quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Vídeo: ‘Lo que Israel no queria que vieramos’


O repórter Jon Sistiaga furou o bloqueio israelense, que não permitiu que a imprensa entrasse em Gaza, gravou algumas imagens durante o conflito e, após a saída das tropas, ficou por lá para mostrar os estragos produzidos por Israel, os que ainda produz e o produto resultante do massacre que os filhos e netos do Holocausto impuseram àquela região: morte, destruição, ódio e sede de vingança.

No Youtube, a reportagem está dividida em cinco partes. As reuni nesta lista de distribuição. Basta apertar o botão para iniciar assistir à reportagem na íntegra.

Aviso aos navegantes mais sensíveis: a parte 2 é difícil de ver. Sistiaga vai a um hospital de Gaza e mostra o sofrimento e a dor lancinante, que faz gritar de dor adultos e crianças atingidos pelas bombas israelenses. A realidade da guerra, ‘Lo que Israel no queria que vieramos’.

Sistiaga é conhecido dos leitores aqui do blog, pois é autor de outras excelentes reportagens mostradas aqui: Sargento, em quem estamos atirando?, que mostra o bate-cabeça dos soldados americanos no Iraque, e ¡Papi, cómprame un Kalashnikov!, sobre a paixão norteamericana por armas. Não deixe de assisti-los também.



Clique aqui e receba gratuitamente o Blog do Mello em seu e-mail

imagem RSSimagem e-mail

Comente com o Facebook:

2 comentários:

  1. Anônimo7.2.09

    Toda as famílias tem uma história para contar; estou contando algumas aqui
    Eva Bartlett da Faixa de Gaza invadida, Live from Palestine, 30 de janeiro 2009

    História de uma família


    Destruição em Izbet Abed Rabu.
    Há muitas histórias. Cada relato – ou seja cada parente assassinado, cada pessoa atingida, cada pessoa queimada, cada casa incendiada e destruída, cada janela estilhaçada, cozinha demolida, pecados de roupa, quartos revirados, balas e bombas, buracos de granadas nas paredes, pichação agressiva dos soldados israelenses – é importante.
    Vou começar contando as histórias de Ezbet Abbed Rabu, Jabaliya, onde as casas perto da estrada para o norte foram invadidas por balas, bombas e ou soldados. Quando não eram destruídas eram ocupadas ou trancadas. Ou invadidas e depois destruídas. O exército israelense é criativo quando quer destruir, quando quer descaracterizar a propriedade, quando quer insultar. Fica-se imaginando o que ouvem quando recebem ordens de destruir e matar. Criativos no modo como defecavam nos quartos e colocavam as fezes nos armários e em outros locais. Na verdade, pensando bem a criatividade não era tão ampla. O resto era a rotina de sempre, saquear a casa do começo ao fim. Revirar e quebrar todos os armários, prateleiras da cozinha, televisão, computador, esquadrias das janelas e tanques de água. Bem treinados e bem mandados eles são.
    A primeira casa que visitei foi a de uns amigos muito queridos com quem eu havia passado a tarde anterior à invasão, e com quem me escondi no porão quando os mísseis começaram a pulverizar a área. Eu estive preocupada o tempo todo com o pai. Depois, vendo que ele ainda estava vivo, comecei a olhar os detalhes. O porão foi o cômodo menos afetado: estava desarrumado, pilhas de terra perto das janelas por onde tinham entrado pelo efeito das bombas que escavou a colina atrás da casa, os colchões estavam revirados e as coisas espalhadas. Este era o lugar mais arrumado e menos danificado.
    Os outros andares, desastre completo. Fezes dos israelenses espalhadas no cão. Tudo quebrado. Latas dos alimentos dos israelenses jogadas em todo o chão, buracos de balas nas paredes e fedor.
    Nos quartos das crianças, muito mais desordem e o fedor muito mais intenso. Aqui ficou sendo a base principal dos soldados, como se podia facilmente ver, caixas de alimentos, comida pré-cozida, macarrão, latas de chocolate e sanduíches empacotados – e as roupas que deixaram para trás. Calças de soldados no banheiro, totalmente borradas. Sim, cheias de fezes.
    Minha amiga me diz: "O cheiro era horrível. A comida estava espalhada em todos os lugares, azeda. Dando ânsia de vômito. Eles defecaram nas pias, em todos os lugares. Espalharam nossas roupas por tudo quanto era chão. A última vez que invadiram em março de 2008 foi fácil, eles quebraram tudo e consertamos tudo. Mas desta vez eles evacuaram em tudo, nos armários, mas camas – minha cama está cheia de fezes israelenses. Nojento!"
    Ela é forte e já lidou com invasões antes, mas perante o desrespeito à sua casa, sente-se deprimida.
    "Há um minuto atrás, Sabreen abriu o guarda roupa dela e havia uma tigela de fezes lá dentro. Eles quebraram a porta do banheiro e a colocaram em nosso quarto não sei porquê."
    A porta está caída de lado no chão do quarto, que parece ter sido atingido por um furacão. "Eles espalharam minhas roupas íntimas em todo lugar," prossegue ela enumerando as pequeninas faltas de educação que doem mais que os problemas financeiros.
    E enquanto F. continua a limpar a bagunça dos soldados, ela fala sobre como a família se sente. "Abed [seu sobrinho] está apavorado, quer ir embora com medo dos aviões sem tripulantes que atiram bombas, mesmo depois que disseram que iriam cessar fogo”. Eles não o fizeram, Israel violou o cessar fogo.



