quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Presidente do PT-RJ diz que partido tem propostas de esquerda para o Rio e pode até lançar candidatura própria na capital





Presidente do PT-RJ e prefeito de Maricá, onde lançou o Tarifa Zero, Washington Quaquá deu uma entrevista ao Brasil 24/7. Nela, falou sobre possíveis alianças à disputa para a prefeitura do Rio no ano que vem, as modificações por que passa o PT e até anunciou que o PT pode ter candidato próprio:

"[O PT] Pode ter candidato próprio, ainda não tem nome, mas pode ter candidato próprio”

A seguir, trechos que destaquei da entrevista, que pode ser lida na íntegra aqui.

O PT passa por uma crise de governismo?
O Vladimir [Palmeira] dizia isso, a institucionalidade nos faz mudar a vida de muita gente, mas nos faz pagar um preço: o da burocratização e do aburguesamento. Então o partido entra no sistema e acaba que os espaços de poder ficam mais importantes do que a luta política pro avanço da luta popular.
Não que o PT não seja um partido que transforme a vida das pessoas. Eu topo qualquer debate com qualquer partido de esquerda, que se diga mais de esquerda do que nós. Porque autoproclamação não significa vida real. Muitos partidos se autoproclamam de esquerda, mas na hora que você vê quais são as ações que o partido faz de transformação da sociedade, o PT dá de dez. Nós ainda somos o grande partido transformador do Brasil. Viramos um  partido reformista, e hoje, levemente reformista, e esse é o problema do PT.  Ou o PT volta a ser um partido reformista ou estamos fadados a acabar. 

Nós somos o grande partido de mudanças no Brasil, como exemplo para o mundo, mas esse modelo que criamos de alianças por cima, de composição com a direita para chegar ao poder, e com uma aliança conservadora de esquerda com o setor conservador da sociedade, para fazer as mudanças que nós fizemos e que melhoraram a vida do povo, esse modelo se esgotou, até porque a burguesia não tolera mais que isso: “Até aí nós toleramos, daí pra frente nós não vamos tolerar, não vamos tolerar que cresça mais a massa salarial, como está crescendo mais  que a renda do capital, não vamos tolerar que fiquem abaixando os juros, diminuindo a dívida pública”, porque isso é repasse de recurso direto para a burguesia. Então há um momento que não dá mais pra compor, como nós compusemos. Agora chegou a hora de sustentar mudanças mais profundas através de um novo bloco de poder, esse bloco de poder tem que ser um bloco feito pelos movimentos sociais e com o conjunto da esquerda.

(...) nós nunca mais vamos ser aqui no Rio, sobretudo sobre a nossa gestão, um satélite do PMDB. Nossos projetos, nossas propostas, como a tarifa zero, passam a ser um dos elementos do modo petista de governar no Rio de Janeiro. Moeda social com economia solidária passa a ser uma das bandeiras principais do modo petista de governar, junto com a democratização, que já é uma bandeira histórica. Nós aqui vamos enfrentar uma eleição, seja na capital ou em qualquer lugar do Rio, com um modo petista de governar renovado, com tarifa zero, enfrentando a máfia do transporte, que ninguém nesse Estado teve coragem de fazer.


PT, um partido de esquerda

 

Essa é uma discussão que nós queremos fazer. Porquê, perceba um coisa: Ser de esquerda não é só proclamar teoria. Não é dizer que é o bonzão, purinho,  que eu quero isso ou quero aquilo. Ser de esquerda é transformar a vida das pessoas. Só se faz transformação social com organização popular. Só se organiza o povo com dignidade. Quem tá fodido, sem moradia, sem comer, não se organiza. A não ser no banditismo, fora da sociedade. Para organizar o povo para a transformação social é preciso que as pessoas tenham condições mínimas de vida. Então temos que construir políticas que deem habitação, que aumentem o  salário, que gerem emprego ou que incentivem o empreendedorismo popular. Tem que dar educação e formação pros jovens. Isso que é avançar na luta popular. Então se a gente vai fazer uma aliança com o Eduardo Paes, e que permita que que essas políticas sejam implantadas, não vejo problema. Zero problema.

Mas ele mudaria radicalmente de ideais?

Nós vamos entrar se ele não mudar? Por que nós vamos fazer uma aliança se ele não incorporar nossos 13 pontos?

 

Sobre o PSOL


O Psol é muito arrogante, eu propus um apoio ao Freixo, declarei publicamente. No dia disse seguinte o Freixo vai pros jornais e diz que não quer o apoio do PT.
 

