quarta-feira, 26 de março de 2008

A cara de pau de Eliane Cantanhêde não tem limite


Estava começando a ler uma postagem do Eduardo Guimarães, quando me assustei com o que ele dizia. Segundo Guimarães, dona Cantanhêde, a esposa do marqueteiro de Alckmin, estava defendendo a cobertura da imprensa no caso da febre amarela.

Pensei comigo: ela não teria essa cara de pau. E fui, como um perito criminal, ao local do crime, a coluna de Eliane Febre Amarela Cantanhêde.

Não tenho por hábito ler certos colunistas, porque sempre estou à procura de alguém que possa me trazer informações novas. Pessoas como dona Cantanhêde escrevem sempre a mesma coisa, e ela ainda tem o agravante de um texto fraco. Mas vesti a luva, peguei a lupa e fui à coluna.

Não é que ela teve a cara de pau mesmo?! Reparem no que diz:

A mídia teve um papel fundamental ao alertar a população para o aumento da incidência da febre amarela, seus riscos, o combate ao mosquito e a vacinação. Nunca vai se saber quantas centenas de vidas foram salvas neste país pela ação diligente de jornais, rádios, TVs.

Que centenas de vidas foram salvas, Cantanhêde? A epidemia de febre amarela só existiu na sua cabeça e na da imprensa antiLula. O que vimos foi o contrário: pessoas – centenas de milhares delas – submetendo-se a uma vacina, sem a menor necessidade, e pondo em risco as próprias vidas, por causa de sua irresponsabilidade. E agora, em vez de um pedido de desculpas, um “olha, foi mal, não era bem aquilo que eu queria dizer”, a madame ainda quer dizer que salvou centenas de vidas?...

Deu, sim, foi um prejuízo brutal ao país, em vacinas desnecessárias. Prejudicou a vida de dezenas de pessoas que tiveram reações alérgicas à vacina. E provocou a morte de pelo menos uma delas, a enfermeira Marizete Borges de Abreu, de 43 anos.

É disso que a senhora se vangloria?

Vá à casa do pai da enfermeira, o senhor Francisco Borges de Abreu, de 75 anos, e explique a ele que a morte da filha foi – como dizem as bulas – efeito colateral indesejável de sua coluna salva-vidas. Vamos ver o que ele acha.

Leia também:

» Exposta a doses maciças de informações manipuladas, brasileiros vivem do ódio, do ressentimento e agora de overdose de vacina contra febre amarela

» Febre amarela da mídia é pior do que o mosquito

» O Alerta Amarelo de Eliane Cantanhêde

ATENÇÃO: Se você ler esta postagem em outro local que não este blog, sem o crédito para o Blog do Mello, é ROUBO.

Clique aqui e receba gratuitamente o Blog do Mello em seu e-mail

imagem RSSimagem e-mail

Comente com o Facebook:

4 comentários:

  1. Anônimo26.3.08

    Efeito colateral todo medicamento tem.Toda notícia tambem. Nesse episódio infame da atuação da mídia,claramente de cunho eleitoreiro,no entanto,é um típico caso em que o efeito colateral se sobrepõe ao efeito primário.

    ResponderExcluir
  2. Anônimo26.3.08

    Acho ela muito bonita, charmosa, competente, intelgente e elegante. Um luxo! Mas tem essa soberba do que há de pior e mais arrogante na imprensa brasileira. Como diria o Tuty, ôh, raça!

    ResponderExcluir
  3. Anônimo26.3.08

    Ela é bonitaça, uma gata. E ainda por cima é loura. Tá explicado né Mello? Acho que vou abrir uma agenciazinha tb...Quem sabe alguem me apresenta a esse doce de côco.

    ResponderExcluir
  4. Vacina nela!
    E os leitores devem também se vacinar com anti-ofídico antes ler a Eliane.
    Abç.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...