domingo, 19 de janeiro de 2020

Domingo com Música: Milton Nascimento, A Noite do Meu Bem, de Dolores Duran

Dolores Duran

Nestes tempos de grosseria e autoritarismo, a delicadeza de A Noite do Meu Bem, de Dolores Duran


Uma música típica daquela época, de um tempo do samba-canção, que teve em Dolores Duran uma de suas melhores compositoras e intérpretes.

A Noite do Meu Bem foi uma de suas últimas composições e também do samba-canção, sepultado pela nascente bossa nova.

Aqui, A Noite do Meu Bem é cantada por Milton Nascimento, com Wagner Tiso ao piano.

Na apresentação, Walmor Chagas fala também um pouco da vida e da carreira de Dolores.


Ajude o Mello a tocar o blog. Faça uma assinatura. É seguro, rápido e fácil
Sua assinatura faz a diferença e ajuda a manter o blog
Apenas R$ 10. Todos os cartões são aceitos. Você pode cancelar a assinatura a qualquer momento




Recentes:

Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui
(Apenas Assinantes)

Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos


Assine a newsletter do Blog do Mello.
É grátis.

sexta-feira, 17 de janeiro de 2020

Não é Goebbels, é Goela. O secretário tem a boca grande

Goebbels discursa

A história se repete: da primeira vez, como tragédia; da segunda, como farsa


O Secretário Alvim fez um pronunciamento teatral emulando (com duplo sentido) Goebbels, jogando para a plateia interna (governo) e causando horror entre os democratas do mundo inteiro.

Mas ele de Goebbels só tem a pretensão. É um diretor de teatro e se fez ator para interpretar o papel que lhe cabe no governo neofascista (eleito mediante fraude) que nos assola.

Alvim nem mal havia assumido, quando arrumou uma boquinha milionária (R$ 3,5 milhões na Funarte) para sua esposa.

O escândalo foi tão evidente, que o butim foi cancelado - na verdade, adiado, como se verá. Afinal, Alvim garantiu que procura uma brecha para contratar a mulher.
Ontem, durante seu discurso a la Goebbels, Alvim lançou o Prêmio Nacional das Artes, um concurso nacional com premiações milionárias e com prazos tão apertados que, ou não pode ser sério, ou foi feito para um público-alvo a fim de rachadinhas, ou os dois.

Por exemplo: serão premiadas 5 óperas, uma de cada região do país. O prêmio para cada uma é de R$ 1,1 milhão. E as cinco óperas deverão estrear em setembro próximo, em comemoração ao aniversário da Independência.

Agora, como aprontar uma ópera neste curto tempo? As inscrições vão até março. O resultado sai em abril e a premiação em maio. Daí, cada uma das cinco óperas terá de aprontar orquestras e cantores e toda a produção de uma ópera em pouco mais de três meses. É sério?

Teatro, área original de Alvim, serão 25 peças com R$ 250 mil para cada uma, também com esse mesmo prazo.

O total em prêmios é de R$ 20 milhões e 625 mil.

Não é Goebbels, é Goela de boca grande. Pode ser por aí que surja a tal brecha que Alvim andava à procura...

Ajude o Mello a tocar o blog. Faça uma assinatura. É seguro, rápido e fácil
Sua assinatura faz a diferença e ajuda a manter o blog
Apenas R$ 10. Todos os cartões são aceitos. Você pode cancelar a assinatura a qualquer momento




Recentes:

Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui
(Apenas Assinantes)

Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos


Assine a newsletter do Blog do Mello.
É grátis.

quinta-feira, 16 de janeiro de 2020

'O Judiciário se corrompe quando usa de seu poder para favorecer a corporação em prejuízo do interesse público'



O Judiciário brasileiro no banco dos réus


Não se pode falar em combate à corrupção brasileira sem dizer que ela se alastra também por um Judiciário corrompido por benesses indignas, ainda mais num país com milhões de pessoas abaixo da linha da miséria, como o nosso.

Excelente reflexão de Conrado Hübner Mendes publicada na Folha.
O juiz virtuoso não sai eticamente ileso 

