quinta-feira, 18 de maio de 2017

Já que Aécio diz que há pessoas 'que se pode matar', não teria sido esse o caso do policial Lucas Arcanjo?




O policial Lucas Gomes Arcanjo fez várias e gravíssimas acusações ao senador Aécio Neves, durante a campanha eleitoral de 2014. Passado um tempo, apareceu morto. Dizem que foi suicídio. Mas em que pé estão essas investigações?

A pergunta é pertinente, ainda mais agora no momento em que gravação feita pelo dono da JBS/Friboi mostra que Aécio acha que existem pessoas que podem ser mortas numa boa.

A frase que corrobora isso foi dita por Aécio ao dono da JBS, quando conversavam sobre quem entregaria e quem receberia os R$ 2 milhões que Aécio pedira de propina ao empresário:
“Tem que ser um que a gente mata ele antes de fazer delação".
Ou seja. tem gente que pode ser morto. Seria o policial Arcanjo um desses?

Vejam as acusações do policial a Aécio:




Apoie a mídia alternativa. Considere assinar o Blog do Mello agora


Todos os cartões são aceitos. Você pode cancelar a assinatura a qualquer momento


Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Aqui, comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

ENFRENTANDO O GOLPE 

A mídia corporativa e o governo golpista querem sufocar os blogs e sites de oposição ao golpe. Precisamos do seu apoio, da sua assinatura, e também do seu engajamento, nos ajudando a divulgar nossos blogs e sites de oposição ao golpe nas redes, republicando nossas postagens, distribuindo conteúdo para amplificar o alcance de nossas críticas.

Assinar é muito fácil, é só clicar numa das imagens, Doar ou Assinar. Todos os cartões de crédito são aceitos



Se preferir, você pode fazer sua doação diretamente na conta do Blog:

Banco Bradesco
Pipa Produções Artísticas Ltda
CNPJ: 10585813/0001-44
Agência 0213
Conta 8035-7
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
O Blog do Mello, enquanto não consegue se sustentar apenas com assinantes, precisa de anunciantes, e você utiliza um bloqueador de anúncios.
Por favor, desative o bloqueador para o Blog do Mello. Obrigado.