quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Retrato do Brasil apura Satiagraha e descobre furos de Protógenes e Trallicomédia de erros no Jornal Nacional


Está na Revista Retrato do Brasil (por enquanto só nas bancas e aqui no blog) uma reportagem de Raimundo Pereira, um dos jornalistas mais respeitados do país, editor dos históricos Opinião e Movimento e autor da matéria que tanto incomodou a Rede Globo, em 2006, com a denúncia da armação do delegado Bruno com repórteres (leia aquela reportagem aqui). (Clique aqui para descobrir como comprar a Retrato do Brasil).

Pereira se debruçou sobre milhares de páginas dos autos da Satiagraha e descobriu inconsistências e erros grosseiros do delegado Protógenes e sua equipe e de uma matéria de César Tralli exibida no Jornal Nacional.

Protógenes

Um erro de Protógenes e equipe está na interpretação de um dos trechos de transcrições de áudios gravados pela PF e que constam dos autos:

Nela está registrado um diálogo entre Braz e um tal de “Giba”, no qual se fala sobre certa Andréa, um “ele” não identificado e uma misteriosa “Conta do Curral”.

Nos autos do processo, os investigadores sugerem que Giba é Gilberto Carvalho, o chefe do gabinete do presidente Lula. Andréa seria Andréa Michael, da Folha. O “ele” poderia ser José Dirceu, o ex-chefe da Casa Civil de Lula. E “Conta Curral” seria um pagamento ilícito no exterior.

Raimundo Pereira pesquisou e conta o que descobriu:

O repórter investigou. Conheceu “Andréa”, que não é a repórter da Folha, mas Andréa de Oliveira e Souza, secretária de Braz há sete anos.
“Giba” é Gilberto Massarente, que trabalha com Braz desde 1990, quando ele era executivo da Andrade Gutierrez.
“Conta do Curral” é, de fato, uma má transcrição e um delírio de teoria conspiratória: na gravação ouve-se Ponta do Curral, um empreendimento imobiliário na Bahia, entre Valença e Guaibim, que está sendo tocado por Dantas, Braz e Massarente com a ajuda do “ele”, um agrônomo que cuida da aprovação dos planos de manejo do terreno pelos órgãos ambientais.

A reportagem sobre a Satiagraha no Jornal Nacional

Esse desprezo por fatos claramente relevantes tem um exemplo especial no Jornal Nacional que foi ao ar no dia 14, um dia depois que Braz se entregou à PF. O jornal é apresentado por Renato Machado, que anuncia a reportagem de César Tralli.

Machado diz, na abertura: “Exclusivo: gravações de conversas telefônicas feitas Polícia Federal revelam como dois investigados na Operação Satiagraha tentaram corromper um delegado para livrar o banqueiro Daniel Dantas das acusações de crime financeiro e de lavagem de dinheiro”.

Ele se refere à novidade – a prisão de Braz – e passa o comando da matéria para César Tralli, o mesmo repórter de tantos outros furos da Globo a partir de ações da PF. Tralli recebeu, de modo privilegiado, por exemplo, as imagens do dinheiro apreendido no caso dos chamados “aloprados” do Partido dos Trabalhadores, feitas irregularmente por um delegado da PF e exibidas pela Globo na véspera do primeiro turno da eleição presidencial de 2006.

Tralli, que foi o apresentador das imagens também exclusivas da prisão de Dantas e seus executivos, no dia 8 de julho, fala em off, e as imagens se sucedem. Mostram, aparentemente, um presídio à frente de outro, no meio uma avenida movimentada. “É nesta cadeia, em Guarulhos, na Grande São Paulo, que está preso Humberto José da Rocha Braz”, diz o repórter. Na tela aparece foto 3x4 de Braz, depois, um prédio, à noite, com o nome Polícia Federal. E Tralli diz, em off, que Humberto “se entregou ontem à noite na sede da Polícia Federal”.

A seguir, surge a imagem já citada, do jantar de Braz, Chicaroni e Ferreira no El Tranvia. Braz, de costas para a câmera; Ferreira, meio encoberto, sentado à frente de Braz. E Chicaroni, também de frente para a câmera, à direita. Tralli narra, em off: “Humberto e o amigo Hugo Chicaroni, professor universitário, foram flagrados em encontros e telefonemas oferecendo propina para um delegado federal. Toda a negociação foi monitorada com autorização da Justiça”.

Começam a aparecer painéis na tela, um em cima, outro embaixo, com duas fotos, escuras, irreconhecíveis, com as legendas “delegado” e “Hugo Chicaroni”. Nos painéis, aparecem textos que reproduzem o que dizem as vozes associadas a cada figura.

Tralli continua, em off. Diz que a gravação é exclusiva e que “Hugo Chicaroni e Humberto Braz tentam manipular a investigação, segundo a polícia”. O repórter da Globo diz que o objetivo dos dois é “deixar de fora o banqueiro Daniel Dantas e parentes dele. É o que indicam as gravações”.

No letreiro correspondente a Chicaroni, surge a frase “A história de só livrar três tá bom”. A seguir, outra: “Tá ótimo”. As frases parecem pronunciadas por vozes diferentes, mas a edição da matéria não parece se preocupar com esses detalhes.