Eu entrevistei o deputado Marcelo Freixo durante as eleições de 2014, e ele me disse que o Psol estaria aberto à aliança, caso o PT mudasse algumas de suas posturas.
Se o PT virar PSOL não precisamos ser PT, precisamos ser PSOL. Para fazermos uma aliança com eles nós não pedimos para eles deixarem de ser radicaizinhos de Zona Sul; eu não disse que só apoiaria o Freixo se ele desfizesse a aliança com o [Jorge] Picciani (PMDB) na Alerj (Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro) pra ganhar a Comissão de Direitos Humanos; que a [deputada] Janira [Rocha] não pegasse dinheiro de seus assessores; que o Cabo Daciolo não fosse um cara de direita, e que eles o expulsassem. Eu não pedi à eles que mudassem o Psol, eles não podem fazer uma aliança pedindo que o outro partido mude. Somos o PT, não o PSOL. Uma aliança não é uma fusão. Se eles querem fazer aliança com iguais, eles que vão para uma mesquita e procurem um monte de muçulmanos que pensem iguais à eles. Não pode ser fundamentalista pra fazer aliança. Eles estão minimamente aprendendo a fazer alianças. Nós somos um partido que aprendeu a fazer aliança. Aprendemos até demais...

O que o PSOL espera do PT para fechar essa aliança?

Eu não sei. Nós esperávamos que eles recebessem uma perspectiva de nosso apoio com felicidade. Um partido como o nosso dar apoio a um partido menor como o PSOL. Se fossemos nós iríamos aceitar de bom grado: venham que nós discutimos. Mas eles não. Eles disserem que nós tínhamos que nos banhar no rio Jordão. Nós não vamos nos banhar no Rio Jordão. Nós somos um partido e eles outro partido. Já que eles não querem nosso apoio, nós vamos procurar nossa vida. Nós podemos ter candidato próprio, poderíamos apoiar o PSOL e podemos apoiar o candidato do Eduardo Paes.

13 Pontos do PT


O fundamental é que nós do PT estamos escrevendo 13 pontos para fazer um Rio de Janeiro democrático, popular e solidário. E nós vamos apresentar essas propostas para a sociedade. Nesses 13 pontos estão incluídas tarifa zero; moeda social nas comunidades, com uma nova economia popular; educação de tempo integral e combate à tuberculose. No Estado do Rio de Janeiro 700 pessoas morrem por ano de tuberculose. Isso é uma vergonha. É quase uma guerra do Iraque matando tuberculosos aqui. Nós vamos apresentar os 13 pontos, e podemos ter candidatura própria ou apoiar o candidato do Eduardo Paes.

Tarifa Zero na Zona Oeste


O Haddad fez uma grande auditoria nas empresas de ônibus da cidade de São Paulo, que descobriu irregularidades na taxa de lucros das empresas, no número de viagens dos ônibus. Você crê que isso faça parte de um roteiro para alcançar o passe livre?
O Haddad é um cara de esquerda, e é um puta prefeito, que tem colocado novas discussões na cidade de São Paulo, que é uma cidade complexa. Obviamente que implantar a tarifa zero lá não é como implementar aqui em Maricá, que tem 150 mil habitantes, mas dá pra implantar.
Essa é uma discussão nacional. A presidenta Dilma, que fez o Mais Médicos, que enfrentou a corporação dos médicos com o Padilha, devia criar um plano de mobilidade urbana para as médias cidades, que têm entre 100 e 300 mil habitantes. Implementar nelas a tarifa zero num primeiro momento, e avançar aos poucos nas grandes cidades, colocando tarifa zero em alguns trechos das periferias. Podia pegar a Zona Oeste do Rio e dizer: “Vai ter ônibus de graça”, indicando que em oito anos vai implantar tarifa zero na cidade inteira. Teria que ter recursos federais. O próprio Haddad propôs isso – que é uma bela proposta – da Cide, aquela contribuição sobre a gasolina, voltar para os municípios que implantarem a tarifa zero. Poderia criar um imposto sobre a folha de pagamento, já que onde tivesse tarifa zero os empresários não pagariam mais vale transporte, para ajudar a subsidiar o sistema. Ou seja, o que tem que fazer é tirar o sistema da mão das empresas privadas.

Transporte publico é um direito, como saúde e educação. Nós queremos construir um Estado de Bem-Estar Social no Brasil, mas diferente do modelo europeu. Lá o subsidio era dividido em três terços, um os empresários, outro o Estado e o último os trabalhadores. Mas lá os trabalhadores tinham um poder de compra muito grande, vinham acumulando salário, eles podiam ajudar a subsidiar o sistema. Aqui não. Aqui o transporte é um impacto imenso no orçamento e na renda do trabalhador.





Clique aqui e receba gratuitamente o Blog do Mello em seu e-mail
imagem RSSimagem e-mail

Meu perfil no Facebook: Antonio Mello


Madame Flaubert, de Antonio Mello

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Aqui, comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...