda de uma conversa com "o Fernando", o Collor...


10.
Para algumas pessoas, o melhor da festa é esperar por ela. Não para Ema. Definitivamente. Se a espera a deixou com febre e calafrios, a recepção, seguida de um baile, na antiga embaixada de Portugal, na rua São Clemente, levou-a ao delírio. Há muito não sentia todas aquelas emoções a um só tempo em seu corpo. Algumas vezes estava quente, sentia-se arder, imaginava possível acender um cigarro com o toque de sua pele. Outras, ao contrário, um frio descia pela espinha, ela sentia seu corpo congelar-se, do centro para as extremidades. Várias vezes teve vertigens. Mas nessas horas, como que só para servi-la - ela chegou a pensar que isso estivesse realmente acontecendo -, havia sempre um garçom solícito, uma taça de vinho, água Perrier... E também a dança. Após a apresentação da orquestra de câmara, houve o baile - em homenagem a o quê, ou a quem? e o que importa?... - e Ema não se cansou de dançar. Até mesmo o primeiro-ministro - ah, era ele o homenageado! -, um homem casado - como ela -, deixou a mulher de lado - como ela deixou o marido - e tirou-a para dançar.

        Ela saboreava cada instante daqueles. Mexia e ajeitava o colar, colocando o rubi corretamente em relação ao centro do pescoço, fazendo gestos de cansaço e excitação, que pareciam estar agradando em cheio aos burgueses presentes à recepção. Olhavam para ela e percebiam que ali estava alguém que parecia realmente se divertir com aquilo tudo. Não era um negócio, um sorriso pró-forma, uma simpatia de conveniência, mas uma felicidade que saía pelos poros, suava e tornava ainda mais atraente o perfume que ela usava.

        Muitos se insinuaram, tentaram uma abordagem mais íntima. Mas não era nada daquilo o que Ema queria quando comprou o vestido. Não era nada daquilo o que ela queria quando escolheu o colar. Nenhum daqueles homens. Nenhuma das personalidades. Mas a festa, o momento só dela, brilhar, brilhar, ser feliz, subir e realizar seu destino, como a borbulha numa taça de champanhe. Será que alguém entendia isso? Além do mais, após a conversa com “o Fernando” e o convite para a cerimônia de posse em Brasília, a recepção era apenas o primeiro degrau da longa escadaria que vislumbrava à sua frente e que a levaria da vida que vivia havia tempos para o mundo que imaginava desde criança, e para o qual se preparara como que para um baile.

       
Continue lendo, na página do romance no Facebook: https://www.facebook.com/MadameFlaubert. Aproveite e curta a página, com informações sobre os romances, inclusive reproduções do manuscrito de Madame Bovary, de Flaubert, que começou a ser escrito em 19 de setembro de 1851.


Madame Flaubert, de Antonio Mello

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Aqui, comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

ENFRENTANDO O GOLPE 

A mídia corporativa e o governo golpista querem sufocar os blogs e sites de oposição ao golpe. Precisamos do seu apoio, da sua assinatura, e também do seu engajamento, nos ajudando a divulgar nossos blogs e sites de oposição ao golpe nas redes, republicando nossas postagens, distribuindo conteúdo para amplificar o alcance de nossas críticas.

Assinar é muito fácil, é só clicar numa das imagens, Doar ou Assinar. Todos os cartões de crédito são aceitos



Se preferir, você pode fazer sua doação diretamente na conta do Blog:

Banco Bradesco
Pipa Produções Artísticas Ltda
CNPJ: 10585813/0001-44
Agência 0213
Conta 8035-7
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
O Blog do Mello, enquanto não consegue se sustentar apenas com assinantes, precisa de anunciantes, e você utiliza um bloqueador de anúncios.
Por favor, desative o bloqueador para o Blog do Mello. Obrigado.