sábado, 25 de abril de 2009

Folha assume que fez reporcagem sobre Dilma com material de um spam


Sabe aquele spam que corre a internet há vários meses, que diz que Dilma Roussef roubou, matou, sequestrou, derrubou a casa dos Três Porquinhos, deu a maçã envenenada para a Branca de Neve e maltratou a Cinderela? Pois é, foi a ficha fake de Dilma que ilustrava o spam que a Folha usou em sua reporcagem, com reprodução até na primeira página.

É o porcalismo de resultados em ação. Tudo ali era fake. A reporcagem dizia que grupo de Dilma iria sequestrar Delfim Netto, à época ministro da ditadura. O sequestro não houve, Dilma nunca soube dele, nem de várias das outras acusações contidas na até o momento mais forte candidata a Reporcagem do Ano (pau a pau com a de O Globo sobre Brizola).

Hoje a Folha publica um mea culpa compriiiido (mas em página interna. Deveria publicar na primeira página, e com o mesmo destaque que deu à reporcagem), que pode ser resumido assim: a reporcagem é falsa, errada da cabeça aos pés, baseada em informações de um spam distribuído por grupos que assumidamente defendem a ditadura de 1964 e se dizem combatentes do terrorismo, quando terroristas são eles, que derrubaram um governo legitimamente eleito, sequestraram, torturaram, mataram, censuraram, colocaram o país nas trevas durante 20 anos.

Eis o texto da Folha, um verdadeiro FEBEAPES (Festival de Besteiras Assumidas Para Eleger Serra):

Autenticidade de ficha de Dilma não é provada
Folha tratou como autêntico documento, recebido por e-mail, com lista de ações armadas atribuídas à ministra da Casa Civil
Reportagem reconstituiu participação de Dilma em atos do grupo terrorista VAR-Palmares, que lutou contra a ditadura militar

DA SUCURSAL DO RIO
A Folha cometeu dois erros na edição do dia 5 de abril, ao publicar a reprodução de uma ficha criminal relatando a participação da hoje ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) no planejamento ou na execução de ações armadas contra a ditadura militar (1964-85).
O primeiro erro foi afirmar na Primeira Página que a origem da ficha era o "arquivo [do] Dops". Na verdade, o jornal recebeu a imagem por e-mail. O segundo erro foi tratar como autêntica uma ficha cuja autenticidade, pelas informações hoje disponíveis, não pode ser assegurada - bem como não pode ser descartada.
A ficha datilografada em papel em tom amarelo foi publicada na íntegra na página A10 e em parte na Primeira Página, acompanhada de texto intitulado "Grupo de Dilma planejou sequestro de Delfim Netto".
Internamente, foi editada junto com entrevista da ministra sobre sua militância na juventude. Sob a imagem, uma legenda ressaltou a incorreção dos crimes relacionados: "Ficha de Dilma após ser presa com crimes atribuídos a ela, mas que ela não cometeu".
O foco da reportagem não era a ficha, mas o plano de sequestro em 1969 do então ministro Delfim Netto (Fazenda) pela organização guerrilheira à qual a ministra pertencia, a VAR-Palmares (Vanguarda Armada Revolucionária Palmares). Ela afirma que desconhecia o plano.
Em carta enviada ao ombudsman da Folha anteontem, Dilma escreve: "Apesar da minha negativa durante a entrevista telefônica de 30 de março (...) a matéria publicada tinha como título de capa "Grupo de Dilma planejou sequestro do Delfim". O título, que não levou em consideração a minha veemente negativa, tem características de "factóide", uma vez que o fato, que teria se dado há 40 anos, simplesmente não ocorreu. Tal procedimento não parece ser o padrão da Folha."
A reportagem da Folha se baseou em entrevista gravada de Antonio Roberto Espinosa, ex-dirigente da VPR (Vanguarda Popular Revolucionária) e da VAR-Palmares, que assumiu ter coordenado o plano do sequestro do ex-ministro e dito que a direção da organização tinha conhecimento dele.
Três dias depois da publicação da reportagem, Dilma telefonou à Folha pedindo detalhes da ficha. Dizia desconfiar de que os arquivos oficiais da ditadura poderiam estar sendo manipulados ou falsificados.
O jornal imediatamente destacou repórteres para esclarecer o caso. A reportagem voltou ao Arquivo Público do Estado de São Paulo, que guarda os documentos do Dops. O acervo, porém, foi fechado para consulta porque a Casa Civil havia encomendado uma varredura nas pastas. A Folha só teve acesso de novo aos papéis cinco dias depois.
No dia 17, a ministra afirmou à rádio Itatiaia, de Belo Horizonte, que a ficha é uma "manipulação recente".
Na carta que enviou ao ombudsman, Dilma escreveu: "Solicitei formalmente os documentos sob a guarda do Arquivo Público de São Paulo que dizem respeito a minha pessoa e, em especial, cópia da referida ficha. Na pesquisa, não foi encontrada qualquer ficha com o rol de ações como a publicada na edição de 5.abr.2009. Cabe destacar que os assaltos e ações armadas que constam da ficha veiculada pela Folha de S. Paulo foram de responsabilidade de organizações revolucionárias nas quais não militei. Além disso, elas ocorreram em São Paulo em datas em que eu morava em Belo Horizonte ou no Rio de Janeiro. Ressalte-se que todas essas ações foram objeto de processos judiciais nos quais não fui indiciada e, portanto, não sofri qualquer condenação. Repito, sequer fui interrogada, sob tortura ou não, sobre aqueles fatos."
A ministra escreveu ainda: "O mais grave é que o jornal Folha de S.Paulo estampou na página A10, acompanhando o texto da reportagem, uma ficha policial falsa sobre mim. Essa falsificação circula pelo menos desde 30 de novembro do ano passado na internet, postada no site www.ternuma.com.br ("terrorismo nunca mais"), atribuindo-me diversas ações que não cometi e pelas quais nunca respondi, nem nos constantes interrogatórios, nem nas sessões de tortura a que fui submetida quando fui presa pela ditadura. Registre-se também que nunca fui denunciada ou processada pelos atos mencionados na ficha falsa."
Fontes
Dilma integrou organizações de oposição aos governos militares, entre as quais a VAR-Palmares, um dos principais grupos da luta armada. A ministra não participou, no entanto, das ações descritas na ficha. "Nunca fiz uma ação armada", disse na entrevista à Folha de 5 de abril. Devido à militância, foi presa e torturada.
Na apuração da reportagem do dia 5, o jornal obteve centenas de documentos com fontes diversas: Superior Tribunal Militar, Arquivo Público do Estado de São Paulo, Arquivo Público Mineiro, ex-militantes da luta armada e ex-funcionários de órgãos de segurança que combateram a guerrilha.
Ao classificar a origem de cada documento, o jornal cometeu um erro técnico: incluiu a reprodução digital da ficha em papel amarelo em uma pasta de nome "Arquivo de SP", quando era originária de e-mail enviado à repórter por uma fonte.
No arquivo paulista está o acervo do antigo Dops, sigla que teve vários significados, dos quais o mais marcante foi Departamento de Ordem Política e Social. Na ditadura, era a polícia política estadual.
Entre as imagens reproduzidas pelo arquivo, a pedido da Folha, não estava a ficha. "Essa ficha não existe no acervo", diz o coordenador do arquivo, Carlos de Almeida Prado Bacellar. "Nem essa ficha nem nenhuma outra ficha de outra pessoa com esse modelo. Esse modelo de ficha a gente não conhece."

