sábado, 25 de fevereiro de 2017

Baco, balaco, balaco, Baco. Que tipo de folião é você? Qual a sua fantasia?



No Carnaval, a maior fantasia é a de Folião


Durante muito tempo, a minha fantasia era de que eu adorava Carnaval, era um tremendo folião.

Tímido, enchia a cara e pulava desengonçado no meio do salão, desfilando minha magreza e timidez embriagada.

Na minha adolescência, ainda havia os bailes de clubes. Viviam lotados. Cinco bailes noturnos, de sexta a terça, e duas matinês, aos domingos e terças. Eu ia a todos. Com fantasias de pareô, sarongue, ou sei lá que nome tinha aquilo, pois ficava tão doidão que me esquecia de lembrar.

Mas tudo aquilo era fantasia, não era amor pelo Carnaval. Na verdade o que eu queria era beijar na boca aquela pirata , aquela havaiana, aquela odalisca, aquela baianinha, aquela fantasia...

Nesses bailes valia de tudo para virar folião: álcool, bolas, drogas, lança-perfume, cheirinho da Loló (que porra seria isso que a gente cheirava e ficava completamente doidão, a ponto de às vezes embicar no salão?)...

A doideira era tanta, que uma vez todo o Carnaval não foi o bastante. Me lembro que houve um ano em que eu e um grupo de amigos resolvemos sair do baile de terça-feira, na madrugada de quarta, diretamente para a casa de um amigo em Muriqui, cidade litorânea perto do Rio.

Devia ter 13, talvez 14 anos. Pegamos o trem até a estação de Deodoro e depois a litorina (um tipo de trem mais sofisticado que já não existe mais) para Mangaratiba e que nos deixaria umas estações antes, em Muriqui.

Chegamos já dia claro. Mas não havia ninguém na casa, batemos com a cara na porta. Havíamos feito a loucura de viajar sem ao menos nos informar se o amigo estaria ou não em Muriqui. Coisa de adolescente.

Aquele talvez tenha sido o mais longo dos dias. Uma quarta-feira de cinzas de ressaca, com um sol de rachar, na areia da praia de Muriqui, sem grana, tendo que esperar dar 18 horas para pegar o trem de volta .

Isso tudo só valeu a pena e me vem sempre à memória graças a uma imagem felliniana. Um grupo de freiras, havia certamente mais de 20 delas, com seus trajes completos, tomavam banho na praia e mergulhavam com aquelas roupas e véus .

Ficou marcado para sempre na minha memória. E hoje, penso, seriam mesmo freiras ou um grupo de pessoas fantasiadas de freiras? Nunca vou saber. Coisas de Carnaval . Quando tudo pode acontecer.

Tenho um conhecido, um sujeito sério, que não bebe uma gota de álcool, um copo de cerveja, uma taça de vinho ou champanhe — nem para comemorar um bom negócio ou uma data festiva.

Mas no Carnaval ele se transforma em outra pessoa. Veste-se de mulher, enche a cara na sexta à noite e vai assim de bloco em bloco, de bar em bar, de rua em rua,  só voltando pra casa na quarta-feira de Cinzas, trêbado, quando aí tira a fantasia e volta a ser o sujeito normal, que vai se comportar direitinho até o próximo Carnaval.

Talvez esteja aí o grande barato, o segredo do verdadeiro espírito carnavalesco: a maior fantasia de carnaval é a de Folião.




Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Aqui, comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

ENFRENTANDO O GOLPE 

A mídia corporativa e o governo golpista querem sufocar os blogs e sites de oposição ao golpe. Precisamos do seu apoio, da sua assinatura, e também do seu engajamento, nos ajudando a divulgar nossos blogs e sites de oposição ao golpe nas redes, republicando nossas postagens, distribuindo conteúdo para amplificar o alcance de nossas críticas.

Assinar é muito fácil, é só clicar numa das imagens, Doar ou Assinar. Todos os cartões de crédito são aceitos



Se preferir, você pode fazer sua doação diretamente na conta do Blog:

Banco Bradesco
Pipa Produções Artísticas Ltda
CNPJ: 10585813/0001-44
Agência 0213
Conta 8035-7
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
O Blog do Mello, enquanto não consegue se sustentar apenas com assinantes, precisa de anunciantes, e você utiliza um bloqueador de anúncios.
Por favor, desative o bloqueador para o Blog do Mello. Obrigado.