    Aqui havia uma igreja.


    Terra revirada pelos tanques.


    "Não foi um exército profissional"
    Quando eu voltei lá dois dias depois, a casa estava muito mais limpa, mas ainda tinha o mau cheiro da presença dos soldados. "Limpamos o que pudemos, mas é difícil, não temos água corrente mais, temos que encher jarros na caixa dágua da cidade”. Andando na estrada arenosa eu sei que é difícil até sem carregar peso, imagine carregando jarros ou tentando passar de carro com qualquer quantidade de água ." A estrada tinha sido totalmente revirada pelos tanques israelenses.
    Da varanda eu olhei e vi o solo todo revolto, as casas bombardeadas as árvores queimadas mas ainda de pé no meio das ruínas. O tanque de água de cimento que tinha sobrevivido aos ataques aéreos anteriores, desta vez acabou, destruído completamente.
    Da janela da sala olhando as colinas vimos que os tanques não só tinham revirado a terra mas criaram também uma arena para onde os israelenses levaram os palestinos detidos. Um vizinho, ela diz, foi levado para lá. Era um senhor de 59 anos e seu filho de 19, e sob a mira de metralhadoras tiveram que tirar as roupas e ficar nus. Os soldados os cercaram com os tanques. "Nós não tínhamos feitos nada. " eles contaram mais tarde. Ficaram detidos por três dias em uma solitária, foram vendados, algemados, intermitentemente interrogados, surrados e as perguntas eram: “Vocês tem túneis em sua casa ? Onde estão os soldados de vocês? Onde estão os foguetes? O que é que vocês sabem sobre o Hamas? Vamos destruir sua casa toda se você disser que sabe alguma coisa sobre eles."

    A irmã de F., A, descreve seus 17 dias na escola Foka depois de ter sido expulsa de sua casa em al-Tatra. As escolas que deveriam ser um local seguro (mas na realidade não eram porque vimos que al-Fakhoura e as outras escolas da ONU foram bombardeadas com fósforo branco, que decepa e aleija) não tinham nenhum conforto, nem calor, algo para se beber ou noites calmas.
    "Nós não conseguíamos dormir toda a noite, estávamos com muito medo. Não havia segurança. Para onde poderíamos ir? Não tínhamos para onde ir. Éramos 35 pessoas amontoadas em uma sala de aula pequena. Não havia colchões, cobertores. Estava frio, muito frio durante a noite. Não havia eletricidade, nem água. Os poucos banheiros eram usados por centenas de nós, estavam superlotados, sujos. Nossos parentes conseguiram cobertores para nós depois de quatro dias, então melhorou um pouquinho. Mas não havia o que comer, somente um pouco de pão, não era suficiente para uma família.”
    A perspectiva normal de gratidão por estar viva ainda sobrepuja o que seria o seu direito de sentir-se indignada, deprimida, de chorar ou de lamentar este sofrimento. "Graças a Deus sobrou um quarto na nossa casa. As casas da maioria das pessoas foram completamente destruídas”, ela diz, olhando para sua casa quase inteiramente destruída com exceção de um único aposento que permaneceu com o teto. Os soldados saquearam tudo, destruíram todas as roupas e jogaram bombas, roubaram o computador e os 2.000 em dinheiro que tinham.
    A Anistia Internacional enviou uma equipe para averiguar os fatos em Gaza, depois dos ataques de Natal dos israelenses. Chris Cobb-Smith, um militar e oficial do exército britânico disse “O pessoal de Gaza foi saqueado, vandalizado, suas casas foram desrespeitadas. Os soldados israelenses deixaram atrás de si não somente montes de lixo e de excremento mas também equipamentos militares e munição. Não é um comportamento que se espera de um exército profissional, mas sim de vândalos cínicos e raivosos." E isso foi a história de uma família somente.




