domingo, 18 de fevereiro de 2018

Secretário de Segurança de Fleury, Temer recomendou ao comandante da PM 'repouso e meditação' para os PMs assassinos do Carandiru


Tempo estimado de leitura: 50 segundos

Reportagem publicada no Estadão, em 8 de outubro de 1992, destaca uma entrevista com o recém empossado secretário de Segurança de São Paulo no governo Fleury, Michel Temer. Ele assumira o cargo cinco dias após o que veio a ficar conhecido como "o massacre do Carandiru", chacina de 111 presos por PMs no Pavilhão 9 da Casa de Detenção de SP.

Questionado sobre o massacre, a resposta de Temer foi inacreditável. Veja o destaque na imagem acima (clique nela para ampliar) ou leia a seguir:

Estadão: - Como o senhor analisa a ação dos policiais militares?
Temer: - Os militares envolvidos em confrontos como os do Pavilhão 9 da Casa de Detenção, em casos de perseguição, cercos, tiroteios, merecem repousar depois de ações como essas e ser submetidos a tratamentos psicológicos. O choque do dia a dia é uma tarefa ingrata e eles precisam de repouso e meditação. Vou recomendar ao comando-geral da Polícia Militar esse tratamento.

Estadão: - O senhor acredita que os PMS vão aceitar esse tratamento?
Temer: - Eu tenho esta ideia. Sei que quando um militar sai de seu quartel para um confronto como o da Detenção deve voltar combalido, abalado e deve merecer o tratamento.



Clique aqui e passe a receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp
Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos

Assine a newsletter do Blog do Mello

Nenhum comentário:

Postar um comentário