Definitivamente, tanto erro assim não pode ser casual, você não acha?

Registro aqui que se a Folha tivesse lido o blog do jornalista Celso Lungaretti, poderia ter evitado esses erros (se é que os pretendia evitar). Pois assim que o spam infame começou a circular, Lungaretti registrou em seu blog, ainda em novembro, em título premonitório:Ficha da ditadura é munição para ataque virtual a Dilma Rousseff.

Clique aqui e receba gratuitamente o Blog do Mello em seu e-mail

imagem RSSimagem e-mail

Comente com o Facebook:

9 comentários:

  1. Mello,

    Casual não é nem em sonho. Não canso em falar que ano que vem teremos uma campanha muito, mas muito suja mesmo. Será a primeira em que a Internet terá algum peso - justamente pela expansão economica no governo Lula, o que se materializa em mais gente com acesso doméstico e mais lan houses - e por conta disso não faltarão spams mentirosos, ataques a blogs, ataques à caixas de comentários e por aí vai. Dilma vai ser muito atacada pelo seu passado envovendo o combate ao terrorismo de Estado justamente por pessoas com histórico de apoio ao terrorismo de Estado - aliás, isso é particularmente pedante no Brasil, porque aqui os fascistas não se assumem como tal? É tão irritante ver esse joguinho bisonho de inversão, de acusar os outros daquilo que na verdade eles é que são. É nesse sentido que entra questões como a ditabranda, dentre as milhares de coisas que quiseram dizer - e relativizar - com aquilo, uma delas era dar o pontapé inicial para a desconstrução de Dilma.

    ResponderExcluir
  2. Mello:boa tarde!
    Acabei de saber que a Dilma se submeteu a tratamento contra o câncer.
    E ela demonstrou ter mais pavor da quimioetarapia do que da doença.
    Tomei 8 doses de quimioterapia,há um ano,contra o câncer na mama,e não faltei um dia sequer ao trabalho.É um santo remédio!
    Por outro lado,após eu ter tido o câncer e ter recebido ótimo tratamento médico(por ter plano de saúde,verifiquei o seguinte:como sofrem os pacientes pobres que têm câncer e são do SUS.
    E,a ministra agredeceu o ótimo tratamento do hospital de primeiro mundo.Será que os pacientes pobres fariam o mesmo?
    Então,que a Ministra faça-se um exemplo:que dote os hospitais da rede pública com máquinas de radioterapia,para proporcionar um tratamento do segundo ou do terceiro mundo,aos pacientes pobres do SUS.
    Acho engraçado os políticos:tem poder para modificar o Brasil,mas torram o dinheiro público em propagandas,viagens ,cartões corporativos e outras mordomias,quando têm câncer correm para um hospital do primeiro mundo e deixam ao deus-dará os pobres pacientes do SUS!