    A life interrupted.


    Salvando o que restou.


    Terrorismo Psicológico
    Dois de seus filhos tentavam puxar peças de roupa, livros, o que pudessem de debaixo do armário derrubado. Cada item é sagrado. A mãe me levou para ver a casa, indicando todas as violações feitas contra a existência deles, as paredes pichadas, as janelas quebradas, copos e pratos quebrados, sacos de trigo rasgados espalhados – e o trigo é nesta situação, tão precioso – e o mesmo lixo revoltante deixado pelos soldados: sacos de comida estragados, fezes pela casa toda mas não nos banheiros, roupas usadas e papel higiênico. O mesmo fedor.
    "Eles quebraram tudo, destruíram nossas vidas. Aqui era o quarto dos meninos”. Vamos então andando no meio dos restos. “Olhe, cuidado!” “Pise aqui!” Para que eu não pisasse sobre cacos e objetos quebrados nos aposentos destruídos.
    Não é somente a destruição, o desprezo, o vandalismo, o desperdício. É também a interrupção da vida, de uma vida já perturbada pelo cerco. Ela me mostrou livros escolares, rasgados, arruinados – a maldade intencional dos que fizeram isto - e perguntou como as crianças estudariam sem livros, sem luz, sempre tendo que fugir de casa, em constante medo de outro bombardeio e e de mísseis jogados pelo exército mais armado e destruidor do mundo.



    Pichação deixada por soldados israelenses: "Até agora/ 1 sabotador rastejante (terrorista)/ 3 na encruzilhada/ 2 nas plantações/ Um velho suicida/ [ilegível]/ Um inocente."
    As pichações dizem:
    "Não odiamos os árabes mas mataremos todos os do Hamas," e "O exército israelense esteve aqui. ” Sabemos que vocês estão de volta aqui. Não vamos matar vocês agora, mas vocês vão viver com medo e terão que fugir durante toda a vida!”
    Para os membros da família que sobreviveram como ela, o terror psicológico é real, não é um filme. Para os que já morreram, a frase “não vamos matar vocês” é uma mentira. Pergunte aos pais, às mães e aos irmãos.
    De cima da laje podemos ver as casas dos vizinhos que sofreram a irracional ira da máquina militar israelense. E enormes áreas de terra que há dias tinham casas,árvores estão agora nuas, cheias de fragmentos de bombas, detritos, tocos e trilhas de tanques de guerra.
    "Era nosso pomar, frutas, limões, oliveiras ..."
    "Ali era a casa do meu irmão, está toda destruída ..."
    Ela tinha que falar depressa, porque os aviões sem piloto, que jogam bombas já podiam ser ouvidos, com seu som estonteante.
    Passamos por uma bomba de água que atendia a 10 casas na área, atingida por mísseis, arruinada.
    Passando por mais destroços de casas, encontrei Yasser Abu Ali, sócio de uma loja de tintas e ferramentas que foi bombardeada por mísseis F-16. Dezessete pessoas eram dependentes diretos da receita da loja, sem contar os indiretos, como fornecedores, compradores. No que ele descreve a perda de cerca de ' $200,000 sua e de seus irmãos, descubro que ele é primo do Dr. Izz al-Din Abu al-Eish, o médico cujas três filhas e uma sobrinha foram assassinadas por bombas jogadas em sua casa em Jabaliya. Todos tem uma história triste, algumas sobrepondo-se a outras tragédias.