Semana passada afirmei que a magistocracia age para a autopreservação de uma instituição corrupta. Corrupção não é apenas categoria jurídica para criminalizar o indivíduo que surrupia, mas conceito sociológico e moral para se classificar e avaliar instituições. O Judiciário se corrompe quando usa de seu poder para favorecer a corporação em prejuízo do interesse público.
Afirmei também que pornografia é a palavra apropriada para sintetizar não só a remuneração da magistocracia no contexto da desigualdade brasileira, mas os métodos pelos quais produz o Judiciário mais caro do mundo. Se você acha os salários pornográficos, procure saber sobre os métodos.
Dei exemplos: a magistocracia rentista é capaz de negociar constitucionalidade em troca de aumento; capaz de dizer, sem corar, que juiz não é qualquer um, que merece férias e auxílios extraordinários porque seu trabalho tem tipo e intensidade únicos.
Recorre também a artifícios de linguagem: não recebe aumento, mas “reposição inflacionária”; benefícios não são remuneratórios, mas “indenizatórios” (por isso não são tributados nem se sujeitam ao teto); grita “equiparação” para denunciar a injustiça de não ter salário igual a outra carreira qualquer.
A magistocracia não costuma dialogar em público, mas age nos bastidores. De lá chegam críticas. Como aquela que me escreveu, tempos atrás, um desembargador. Manifestou “veemente repúdio”. Afinal, entre milhares de juízes, a “grande maioria” seria “honesta, trabalhadora e dedicada”.
Disse também: “Jogadores de futebol ganham bilhões e ninguém fala nada”; “somos uma classe com baixo poder aquisitivo”; “o professor de Harvard, meu amigo Michael Sandel, ganha US$ 50 mil e ninguém diz nada por ser um talento”; “há mais coisas entre o céu e a magistratura do que se imagina”.
É uma resposta recorrente. O complexo do injustiçado aflige o juiz virtuoso.
Michael Sandel, quem diria, já palestrou no STF a respeito. E perguntou: “Qual das formas de corrupção é mais perniciosa à democracia, a explícita, como o recebimento de propinas, ou essa, na qual o dinheiro que corrompe a política é legal?”.
Pediu a juízes brasileiros um desempenho ético especial: “Tornem-se inspiração para que cidadãos pensem em seu próprio papel na democracia e em sua responsabilidade de se engajar em discussões sobre justiça, o bem comum e o que significa ser um cidadão”.
Sandel é especialista em justiça, não em sistema de justiça brasileiro. Se fosse, perceberia que o desafio de “inspirar pelo exemplo” é mais complexo do que pensava.
De um lado, há uma instituição que resiste a pressões de democratização interna e de controle externo, e se blinda por meio de práticas espúrias. De outro, há aquele juiz virtuoso e trabalhador que pergunta se há forma de se redimir eticamente dentro de instituição com vícios desse naipe.
A tensão entre ética individual e moralidade institucional ocupa pensadores há muito tempo. Ninguém sai eticamente ileso ao se beneficiar passivamente de um arranjo injusto. Essa máxima da filosofia moral vale para escolhas práticas em geral. Vale para mim e para você, conforme nossas circunstâncias, privilégios, poderes e atos. Vale também para a escolha de integrar qualquer instituição particular.
Enquanto o judiciário brasileiro continuar a aplicar seu repertório da baixa política para perpetuar sua estrutura antirrepublicana, o juiz virtuoso terá de resolver esse ônus ético consigo mesmo. A virtude privada e silenciosa, por si só, não o libera da responsabilidade dessa escolha.
Trabalhar no seu canto enquanto penduricalhos ilegais caem na conta bancária e colegas da cúpula fazem o jogo sujo que favorece a todos (como a liminar monocrática do auxílio-moradia, que nunca foi ao plenário do STF e custou em torno de R$ 5 bilhões), não bastará. Dizer que penduricalhos são legais porque assim disse o Judiciário, não bastará. Manuais chamam isso de enriquecimento ilícito.
Falta uma resposta digna do debate franco e horizontal. Com menos intimidação, mais respeito. Com mais informação, um pouco menos de barganha.

Ajude o Mello a tocar o blog. Faça uma assinatura. É seguro, rápido e fácil
Sua assinatura faz a diferença e ajuda a manter o blog
Apenas R$ 10. Todos os cartões são aceitos. Você pode cancelar a assinatura a qualquer momento




Recentes:

Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui
(Apenas Assinantes)

Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos


Assine a newsletter do Blog do Mello.
É grátis.

domingo, 12 de janeiro de 2020

Domingo com Música. Acabou Chorare, Novos Baianos

capa dos Novos Baianos, Acabou Chorare

Disco completo, que nunca cansei de ouvir desde a época do lançamento, em 1972




Ajude o Mello a tocar o blog. Faça uma assinatura. É seguro, rápido e fácil
Sua assinatura faz a diferença e ajuda a manter o blog
Apenas R$ 10. Todos os cartões são aceitos. Você pode cancelar a assinatura a qualquer momento




Recentes:

Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui
(Apenas Assinantes)

Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos


Assine a newsletter do Blog do Mello.
É grátis.

terça-feira, 7 de janeiro de 2020

Delegado morre sem ver justiça ser feita com Aécio, que segue impune

Delegado Rodrigo Bossi de Pinho

O delegado da polícia de Minas Rodrigo Bossi de Pinho morreu no primeiro dia do ano, vítima de câncer


Curiosamente, o homem que o delegado Rossi investigou obstinadamente, sob silêncio e ameaças da imprensa, polícia e Judiciário de Minas, Aécio Neves, quase morreu na passagem do réveillon também.

