sábado, 6 de dezembro de 2008

Acidente da Gol: A culpa é dos americanos


Pois é, depois de nossa grande mídia, todos os jornalões, a Rede Globo, os blogueiros de esgoto, toda essa malta ter afirmado que a culpa do acidente entre um jatinho Legacy e um Boeing da Gol, em que morreram 154 brasileiros, era dos controladores de vôo, do péssimo inglês ensinado na Aeronáutica, do "caos aéreo" (ou seja, culpa do governo Lula), relatório definitivo da FAB (aqui, apenas para assinantes da Folha-Uol) mostra que o acidente só ocorreu porque os americanos que pilotavam o Legacy desligaram o transponder, equipamento que, se estivesse em funcionamento, impediria o choque entre os aviões. 154 brasileiros morreram. E a credibilidade de nossa mídia corporativa leva mais um golpe, em sua lenta agonia.

Tudo isso já havia sido cantado por este blog, há quase dois anos.

Acidente do Boeing da Gol: Americanos e grande mídia acham que somos os culpados

Estão querendo empurrar a culpa pelo acidente que envolveu o jato Legacy da empresa americana ExcelAire e um Boeing da Gol para as costas dos controladores de vôo brasileiros. O motivo é um só: o pagamento das milionárias indenizações às famílias das 154 vítimas do acidente – todas passageiros e tripulantes do Boeing da Gol.

No entanto, todos os laudos vão confirmando aquilo que já se sabe desde o início. O jatinho Legacy, pilotado pelos americanos Lepore e Paladino, voava desde São José dos Campos com destino a Manaus. O transponder (equipamento que transmite informações precisas sobre avião e vôo) funcionava normalmente. Até que, exatamente quando sobrevoava Brasília, o transponder pára de funcionar. A comunicação entre os americanos e o centro de controle de vôos, que estava em pleno funcionamento, também é misteriosamente interrompida. E isso acontece no instante em que os americanos não cumprem uma determinação do plano de vôo, a de mudança de altitude na entrada em Brasília. Vem o acidente e, milagrosamente, transponder e comunicação voltam a funcionar.

Não há relato de que algo semelhante tenha acontecido a qualquer outra aeronave que sobrevoava nosso espaço aéreo naquele instante. Portanto, o foco das investigações deve ser: por que transponder e comunicação não funcionaram durante aquele período, se estavam OK antes de Brasília e assim voltaram a ficar após o acidente? Falha do equipamento ou falha dos pilotos?

Foram realizados testes nos equipamentos. Eles estavam funcionando perfeitamente. Logo, o problema aconteceu com os pilotos americanos. E é para livrar a cara deles que vêm sendo expelidos documentos e aconselhamentos por diferentes órgãos americanos, de tempos em tempos.

A novidade da hora vem de um relatório do Conselho Nacional de Segurança dos Transportes dos Estados Unidos (NTSB, na sigla em inglês). Segundo o NTSB, o transponder, embora em perfeito estado (sic), não estava funcionando no momento do acidente porque estava em standby (quem o colocou em standby?...). Segue dizendo que este aviso estava escrito no painel da aeronave, mas os pilotos não perceberam (distraídos, não?). Então, sugere que um aviso sonoro ou equivalente passe a acompanhar o aviso visual.

Receitam, como se isso fosse uma falha do transponder do Legacy (não custa lembrar que o jatinho é fabricado pela Embraer). Só que o alerta unicamente visual é padrão em todos os aviões do mundo. Portanto, os pilotos sabem que têm de ficar de olho no monitor. Durante o intervalo de uma hora entre a perda de contato e o acidente, eles tiveram bastante tempo para olhar o monitor, mas não o fizeram.

Logo, concluem americanos, pilotos e seus advogados, os controladores do Brasil teriam de se comunicar com eles para avisá-los:

- Ei, acorda, se liga, o transponder está desligado!

Mas, como, se também não havia comunicação via rádio entre o jatinho e o Cindacta? Já li duas versões sobre o fato: uma diz que o rádio estava no volume mínimo (quem o teria diminuído?). A outra, que ele estava sendo operado em freqüências erradas (mais uma vez, quem?).