    Casa destruída de Samir Abed Rabu
    Na casa de Samir Abed Rabu a visita começa do mesmo modo que as outras, tudo quebrado e revirado, de novo os restos dos soldados israelenses, fezes, comida pobre, baralho e mais pichação: “ Entre no exército israelense hoje!”.
    A casa tem mais buracos que paredes, de múltiplas bombas, assim como de metralhadoras de tanques. Vendo tantas casas intencionalmente e maldosamente destruídas nós perdemos a noção de prejuízos. Algumas coisas ficaram de pé, como uma cadeira, embaixo do teto todo arrebentado.
    E há também buracos de obuses. Olho o buraco de frente para a rua Salah al-Din no cruzamento Dawwar Zimmo e percebo que foi de um desses rombos que o enfermeiro Hassan foi atingido, graças a Deus não morreu como os outros 13 enfermeiros que não sobreviveram. Graças a Deus nós também não morremos. Esses rombos estão em todas as casas em Jabaliya, al-Tatra, al-Zeitou – por toda Gaza.
    O quarto do bebê também foi atacado. Uma parede de desenhos coloridos e lindos posters de criança fazem o contraste com a feiúra do bombardeio que abriu buracos em tudo, mostrando que nada é sagrado para um exército que especializa-se em matar crianças.
    O jumentinho que está do lado de fora explica o cheiro de podre, também abatido, mas um cheiro diferente do odor usual dos soldados israelenses.
    Ao sair das ruínas da casa de Samir Abed Rabu, vi uma outra família sem teto, fazendo chá sobre uns destroços, atrás do que restou de sua casa. Saed Azzat está de pé ao lado de um buraco causado por míssil no teto de sua casa, explicando que no primeiro dia da invasão israelense, ele e a família estavam dentro de casa quando o míssil caiu. Saíram então desesperados, correram até uma escola e somente souberam que a casa tinha sido também ocupada quando ao voltar viram os restos da passagem dos soldados israelenses.
    Exatamente como os outros: tudo arrebentado, fezes dos soldados e garrafas de vinho vazias e jogadas ao léu. Vinho israelense, claro. A caixa d´água destruída, e a falta do teto mostrava mais visivelmente a destruição de todos os limoeiros à volta de sua casa.
    Eu saí dali tentando passar entre os táxis, motos, carrinhos com itens pessoais, pessoas que não tinham mais onde ficar, pessoas que tinham vindo pegar o que sobrou das casas para tentar começar tudo de novo noutro canto. Eu senti que já tinha visto mais do que poderia suportar ou descrever. Mas pensei, eu sei que tem mais outros tristes casos, eu tenho que suportar, eu tenho que informar.
    Violação de uma casa




    Yousef Sharater and children in front of their damaged home.
    Incrivelmente, a escada da casa de Yousef Shrater que foi bombardeada e incendiada ficou intocada, assim como as 14 pessoas que viviam lá, sendo três famílias. Shrater, pai de quatro crianças, caminha sobre os blocos de cimento arrebentados e as escadas cheias de restos, sobre o lixo deixado pelos soldados e outros restos de uma casa que foi bombardeada e depois ocupada.
    No segundo andar, na parte da frente a janela original está rodeada de buracos causados pelo míssil que atingiu sua casa. "Eles estava, ali," conta Shrater apontando para um local a cem metros de distância, uma colina em Ezbet Abed.
    Na sala ao lado, Shrater aponta para o outro lado, de onde os tanques vieram e estacionaram perto de sua casa para bombardeá-la: "Minha esposa, meus filhos e eu estávamos nesta sala quando eles começaram a jogar as bombas. Corremos para os fundos procurando proteção."
    A sala dos fundos é um aglomerado de destroços e pedaços de coisas explodidas. Os tanques tinham cercado toda a área residencial e mal a família tinha-se trancado na sala dos fundos uma nova bomba rachou a casa toda. "Caiu a menos de um metro da janela, se tivesse caído na sala teríamos todos morrido”.
    Shrater explica como os soldados forçaram a entrada na casa, expulsaram todos os membros da família, separando os homens das mulheres e trancando todos em uma casa ao lado, juntamente com outras pessoas da área. Seu pai e sua mãe que viviam em uma barraca ao lado, foram mandados para lá também Os soldados então ocuparam sua casa durante todo o período da invasão, como todos os outros soldados o fizeram em toda a Gaza. E do mesmo modo que aconteceu com os outros quando os moradores sobreviventes voltaram, acharam a casa, além de bombardeada, suja, vandalizada, com fezes por todos os lugares, tudo o que era de valor roubado, como celulares, jóias e dinheiro. Em alguns casos, roubaram até móveis pequenos e televisões, que eram usadas e depois jogadas fora nos acampamentos de soldados. Shrater disse que os soldados roubaram mil dólares e dois mil dinares.