Segundo informou a imprensa (como acreditar na mídia corporativa quando se trata de um dos seus, como Aécio, Serra e FHC, por exemplo?), Aécio teve uma crise de apendicite. No Twitter, o comentário foi que a crise aconteceu no apêndice nasal...Aécio sobreviveu a mais essa crise.

Já o delegado Bossi não teve a mesma sorte. O câncer de esôfago acabou com sua vida no dia 1º do ano, sem que ele tivesse conseguido levar Aécio a pagar pelos crimes que teria cometido, e que outros cometeram para protegê-lo.

A repórter Conceição Lemes escreveu sobre a heróica luta do delegado e o vergonhoso papel da mídia e do Judiciário mineiros, no Viomundo.
O ano de 2020 começou mal.

Rodrigo Bossi de Pinho, ex-delegado da Polícia Civil de Minas Gerais, encantou-se, como diria Guimarães Rosa.

Um câncer de esôfago, agressivo e com metástases, diagnosticado em fevereiro de 2019, levou-o no primeiro dia de janeiro.

Ele tinha apenas 51 anos.

À frente do Departamento de Fraudes, o delegado Bossi e equipe (ele a valorizava muito) conduziram as investigações  que desmascararam uma farsa de mais de uma década envolvendo a turma do tucano Aécio Neves (ex-governador,  ex-senador, atualmente deputado federal).

Eles demonstraram tanto a inocência do jornalista Marco Aurélio Carone, editor do NovoJornal, quanto do ex-lobista Nílton Monteiro.

Eles tinham plena convicção de que Carone e Nilton foram vítimas de uma organização criminosa que operou em Minas Gerais para perseguição política.

Carone ficou preso preventivamente de 20 de janeiro a 4 de novembro de 2014.

Nilton, de maio de 2013  a 4 novembro de 2014.

Em 14 de junho de 2018, voltou a ser encarcerado devido à condenação em segunda instância. Foi solto em 20 de dezembro do mesmo ano.

Meu primeiro contato com o doutor Rodrigo Bossi foi em 20 de março de 2018, via whatsapp.

Disse-lhe que gostaríamos de entrevistá-lo sobre as delações de Marcos Valério e Nilton Monteiro (ele começava a tocá-las) e principalmente a respeito das megapressões que estava  enfrentando.

Pudera. Estava lidando com todo o esquema de corrupção montado pelo grupo político de Aécio, com ramificações na Polícia Civil, Ministério Público Estadual e Poder Judiciário.

Na sequência, trocamos estas mensagens:

— Gostaria muito de dar a entrevista, mas estão boicotando. Toda entrevista tem que ter autorização da Ascom [Assessoria de Comunicação]. Não estão liberando.

— Boicotando, como?

— Não estão me deixando falar. Têm o rabo preso. E, ainda por cima, estão conchavando para as eleições.

— Eles negam a entrevista e mandam eu dar a desculpa de que estou indisposto, tive um problema na família etc.

O delegado Rodrigo Bossi mexeu talvez no maior vespeiro do sistema político-judicial-policial mineiro, até então intocado.

Tanto que, àquela altura, já estava sendo perseguido dentro da instituição, atacado pela mídia local e por deputados suspeitos de corrupção. Até  ameaçado de morte pelo delegado Márcio Nabak, ele foi.

Mesmo diante de todo esse massacre, esferas maiores do governo Fernando Pimentel (PT) não liberavam o delegado para dar entrevista e colocar as coisas em pratos limpos.

Tampouco o defendiam.

Também não se moviam para conseguir direito de resposta às calúnias  recebidas por ele.

— Minha esposa está muito puta com tudo o que está acontecendo e vem escrevendo no Facebook — disse-me.

Na época, Sandra Fagundes Fernandino, é o nome da esposa, indignada com o ataque recebido pelo marido via O Estado de Minas, reagiu com um texto contundente em seu perfil do Facebook:

    Depois da morte chocante em que tentaram calar a Marielle Franco, hoje a bala foi disparada para calar meu marido, Rodrigo Bossi de Pinho, delegado chefe do Departamento de Fraudes da Polícia Civil de MG. Investigando fraudes cometidas nos processos que invalidaram a famosa “Lista de Furnas”, Rodrigo vem sendo perseguido por muitos, inclusive por membros e representantes da própria Polícia Civil, que direta ou indiretamente poderão ser afetados pelas suas investigações.

    Em casa, já estamos acostumados com boatos e informações inverídicas que correm nos bastidores da Polícia.

    Entretanto, o que me choca ainda mais, é ver o jornal Estado de Minas, se prestar a este tipo de perseguição baixa, sem fundamento, ouvindo um delegado que presidiu o inquérito no passado e que, provavelmente, está se sentindo ameaçado. E a reportagem vem bem no momento em que Marcos Valério assina a sua delação com o Dep. de Fraudes, garantindo ter provas que comprovam fatos da investigação.