De qualquer maneira, querem nos fazer crer (e nossa bela mídia faz um grande esforço para que eles o consigam) que o problema aconteceu por causa dos nossos controladores, que não são nenhuma Brastemp, e por culpa de nosso sistema de controle aéreo (nós um país de botocudos e tupiniquins). Dão a entender que é um problema nosso, que se fosse nos Estados Unidos o acidente não aconteceria.

No entanto (e sobre isso a nossa grande mídia não dá uma palavra), nem um mês após o acidente aqui no Brasil, um aviãozinho deu um passeio por Nova Iorque e resolveu “estacionar” no meio de um prédio. Os controladores e o controle de vôo da maior potência do mundo (ainda por cima vivendo a paranóia do 11 de setembro) bateram cabeça, como mostra a reportagem da CNN abaixo.

Portanto, não me venham com essa. Tirem a mão do meu bolso, porque o que eles querem é que a culpa recaia sobre nosso controle do vôo, para que todos nós, brasileiros, tenhamos que pagar agora com dinheiro (das indenizações) o que antes já pagamos com as 154 vidas de brasileiros, que morreram simplesmente porque os americanos não leram o aviso no painel que afirmava que o transponder estava em standby.


Clique aqui para ler as notícias de hoje do Blog do Mello

Clique aqui e receba gratuitamente o Blog do Mello em seu e-mail

imagem RSSimagem e-mail

Comente com o Facebook:

7 comentários:

  1. Anônimo6.12.08

    Sempre esteve mais do que na cara que os americanos estavam fazendo estripulias para testar o jatinho.
    Para isso precisavam estar invisíveis e incomunicáveis.
    Agora, eles procurarem se safar faz parte, mas brasileiros os apoiorem nisso apenas por interesse político é inominável.
    A imprensa rotunda e os seus crentes de araque merecem cada vez mais o desprezo dos brasileiros que amam nosso país.

    ResponderExcluir
  2. Mello, gostaria de ter acesso ao relatório da FAB. Busquei na Internet, mas não consegui. por acaso, está disponível na Folha em PDF? Podes salvar e enviá-lo para nosso endereço eletrônico dialogico.blog@gmail.com ?

    Gratos.

    ResponderExcluir
  3. O relatório será divulgado apenas na quarta-feira.
    Vazou para a Folha, portanto, ainda não está disponível - que eu saiba.