    O pai de Yousef que sofre de asma.
    Na parte de trás do cômodo de esquina, Shrater passa sobre uma depressão no piso de mais de um metro e meio, onde os ladrilhos foram arrancados e a camada de areia foi retirada. "Eles fizeram sacos de areia para colocar ao lado das janelas para poderem atirar com metralhadoras." Os sacos ficaram jogados lá cheios de areia e de roupas. "Eles usaram as roupas das minhas crianças para fazerem suporte para as metralhadoras” lamenta Shrater " As roupas que eles não colocaram nos sacos, jogaram no vaso sanitário”, acrescenta ele mostrando.
    Os buracos feitos para usar metralhadora, estão nos quartos do lado oeste, na direção de Dawwar Zimmo onde foram, achados corpos metralhados que não puderam ser alcançados pelas famílias nem pelos enfermeiros (incluindo os médicos da Cruz Vermelha que foram atingidos quando tentavam alcançar um corpo).
    Do telhado podemos ver mais claramente a área onde os tanques foram posicinados, as incontáveis casas demolidas e destruídas, os estilhaços de bombas caídos dos mísseis jogados pelos tanques. O pai de Shrater, de 70 anos está no telhado e começa então a contar sua experiência quando foi seqüestrado de sua casa e trancafiado com sua mulher e outras pessoas durante quatro dias. "Eles vieram até nossa casa, ali," disse, indicando a casa de um piso onde ele vivia com sua esposa, ovelhas e cabras. "Os soldados israelenses chegaram na nossa porta, berraram mandando que saíssemos e começaram a atirar em nossos pés. Minha mulher ficou aterrorizada. Eles roubaram todo o dinheiro que tínhamos depois nos algemaram. Antes de vendarem nossos olhos, soltaram as ovelhas e as cabras das barracas e mataram todos com as metralhadoras. Mataram os oito animais na nossa frente.”
    O ancião Shrater, que sofre de asma e sua esposa Miriam foram então vendados e levados para outra casa onde, durante quatro dias, os soldados não permitiram que ele usasse o inalador e nem sua esposa usasse os remédios para diabetes. Nem se falava de alimento e água e o pai de Yousef Shrater disse que seus pedidos aos soldados eram respondidos pelos soldados com: “Sem comida. Entregue-nos o Hamas, aí eu dou alimentos”. E como fazer uma coisa destas? Quem de nós sabia onde poderia haver algum membro do partido?”




    Related Links
    • BY TOPIC: Gaza massacres

    Eva

    ResponderExcluir
  2. Anônimo10.2.09

    Os soldados israelenses explodiram as portas da minha casa, mataram minha mãe e deixaram o corpo dela com as crianças
    Gaza - Samira a-Daghameh, 13
    Tenho 13 anos, agora vivo com meu pai, Majdi e minhas irmãs e meus irmãos: Muhammad, 12, Roah, 10, Manal, 9, Ruba, 4, e Qusai, 2. Minha mãe, Wafa, vivia conosco até o dia em que foi assassinada. Nossa casa fica a 700 metros da fronteira de Gaza com Israel.

    Na quarta feira, às duas da manhã eu acordei com o barulho de tiros. Meus pais estavam sentados, acordados na sala e eu me sentei um pouco com eles. Logo depois voltei para meu quarto e tentei até dormir de novo.
    Às seis da manhã ouvi minha mãe acordar Muhammad, Roah, e Manal, para que eles fossem para a escola. Eles freqüentam a escola da ONU, onde minha mãe ensina e todos vão para a escola juntos. Quando eles estavam saindo de casa minha mãe ouviu mais tiros do lado de fora e decidiu não sair. Às sete e meia o diretor ligou e disse que ela tinha que ir para a escola. Minha mãe então saiu com meus irmãos e eu fiquei em casa com meu pai, com Ruba e com Qusai.