    É chocante como parte da nossa imprensa ainda se presta ao papel infame de garantir o poder dos poderosos a qualquer custo e de desprezar a sua função primordial de informar a população. A foto [de Rodrigo com Nilton] foi tirada por um policial da Fraudes, que ao ser flagrado pelo próprio Rodrigo foi questionado, em tom de brincadeira, se ele iria vender a foto ao Márcio Nabak. E provavelmente foi o que aconteceu … mas Rodrigo não se importou em requisitar a foto, pois não tem relação pessoal nenhuma com o delatante da foto e nada tem a esconder.

    Mas a grande ironia da reportagem ficou para a sua última linha … em que menciona que o delegado Rodrigo não se pronunciou … A VERDADE É que ele nunca foi procurado pelo Estado de Minas para se defender. Se o Estado de Minas fosse um jornal sério, teria trocado esta última informação por INFORME PUBLICITÁRIO.

Mesmo sabendo que a provável resposta seria não, consultei as instituições.

Solicitei a entrevista à assessoria de imprensa da Secretaria de Defesa Social de Minas Gerais.

Frisei que o doutor Rodrigo havia concordado, mas que me alertou que era necessário antes a autorização da Ascom.

Disse também que ninguém da imprensa em Minas estava conseguindo entrevistar o delegado e perguntei: Existe restrição da própria instituição?

A assessoria de imprensa da Secretaria de Defesa Social enviou a demanda do Viomundo para a Ascom da Polícia Civil.

A resposta foi não, é claro.

Isso aconteceu pelo menos umas três vezes.

Infelizmente, além de alvo dos ataques do pesado esquema de Aécio Neves, doutor Rodrigo foi vítima do governo Pimentel, que sequer lhe deu o apoio prometido para levar adiante as investigações.

Diante de tudo isso, fiz-lhe a pergunta óbvia: Por quê?

Rápido, respondeu: Conceição, o Governo Aécio não acabou!
Leia mais no Viomundo, inclusive a emocionante despedida da esposa do delegado.

Ajude o Mello a tocar o blog. Faça uma assinatura. É seguro, rápido e fácil
Sua assinatura faz a diferença e ajuda a manter o blog
Apenas R$ 10. Todos os cartões são aceitos. Você pode cancelar a assinatura a qualquer momento




Recentes:

Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui
(Apenas Assinantes)

Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos


Assine a newsletter do Blog do Mello.
É grátis.

segunda-feira, 6 de janeiro de 2020

Sonegação de R$ 3,8 bi do Itaú sumiu do JN, Folha, Globo, Estadão. Por que será?

Só negação Itaú

Sonegação bilionária do Itaú sumiu do noticiário


Os cisnes do laguinho do sítio de Atibaia, o barquinho de lata, as acusações contra Lula ocupavam minutos diários no JN e primeiras páginas dos jornalões. Até uma tapioca do ex-ministro Orlando Silva no cartão corporativo virou notícia.

Mas os R$ 3,8 bilhões que o Itaú teria sonegado aos cofres do município de São Paulo não merecem nem uma notinha de recordação. Como foi noticiada discretamente, agora sumiu de vez.

Onde os intrépidos repórteres batendo à porta dos diretores do Itaú que assinaram Assembleias em Poá sem nunca terem ido lá?

Não é um desfalque suposto, é comprovado por uma CPI e pela Secretaria Municipal de Fazenda de São Paulo.

Bilhões. 3,8 bilhões de reais.

O Blog do Mello segue lembrando e cobrando. Aliás, eles deveriam ser cobrados com aquele jurinho camarada do cartão de crédito deles (origem da fraude bilionária) de 13% ao mês, heim. Seria uma beleza...

Há um mês eu publiquei a postagem a seguir aqui. De lá pra cá, publiquei uma outra. Mas a mídia corporativa está em silêncio sepulcral.

Pesquisei no Google alguma citação na semana, e nada.
Publicação de 7 de dezembro de 2019 do BdoM:

Itaú montou organização criminosa para fraudar bilhões em impostos, diz CPI

A CPI da Sonegação Tributária da Câmara de São Paulo lançou a isca de uma minhoca e alcançou um tubarão. Daqueles gigantes. Simplesmente o maior banco brasileiro. O Itaú, que teve lucro de 7,15 bilhões de reais, no terceiro trimestre de 2019.

Agora, a CPI mostra que parte dos lucros do banco vem de fraude fiscal bilionária.É o que revela reportagem de Guilherme Seto, publicada na Folha.

A CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) de sonegação tributária, realizada na Câmara Municipal de São Paulo, pede o indiciamento de 97 diretores do banco Itaú (e de empresas do grupo) por organização criminosa, crime contra a ordem tributária e falsidade ideológica.
O relatório final da CPI, concluído nesta quinta-feira (5), também solicita o bloqueio de bens dos indiciados.
A comissão encaminhará seu relatório e todo o material levantado para o Ministério Público do Estado de São Paulo com o pedido de que os representantes do banco respondam criminalmente pelas ilegalidades nas quais teriam incorrido de acordo com o grupo de vereadores.
(...)
Em novembro, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), multou o banco Itaú em R$ 3,8 bilhões por suposta fraude fiscal com base nas descobertas feitas pela CPI.
Relatório da prefeitura afirma que o banco “adotou, durante o período fiscalizado, intencionalmente a prática de simulação do seu estabelecimento no município de Poá atribuindo a uma modesta estrutura criada simplesmente para parecer operacional, o local de prestação de serviços”.
Segundo a prefeitura, o banco deixou de pagar ISS (Imposto Sobre Serviços), entre outros.
Presidente da CPI, o vereador Ricardo Nunes afirma que não seria possível organizar um esquema de sonegação fiscal de valores bilionários sem que a alta administração do Itaú tivesse conhecimento das operações. Por isso, ele sugere que havia uma organização criminosa com o objetivo de sonegar impostos da capital paulista.
"Havia dezenas de CNPJs do Itaú no mesmo endereço em Poá. Isso não é feito por acaso e não é feito sem que o alto escalão da organização saiba o que está sendo realizado. Foi tudo pensado para que a sonegação fiscal tivesse sucesso e assim eles pagassem menos impostos", diz Nunes.
"A comissão teve êxito porque foi atrás do espaço de decisão de onde partiram as ordens para a sonegação, ou seja, foi atrás dos executivos de alta patente, que estavam em São Paulo e não em Poá. Foi por isso que ela conseguiu recuperar valores bilionários para a cidade e, agora, propor um caminho para que ela continue a ter efeito com a ação do Ministério Público", diz o vereador Eduardo Tuma, do PSDB, presidente da Câmara e proponente da CPI.
A CPI descobriu também a existência de diretores fantasmas, criados pelo Itaú.
Sobre falsidade ideológica, o relatório da CPI cruza atas de assembleias assinadas por diretores de empresas do grupo Itaú relativas a reuniões em Poá e depoimentos dos mesmos diretores à CPI nos quais eles teriam afirmado que nunca estiveram nesse município.

Esta foi apenas uma descoberta da CPI e relacionada apenas a um banco em uma cidade. Imaginem uma investigação abrangente sobre os bancos, quantos outros não seriam flagrados na mesma mutreta por todo o país.

O Itaú mesmo, teria usado o esquema apenas em São Paulo, Poá?

Ajude o Mello a tocar o blog. Faça uma assinatura. É seguro, rápido e fácil
Sua assinatura faz a diferença e ajuda a manter o blog
Apenas R$ 10. Todos os cartões são aceitos. Você pode cancelar a assinatura a qualquer momento




Recentes:

Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui
(Apenas Assinantes)

Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos


Assine a newsletter do Blog do Mello.
É grátis.

domingo, 5 de janeiro de 2020

Funeral do general assassinado pelos EUA mostra tamanho do vespeiro em que Trump meteu o Ocidente

Funeral de Soleimani


Imagens tomadas de um helicóptero mostram multidão em funeral de Soleimani


As imagens da incrível concentração humana em apoio ao líder morto falam por si. Quando você pensa que, bom, agora acabou, vem mais. Confira.




Ajude o Mello a tocar o blog. Faça uma assinatura. É seguro, rápido e fácil
Sua assinatura faz a diferença e ajuda a manter o blog
Apenas R$ 10. Todos os cartões são aceitos. Você pode cancelar a assinatura a qualquer momento




Recentes:

Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui
(Apenas Assinantes)

Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos


Assine a newsletter do Blog do Mello.
É grátis.

Domingo com Música. Todo Sentimento, com Selma Reis, lançamento da página do Youtube de Wilson Nunes

Wilson Nunes

Wilson Nunes lança página no Youtube



Finalmente, está no ar a página no Youtube do meu amigo e parceiro, o pianista, maestro, arranjador Wilson Nunes.

Por enquanto ainda há pouca coisa por lá, do muito que ele fez e está fazendo. Mas, aos poucos, tudo vai ficando em seu devido lugar.

Até uma parceria nossa, a belíssima Dinah, que espero que ele finalmente grave e publique no canal (olha aí, Wilson, mais uma vez eu pedindo...rsrs).

Vão até lá, curtam, e fiquem com esta amostra que publico aqui (e está lá), de Selma Reis cantando a belíssima Todo Sentimento, de Cristóvão Bastos e Chico Buarque, acompanhada apenas pelo piano de Wilson Nunes, que foi seu maestro e diretor musical por quase toda a carreira.

Clique aqui e inscreva-se na página do Wilson Nunes, como eu fiz.



Ajude o Mello a tocar o blog. Faça uma assinatura. É seguro, rápido e fácil
Sua assinatura faz a diferença e ajuda a manter o blog
Apenas R$ 10. Todos os cartões são aceitos. Você pode cancelar a assinatura a qualquer momento




Recentes:

Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui
(Apenas Assinantes)

Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos


Assine a newsletter do Blog do Mello.
É grátis.

