domingo, 31 de março de 2019

'O dia que durou 21 anos', documentário que mostra que o golpe de 64 como o de agora foi made in USA



"O dia que durou 21 anos", como escrevi aqui na época, é o mais importante acontecimento da TV brasileira dos últimos tempos. Um documentário rico em material inédito, arquivos considerados top secret pelos EUA, que mostram como aquele país influenciou (quase determinou) o golpe de 1964.

E como nossas Forças Armadas, que recebem salário, uniforme, moradia, armamento dos impostos do povo brasileiro, se voltaram contra esse mesmo povo em favor de um golpe que a maioria do povo não desejava (Mentira que o povo queria golpe de 64. Ibope da época, só divulgado em 2003, mostra grande aprovação de Jango e das reformas) .

No dia de hoje em que as Forças Armadas e o presidente (eleito mediante fraude) Bolsonaro "comemoram" o golpe de Estado, que impôs uma ditadura sangrenta ao país por 21 anos, e que nos sufoca até hoje, se você ainda não viu, assista a este filme na íntegra, reúna a família e fique sabendo a verdade sobre o golpe.

Nos links a seguir, meus comentários sobre os três episódios em que o filme foi dividido em sua primeira e histórica exibição na TV brasileira.

1 ('O Dia que Durou 21 anos' mostra que nacionalismo dos golpistas de 64 era 'made in USA'),
2 (Segundo episódio de 'O Dia que Durou 21 anos' revela que até primeiro presidente do golpe foi escolha 'made in USA') e
3 (Terceiro episódio de 'O Dia que Durou 21 anos' mostra os 21 anos depois daquele dia).


Com seu apoio o Blog do Mello é e vai continuar a ser de livre acesso a todos, e sem propaganda.



Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui
Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos


Assine a newsletter do Blog do Mello

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Comente. Gostou muito? Comente também e considere apoiar o blog, divulgando-o ou com uma assinatura ou doação.
Não gostou? Comente também. Aponte erros e me ajude a corrigi-los. Só não ofenda, porque os comentários são moderados e não vão ao ar.
Obrigado,
Antonio Mello