    ResponderExcluir
  3. Mello se puder dê uma olhada no meu Blog. Lá eu mostro onde estão os erros na ficha apresentada pela Folha e demonstro que a ficha é uma falsificação grosseira feita em programa de edição de imagem.
    Não precisou muito para isto.

    Olha e se for o caso use!

    www.dimasroque.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. O deshonesto é dizer, "... tratar como autêntica uma ficha cuja autenticidade, pelas informações hoje disponíveis, não pode ser assegurada - bem como não pode ser descartada."

    Isso lembra o dossiê Dantas (sobre supostas contas no alem-mar de autoridades incluindo Paulo Lacerda): A Veja, que o divulgou, disse a mesma coisa: Se bem não podemos comprovar a veracidade, tambem não podemos afirmar o contrário, que não é verdade. Sem detalhar o que achou o perito contratado por eles.

    Ambiguidade é a essência de um bom boato. Assim, no futuro as pessoas podem dizer, ninguem sabe se Dilma matasse os Tres Porquinhos ou não, é polêmica, podia até ser ...

    ResponderExcluir
  5. Adriano Matos25.4.09

    Retratação no mínimo tão porca quanto a matéria inicial. Como observou o gringo, dizer que não pode negar a autenticidade dessa ficha a qual não pode provar, pois é essa a obrigação da FSP uma vez que veiculou, é de uma canalhice sem tamanho!

    Ainda insinua que os documentos possam ter sido manipulados pela casa civil no trecho em que declara que quando a reportagem 'voltou' ao arquivo público não pode constatar nada porque 'O acervo ... foi fechado para consulta porque a Casa Civil havia encomendado uma varredura nas pastas. A Folha só teve acesso de novo aos papéis cinco dias depois...'

    Não há protocolo de que documentos foram enviados, não há negativos fotográficos, não se pode verificar que todos documentos voltaram no mesmo estado que foram enviados para casa civil?

    Canalhice, do começo ao fim. Ainda esquecem de dizer que a reportagem, baseada em entrevista com Espinosa foi veementemente negada pelo próprio acusando a FSP de deslavada manipulação.

    ResponderExcluir
  6. Anônimo25.4.09

    Paranóias nada a parte, acho o seguinte: o F. Martins jogou uma pra cima da Folha e ela caiu como um patinho que é ... tudo cortina de fumaça...impresna de péssima qualidade é isso, cai numa boa. Vai dizer que o (F. Martins e) Lula não sabia(m) que Dilma estava doente quando disse durante a semana na Argentina que no Brasil não tem candidato de direita? laramente eles pretendiam abafar a coisa toda...uma pena...

    ResponderExcluir
  7. Anônimo26.4.09

    Mello você em email? a Folha acredita!


    ronaldo

    ResponderExcluir
  8. Um leitor do Luiz Nassif levantou a bola:

    # 25/04/2009 - 11:49 Enviado por: Cláudio
    Nassif, repare com essa imagem maior, repare que foi feita digitalmente!!! Pra mim que sou Designer, fica muito claro. Link:
    http://mznnews.files.wordpress.com/2009/01/mzn-ficha-dilma-deops.jpg
    Bem observado! As fontes tipográficas digitais do documento são MS Sans Serif (as pretinhas) e Courier New, as vermelhas (esta, cuidadosamente manipulada para deslocar algumas letras e parecer máquina de escrever).

    A impressão digital é claramente fotoxopada.

    Além destes detalhes grosseiramente fraudados, as linhas retas são muito retas e perfeitas para um documento escaneado. À direita, há um borrão no fundo, parecendo que um brasão foi apagado.

    A simples visão do documento permite verificar isso, seja nesta boa resolução que o leitor mandou, seja na reprodução P&B que circula em sites direitistas.

    A ficha não é falsa porque não existe formulário de papel verdadeiro a ser falsificado. É simplesmente uma FRAUDE DA INTERNET. Isto salta aos olhos.

    Ou o DEOPS tinha computadores gráficos com Windows em 1970. Isto não pode ser descartado.

    A Folha de São Paulo deve desculpas por suas desculpas pondo em dúvida a não-fraude deste documento.

    ResponderExcluir
  9. Adorei a sigla FEBEAPES (Festival de Besteiras Assumidas Para Eleger Serra). Obrigada pela visita. Não conhecia teu blog. Gostei muito.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...