Janio de Freitas: 'Tudo o que importa para o presente e o futuro da nação e seu povo, foi devastado, abandonado, negado, traído em 2019'

Print manchete coluna de Janio de Freitas

Em sua coluna dominical na Folha, o jornalista critica governo Bolsonaro-Guedes


Leia a seguir trecho da coluna de hoje de Janio de Freitas:
Não incluí votos de Natal e de Ano-Novo, nem mesmo sisudos, nos textos recentes. Senti que, sem ressalvas, cometeria alguma hipocrisia, não crendo na possibilidade do que diria. E ressalvas não eram próprias para a ocasião. Não duvido de que parte das previsões otimistas para 2020 venha de convicções e esperanças verdadeiras —o que, em todo caso, não se confunde com fundamento. Não foi assim, porém, a maioria do que se leu e ouviu.

A sinceridade não é bem vista, com escassas hipóteses de exceção. Esse é um vício forte e muito difundido do jornalismo, não só o nosso. Os viciados constrangidos recorrem à dubiedade, ao negativo seguido da compensação positiva. Nada os impedindo, nem aos mais extremados, de mostrar nas suas relações o oposto do que escrevem ou dizem como profissionais.

A economia é um campo pródigo nesses tipos, muito mais extenso e nefasto do que qualquer outro. Nem por isso a prática é menos comum na política.

Nestes dias, um exemplo à mão: a imprensa e o jornalismo eletrônico dos Estados Unidos estão repletos de artigos críticos a Trump, pelo risco de guerra que abriu para provável neutralização do seu impeachment, mas também justificadores da pretensa defesa da honra nacional, ou coisas assim. “Tudo é relativo”, ouve-se cá e lá. Mentira. A integridade profissional, entre outras, não é.

As obrigações e programas sociais de governo foram devastados em 2019 e ainda mais esmagados por Paulo Guedes e Jair Bolsonaro no planejamento para 2020. O Bolsa Família perde R$ 2,5 bilhões. Foram reduzidos à metade os insuficientes recursos para fiscalização trabalhista, sendo o Brasil um caso escandaloso de desrespeito às normas e à segurança no trabalho.

O programa de Educação de Jovens e Adultos só recebeu em 2019 R$ 16 milhões até meados de dezembro, 1,6% do que já recebia em 2010, chegando em 2012 a R$ 1,6 bi, com fantástica recuperação de jovens e adultos que deixaram a escola.

A Presidência da República, que concentra a direção de toda a propaganda governamental, faz publicidade na CNN do avanço no programa de moradias proporcionadas pelo governo. É mentira. A verba para 2020 foi reduzida à metade da fixada para 2019, já cortada.

A saúde, o ensino universitário, o emprego, a cultura, o patrimônio histórico, a remuneração do trabalho, a conservação e a fiscalização ambiental, a infraestrutura, o saneamento, a população indígena —tudo isso, tudo o que importa para o presente e o futuro da nação e seu povo, foi devastado, abandonado, negado, traído em 2019, e está ainda mais roubado ao país no planejamento oficial do governo para 2020.

Votos de um ano feliz sob esta realidade e esta perspectiva exigem uma ponderação. Diretos, pessoais, são expressões de sentimentos afetuosos ou cordiais. É tão bom dizê-los como os receber. Ditos de público, sua generalização confunde-se com o próprio país. No caso, o país que se antevê frustrado, fracassado, demolido.

Há quatro meses, o ministro Celso de Mello, decano do Supremo, advertia: “Um novo e sombrio tempo se anuncia”. É nele que estamos. Por tudo o que o governo Bolsonaro-Guedes faz e começa a ampliar, nosso tempo sombrio não é sequer aquele do túnel, porque então haveria luz no seu fim. É no tempo sombrio de uma caverna que entramos.

Ajude o Mello a tocar o blog. Faça uma assinatura. É seguro, rápido e fácil
Sua assinatura faz a diferença e ajuda a manter o blog
Apenas R$ 10. Todos os cartões são aceitos. Você pode cancelar a assinatura a qualquer momento




Recentes:

Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui
(Apenas Assinantes)

Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos


Assine a newsletter do Blog do Mello.
É grátis.

sábado, 4 de janeiro de 2020

China e Rússia emitem nota em que criticam 'ação ilegal dos EUA' no Irã e dizem que vão agir em conjunto para pacificar região

Mensagem conunta China Rússia em favor da paz no Irã

Em conversa telefônica ministros dos dois países acertaram ação cojunta em favor da paz



O Ministro das Relações Exteriores da Rússia Sergey Lavrov e o da China Wang I emitiram nota conjunta [reproduzida na imagem], que pode ser lida aqui, se você lê russo, ou abaixo, via Google tradutor.
MENSAGEM PARA MÍDIA

Em 4 de janeiro, houve uma conversa telefônica entre o Ministro das Relações Exteriores da Federação Russa Sergey Lavrov e o Ministro das Relações Exteriores da República Popular da China Wang I.