    Eu arrumei a casa e então subi no sótão para ver o que estava acontecendo na área. Aí vi três tanques de guerra, lado a lado, a uns 500 metros de minha casa. Quando eu vi os tanques corri para dentro porque fiquei com muito medo. Às oito e meia meu pai foi até a casa do vizinho, eu fiquei em casa com meus irmãozinhos e meia hora depois cortaram a luz. Ao meio dia minha mãe me chamou de fora de casa, pedindo que eu abrisse a porta. Eu perguntei, “Como foi que você chegou em casa?”. Ela disse que tinha conseguido uma carona com alguém passando pelos campos e não pelas ruas. Ela entrou e começou a fazer o almoço. Eu ajudei um pouco e quando terminamos de almoçar, ela sentou-se para estudar, ela freqüentava a Universidade Aberta de al-Quds. Eu então fui brincar com meus irmãozinhos. Aí começou um novo tiroteio, eu então olhei da janela e vi que agora havia um trator de demolição a 30 metros de nossa casa. Eu comecei a rezar. Ainda estávamos com a luz cortada. De repente, ouvimos um barulho de portas e janelas caindo no chão e quando olhamos da janelas vimos que o trator estava novelando o chão e derrubando a cerca da casa de nosso vizinho, Ibrahim. Então o trator demoliu totalmente a casa dele. O barulho continuava, e estava vindo na direção de nossa casa. Ouvi vozes dos soldados israelenses falando perto da janela. Minha mãe então disse que ia esperar , no caso deles chamarem para alguma coisa. Eu fiquei perto da janela, de onde eu podia ouvir as vozes deles, nós estávamos com muito, muito medo. De repente eu ouvi uma explosão horrível dentro da nossa casa e vi um raio de luz vermelha. A casa ficou então cheia de fumaça e os vidros e as madeiras de todo lugar caíram no chão. Eu não conseguia ver nada dentro de casa por causa da fumaça. Corri para onde minha mãe estava e vi dois soldados dentro de casa. Um deles olhou minha mãe, caída no chão e disse: “Ótimo”. Eu voltei morrendo de medo para o quarto onde eu estava. Um dos soldados ficou parado na porta. Meus irmãozinhos gritavam sem parar, de terror com o barulho, os tiros e a fumaça. Isso eram quatro e meia da tarde. Os soldados então entraram na nossa casa. Uns tiraram os carpetes do chão e jogaram em cima de minha mãe. Eles estavam todos muito armados usando capacetes, elmos, com uma rede de pano verde. Também estavam carregando uma coisa que parecia um tubo de um metro mais ou menos, verde. Eram apavorantes. Eu perguntei a um deles onde estava minha mãe, mas ele não respondeu e começaram a falar em hebraico uns com os outros e eu comecei a chorar. Eles não respondiam nada, então eu perguntei se podia ir ao banheiro, pensando que podia tentar achar minha mãe. Um deles disse em árabe: “Vá”. Quando eu saí do quarto vi mais quatro soldados no corredor que dá para o banheiro perto de onde minha mãe estava. O soldado mandou eu ir para o outro banheiro para eu não ver minha mãe jogada no chão e quando eu saí mandou que eu fosse de volta para o quarto. A casa estava cheia de soldados. Eu fiquei então no quarto com meus irmãozinhos e os soldados ficaram na entrada. A luz continuava cortada. Nove horas da noite os soldados começaram a juntar os equipamentos para sair da nossa casa. Quando eles saíram eu quis is para a casa do meu avô que fica a uns 300 metros mas eles ficaram do lado de fora e eu fiquei com medo de me mexer. Duas horas depois, onze da noite eles foram embora, eu peguei meus irmãozinhos e saí correndo para a casa de meu avô.
    Meu tio não acreditou que ela estava morta e correu para nossa casa, eu fiquei com meu avô chorando pensando na minha mãe que podia ter sido morta sem nenhum motivo, nenhum, nenhum, pelos soldados. Ela ficou horas na casa e não podiam levar ela para o hospital, foi horrível. Às onze e quinze então chegou uma ambulância e a levou para o hospital e ela tinha mesmo sido morta.
    http://www.btselem.org/english/testimonies/20080507_killing_of_wafa_a_a_daghameh.asp

    Samira

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

ENFRENTANDO O GOLPE 

A mídia corporativa e o governo golpista querem sufocar os blogs e sites de oposição ao golpe. Precisamos do seu apoio, da sua assinatura, e também do seu engajamento, nos ajudando a divulgar nossos blogs e sites de oposição ao golpe nas redes, republicando nossas postagens, distribuindo conteúdo para amplificar o alcance de nossas críticas.

Assinar é muito fácil, é só clicar numa das imagens, Doar ou Assinar. Todos os cartões de crédito são aceitos



Se preferir, você pode fazer sua doação diretamente na conta do Blog:

Banco Bradesco
Pipa Produções Artísticas Ltda
CNPJ: 10585813/0001-44
Agência 0213
Conta 8035-7
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
O Blog do Mello, enquanto não consegue se sustentar apenas com assinantes, precisa de anunciantes, e você utiliza um bloqueador de anúncios.
Por favor, desative o bloqueador para o Blog do Mello. Obrigado.