    ResponderExcluir
  4. Ricardo Lima6.12.08

    Mello,
    Você costuma ter clareza em seus comentários, mas uma coisa que lhe desabona neste comentário é querer entender daquilo que não entende.
    Sou piloto comercial há mais de 20 anos, fora outros tantos na aviação de menor porte. Sou, também, agente de segurança de vôo desde 1998. Portanto, acredito que isto me abone a emitir uma opinião bem abalizada e apartidária (uma vez que voto no PT/Lula desde 1989).
    O relatório do Cenipa (Comando da aeronáutica) trará, tão somente, fatores contribuintes. Não existe, no meio aeronáutico, o papel do culpado. Chegar aos culpados não traz quaisquer benefícios ao desfecho do evento (prevenção da recorrência), a não ser para o sentimento de justiça dos entes envolvidos. Mas, por mera prática da controversia, se nos dispuséssemos a conjeturar sobre culpados, deveríamos ser sinceros e cortar na própria carne. Faço-lhe uma pergunta: quem é que contingencia (sic) o orçamento do país? É o piloto do Legacy? Ou é a política econômica seguida pelo nosso governo Lula/petista? Aliás, muito parecida com a que seguia a turma nefasta de Harvard, não é verdade?! Pois bem, eu não me furtaria em apontar os responsáveis pelo treinamento e infra-estrutura de nosso espaço aéreo como principais responsáveis. Mas é preciso ponderar, no entanto, se eles não investem por que não querem ou por que não tem dinheiro? Seria interessante investigar! Também não podemos deixar de mencionar o erro de construção do equipamento utilizado pelo Legacy (que é de fabricação da Honeywell - americana). E, até pior, por que não eliminam a deficiência, se é sabido que o problema de desligamento inadvertido do transponder acontece há tempos?! Para finalizar, trago outro dado, baseado no empirismo, que é a deficiência ("gaps" de comunicação) de comunicação daquela região, que desde que ingressei na aviação comercial (em 1988) já existia. Melhorou bastante, é verdade, mas não podemos dizer que não existe mais. Até hoje convivemos com várias frequencias deficientes (eco, revereração etc.) em várias regiões do país (o Sul do país - Centro de controle de área de Curitiba - é um exemplo clássico).
    De uma vez por todas: não há culpados em acidentes aeronáuticos, há fatores contribuintes; e neste caso foram vários. A destacar: infra-estrutura aeronáutica deficiente (mal domínio da língua inglesa por falta de treinamento adequado de fraseologia inglesa dos controladores de vôo, deficiência de comunicação na região, falta de treinamento/alerta dos pilotos no equipamento de comunicação do Legacy). Enfim, o TCAS, equipamento atrelado ao transponder, que estava involuntariamente desligado (!), é a última barreira em um acidente de colisão no ar, para a fatalidade do meu querido amigo comandante do Gol, que até hoje não deve fazer a menor idéia do que lhe aconteceu.
    Em nome de seu ufanismo Lulo-petista perde-se a capacidade de moderação das idéias. Tenho observado isto não só em seu blog, mas em alguns outros que costumo me informar. Mais devagar com o andor! O governo Lula é muito melhor do que o do PSDB. Todos sabemos disto, mas comete alguns erros (ou seria que se acovarda?!) idênticos a outros governos. Seguir a cartilha de Washington no que diz respeito ao contingenciamento do orçamento é um deles. Ou será que você não se recorda do Pallocci, em 2004, sorrindo em frente às câmeras quando dizia que estava cortando verbas do erário?!
    P.s. é duro admitir, mas em matéria de aviação os americanos estão anos-luz a nossa frente! Dizer que o piloto estava brincando com o avião etc. é de uma leviandade sem igual!

    ResponderExcluir
  5. Obrigada pelo esclarecimento, Mello!
    Abraço!
    Claudia.

    ResponderExcluir
  6. Carlos Cunha7.12.08

    Mello, bom dia,
    Que todos deviam apontar o dedos para os americanos desde o início, tudo bem; não é o mais correto, mas também não é o mais errado e faz parte; lá fariam pior com pilotos brasileiros...
    Mas para quem começou a acompanhar seu Blog na eleição paulistana, não posso deixar de lembrar da Dona Marta e seus conselhos.
    Caos aéreo, greve dos controladores, responsáveis do governo admitindo existirem problemas no controle de tráfego aéreo, mas que estavam sendo corrigidos, ou seja, um enorme problema, foi invenção da mídia? Este PIG... as filas nos aeroportos - culpa do Lula que distribuiu dinheiro para o povão - também foram culpa dele. Se ele deve ser aplaudido por por mais gente nos aeroportos, deve ser vaiado por permitir todo o caos de sistema aéreo.
    Se os pilotos desligaram o transponder, ele devem ser punidos. Se o governos tinha técnicos mal treinados - palavra do presidente da Infraero -, se seus radares que "pequenos vazios" - palavra do ministro da defesa -, também tem culpa. Porém, e muito mais importante, foi o caos que se seguiu ao acidente. Neste, só o governo tem culpa.
    Se bem que eu prefiro filas nos aeroportos a te-los vazios...

    ResponderExcluir
  7. Não estou negando problemas com os controladores, apenas afirmando que o fator determinante para o desastre foi o desligamento do transponder. Se ele estivesse ligado, o acidente não aconteceria.
    Quem desligou o equipamento? Os pilotos americanos. No entanto, a mídia - para atingir o governo - buscou jogar a culpa nas costas de Lula, como aconteceu no posterior acidente da TAM em Congonhas, em que também se buscou culpar o governo - falta de ranhuras, "caos aéreo" - quando o fator determinante naquela ocasião foi um manete na posição errada (colocado pelo piloto ou pelo sistema computadorizado do Airbus). Se o manete estivesse na posição correta esse acidente também não aconteceria.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...