As partes trocaram opiniões sobre questões globais urgentes. A situação no Oriente Médio foi discutida substancialmente. Foi dada atenção especial às consequências dos ataques dos EUA ao aeroporto de Bagdá, resultando em baixas, incluindo o assassinato do comandante do IRGC do Irã, K. Suleymani. Os ministros confirmaram a inaceitabilidade do uso da força em violação à Carta da ONU e a necessidade de respeito de todos os países pela soberania e integridade territorial dos Estados.

Os ministros observaram que a ação ilegal dos EUA agravou seriamente a situação na região. Nessas condições, a Rússia e a China estão interessadas em reduzir as tensões e tomarão medidas conjuntas para criar condições para uma solução pacífica de situações de conflito.

Os chefes das agências de relações exteriores da Rússia e da China reafirmaram sua intenção de cooperar estreitamente nas questões da agenda do Conselho de Segurança da ONU.

Ajude o Mello a tocar o blog. Faça uma assinatura. É seguro, rápido e fácil
Sua assinatura faz a diferença e ajuda a manter o blog
Apenas R$ 10. Todos os cartões são aceitos. Você pode cancelar a assinatura a qualquer momento




Recentes:

Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui
(Apenas Assinantes)

Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos


Assine a newsletter do Blog do Mello.
É grátis.

sexta-feira, 3 de janeiro de 2020

18 pessoas mortas, meio bilhão de animais mortos, maior incêndio do planeta, e 1º-ministro australiano defende carvoeiros

Canguru foge do fogo na Austrália

Maior incêndio da história está fora de controle na Austrália e deve piorar neste sábado, segundo previsões



O primeiro-ministro da Austrália Scott Morrison é da turma do Bolsonaro, que minimiza as mudanças climáticas e dá declarações estapafúrdias.

Maior incêndio do planeta em seu país e ele volta de férias (sim, ele viajou em férias para o Havaí em dezembro, já com boa parte do país em chamas), e defende o trabalho dos carvoeiros...

Bem, com o país queimado não há de faltar carvão...

Desde o início da temporada de incêndios em setembro, 18 pessoas morreram, meio bilhão de animais foram mortos, mais de 1,3 mil casas foram reduzidas a cinzas e 5,5 milhões de hectares foram destruídos, o que representa uma área maior que a de um país como a Dinamarca ou a Holanda.

Os números e a intensidade do fogo são impressionantes e jamais vistos. São incêndios que não queimam uma casa, uma rua, um bairro, mas cidades inteiras em pouquíssimo tempo.

Em algumas cidades costeiras, só o que resta a seus habitantes é abandonar tudo para trás e se refugiar nas praias, como mostra a imagem abaixo tirada em Malua bay, norte de Narooma.

Malua bay

A pequena cidade de Narooma, com cerca de 3 mil habitantes, é um dos pontos de encontro para refugiados da área, mas que está com sua segurança ameaçada pela previsão de incêndio de altíssima intensidade na área para este sábado.

Narooma, Austrália

A imagem acima foi tomada às 16h do dia 31 de dezembro em Narooma, Austrália. Não há filtro. A cor rosa acinzentada é produto do fogo no entorno da cidade.

Veja estas imagens para ter a dimensão do que está acontecendo na Austrália,


O relato a seguir, que vem sendo compartilhado nas redes por lá, mostra a situação dos atônitos australianos.
Fuga de Narooma: você não pode superar as mudanças climáticas

Ouvimos o fogo do mato antes de vê-lo, como trovões em céus escuros.

A princípio, penso que uma tempestade está trazendo a chuva necessária. Mas isso não é um trovão comum; é gerado por um incêndio tão grande que possui seu próprio sistema climático.

Nosso plano para encontrar um refúgio seguro na costa sul de NSW para umas férias falhou. Agora nós cinco - eu, meu marido, nossos dois filhos e um amigo íntimo - estamos em uma das partes mais perigosas do estado, sem saída imediata.

Em retrospectiva, nunca deveríamos ter deixado Sydney. Teríamos tempo para refletir sobre isso mais tarde, mas agora temos preocupações mais imediatas.

Nas próximas 48 horas, tomamos três ótimas decisões: nos preparamos para sair, fomos para o centro de refugiados para nos manter seguros e sairmos assim que for seguro fazê-lo.

Naquela manhã, deixando meu marido e filhos arrumando o apartamento, meu amigo e eu saímos em nossos carros para comprar combustível. Meu tanque estava completamente vazio após a viagem desde Sydney, o longo caminho que tivemos de fazer através de Cooma para evitar incêndios ao longo da Princes Highway, mais ao norte.

Já existe uma fila para o posto de gasolina que se estende ao longo da estrada principal, mas meia hora depois chegamos de volta ao apartamento com o combustível. Se tivéssemos atrasado, teria sido tarde demais, porque houve um apagão de energia elétrica em toda a região, afetando bombas de gasolina movidas a eletricidade ao longo de centenas de quilômetros da costa por dias.

Com o carro carregado, seguimos para o Narooma Leisure Center, o principal centro de refugiados e nossa casa pelas próximas 24 horas. Construímos um ninho com tapetes de ginástica e algumas coisas do carro.

Estamos dividindo o salão com algumas centenas de outras pessoas, muitas delas jovens famílias de férias de Sydney, Melbourne ou Canberra. Ao nosso lado, uma mulher grávida se encosta na parede dos fundos com uma criança no colo e pergunta se teremos que ir para o mar [Nota do Mello: para fugirem do fogo, muitas pessoas estão sendo obrigadas a abandonar suas casas e ficar nas praias].

Equipes de emergência de várias agências e instituições de caridade acionam o gerador e entram em ação. Eles direcionam o tráfego, registram os refugiados, distribuem tapetes, fazem xícaras de chá, cozinham diversas carnes doadas no churrasco e distribuem Choc Tops do cinema [Nota do Mello: Choc tops são sorvetes mergulhados em chocolate, populares na Austrália e na Nova Zelândia e tradicionalmente consumidos no cinema].

Dizemos às crianças que, quando as coisas dão errado, você sempre pode olhar em volta para ver as pessoas se ajudando e isso ajudará você a se sentir melhor. Em pouco tempo, elas param de dizer "estou com medo" e dizem "estou entediado" - e sou grata por isso. Agora que estamos certos de que vamos passar a noite por aqui, preparamos uma festa de pijama gigante para a véspera de Ano Novo.

A certa altura, olho para cima e vejo faixas de vermelho escarlate no teto. Eu digo à minha amiga que eles acenderam as luzes do teto, mas ela diz que é a cor do céu através das claraboias.

Na manhã seguinte, nos reunimos do lado de fora para uma atualização. O céu é amarelo em vez de vermelho e a cinza cobre os veículos como neve negra [Nota do Mello: Uma amiga que estava em Narooma conta que havia dois dedos dessa "nuvem negra" cobrindo seu carro]. As redes móveis foram desativadas para uso apenas emergencial, de modo que as comunicações são à moda antiga - instruções orais e rádio.

As notícias de comunidades próximas como Cobargo são sombrias, mas o conselho para os visitantes sobre ficar ou partir é ambíguo. Algumas estradas estão abertas e poderíamos pegar a costeira para Tathra e depois subir a montanha para Cooma. Com milhares de pessoas convergindo para Narooma, os serviços de emergência estão quase lotados.

O município é considerado seguro por enquanto, por isso é sugerido que as pessoas com acomodações na cidade devam ir para lá.

Como estamos prontos para partir, decidimos sair imediatamente. Estamos cientes do ditado, atribuído ao ex-primeiro-ministro britânico Harold Wilson, de que "uma decisão adiada é uma decisão tomada" e qualquer atraso pode significar que ficaremos presos.

Seja nossa ação decisiva ou apenas sorte, tomamos a decisão certa. O tráfego é leve e passamos por uma fumaça pesada, cientes de que há fogo por perto, mas nunca o vemos. Agora, em Sydney, estamos tendo a visão de dezenas de milhares tentando sair do trânsito.

Nossos corações estão partidos por todos que deixamos para trás e os pequenos grupos de refugiados que perderam suas casas que conhecemos no resto da estrada e param ao longo do caminho.

A experiência trouxe para mim que você não pode superar as mudanças climáticas.

Escolhemos Narooma como nosso destino, porque não houve incêndios ao sul da Baía de Batemans, 120 quilômetros ao norte. Eu estava monitorando o Fires Near Me e recebendo mensagens encorajadoras de nossos anfitriões do Airbnb até o dia em que partimos.

Praticamente todo o trecho da costa entre a baía de Batemans e a fronteira vitoriana subiu de risco de uma só vez. Nosso erro foi julgar o risco com base no antigo paradigma de uma temporada regular de incêndios florestais.

Eu sabia intelectualmente que essa temporada de incêndios era sem precedentes e que o clima mais seco e quente significava que o país era uma caixa de areia esperando para queimar. Eu sabia que não era normal que a estação de incêndio começasse em julho - antes que a combustão pudesse começar - nem que a floresta úmida queimasse.

No entanto, eu não havia realmente abraçado a nova realidade. Eu ainda pensava que se eu pegasse as estradas certas para um lugar que não estivesse pegando fogo, seria bom.

Não percebi que "não pegava fogo" significava "ainda não pegava fogo".

Caitlin Fitzsimmon, The Sidney Morning Herald


Ajude o Mello a tocar o blog. Faça uma assinatura. É seguro, rápido e fácil
Sua assinatura faz a diferença e ajuda a manter o blog
Apenas R$ 10. Todos os cartões são aceitos. Você pode cancelar a assinatura a qualquer momento




Recentes:

Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui
(Apenas Assinantes)

Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos


Assine a newsletter do Blog do Mello.
É grátis.