A seguir, mais imagens gravadas no El Tranvia. Depois, por 32 segundos, são exibidas imagens de fachadas e vistas do prédio da Justiça Federal e do Fórum, de São Paulo, e do Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de Justiça, de Brasília. Tralli, em off, começa dizendo: “As interceptações mostram que, segundo Chicaroni, o banqueiro estava preocupado com a Justiça Federal em São Paulo”. Nos painéis e no áudio, Chicaroni diz: “Ele resolve. STJ, STF... ele resolve. O cara tem trânsito político ferrado”. E Tralli conclui: “Hugo Chicaroni se refere ao STJ, Superior Tribunal de Justiça, e ao STF, Supremo Tribunal Federal, as mais altas cortes do judiciário brasileiro”.

Novamente, a cena do El Tranvia. Voz de Tralli, em off: “As conversas também falam em propina. Hugo transmite ao delegado a oferta de suborno, proposta, segundo ele, por Daniel Dantas e oferecida por Humberto Braz, o assessor do banqueiro”. A seguir, voltam os painéis, com a transcrição da fala de Chicaroni, ao fundo: “Ele falou: Eu tenho 500 mil dólares para tratar desse assunto”. Depois, fala o delegado: “500 mil?” E, de novo, Chicaroni: “É. 500 mil dólares”. E, em seguida, imagens de maços de notas de 50 reais.

Tralli aparece ao vivo, pela primeira vez, após 3 minutos e 15 segundos de reportagem. Diz: “Além do pagamento em parcelas, o valor do suborno dobrou de 500 para 1 milhão de dólares. É o que apontam as gravações de um segundo encontro aqui, em São Paulo, entre os dois homens que diziam representar Daniel Dantas e o delegado federal. Foi nessa mesma segunda conversa que o delegado Vitor Hugo Rodrigues Alves [Ferreira] apresentou documentos sobre o banqueiro. Fichas cadastrais e fotos de Dantas foram exibidas durante um almoço em que o assunto era a propina”.

Retornam as imagens dos três homens no restaurante. Braz, que estava ao lado de Ferreira, levanta-se e troca de lugar com Chicaroni. Tralli diz, em off: “As imagens mostram o exato momento em que Humberto Braz, de frente para a câmera, troca de lugar com Hugo Chicaroni, para analisar melhor os documentos. O delegado não tem pressa”.

Ouve-se a voz que seria do delegado. No painel, a transcrição: “Pode ver com calma, que eu não vou deixar esses documentos. Tem sonegação, tem lavagem, tem evasão de divisa, tem outros crimes [...]”.

A seqüência se completa com novas imagens dos três homens no El Tranvia e a voz de Tralli, ainda em off: “Logo em seguida, o assunto passa a ser propina. Hugo Chicaroni fala em 1 milhão de dólares”. E retornam os painéis. No de Chicaroni, lê-se: “Já que ele ofereceu 500 mil, pede 1 milhão de dólares, para ele chegar em 700, 800”.

A Trallicomédia de erros

A quantidade de erros factuais cometidos por Tralli é enorme. A hipótese deste repórter é a de que o colega da Globo recebeu as imagens e os áudios da PF sem muito tempo para fazer uma pesquisa maior.
Braz não se entregou à PF à noite, mas de manhã.
O CDP II de Guarulhos não é a “cadeia” que ele apresentou. O que Tralli mostrou foi uma das duas penitenciárias que ficam próximas à rodovia Presidente Dutra, às margens da avenida que sai da rodovia Ayrton Senna e segue para o aeroporto de Cumbica.
Tralli diz, duas vezes, que a filmagem do ato do suposto suborno é de um almoço, mas, na verdade, trata-se de um jantar.
Diz que Chicaroni e Braz se encontraram “uma segunda vez” com Ferreira, mas foi uma vez só.
A cena em que Braz, pela segunda vez, levanta-se, agora para voltar ao seu lugar inicial, é exibida como sendo o momento em que ele sai para ver os papéis. O instante em que Braz examina os papéis é outro: é aquele em que ele sai de seu lugar inicial, troca de lugar com Chicaroni, para sentar-se ao lado do delegado Victor Hugo, quando, então, pode ver os papéis que estavam sobre as pernas do delegado.

Pior que esses pequenos erros é a estrutura da montagem do noticiário. As imagens principais são do filme de 4 minutos e quarenta segundos do jantar de Braz, Chicaroni e Ferreira, vídeo feito pela Polícia Federal e entregue, de alguma forma, à Globo. É dele que foram tiradas – não se sabe se diretamente pela PF ou pelos editores da Globo – as seis seqüências que aparecem no JN de 14 de julho.

Porém, as conversas, que são reproduzidas como se tivessem sido gravadas nesse encontro dos três homens, não têm relação com as imagens.

Em uma dessas cenas, inclusive, isso fica evidente, devido a um absurdo. Chicaroni aparece tramando com Ferreira uma forma de elevar a proposta de suborno de 500 mil para 1 milhão de dólares. E é evidente que não fez isso à mesa, diante de Braz, que, segundo a PF, é quem daria o dinheiro.

Possivelmente, apenas uma das gravações é do jantar dos três: aquela de quando Ferreira diz que vai mostrar os papéis que tem. Para isso, pede a Braz que troque de lugar com Chicaroni e sente-se ao seu lado, porque os papéis, como conta Braz, estavam sobre suas pernas.

A locução de Tralli, como já vimos, no entanto, confunde as coisas. A imagem que Tralli apresenta como o “exato momento” no qual Braz vai ver os papéis é, na verdade, o instante em que Braz se levanta para retornar ao seu lugar, após já ter visto os papéis. Em nenhum momento ouve-se a voz dele. Nos painéis que transcrevem as falas, não aparecem sua imagem nem seu nome. O que transforma a matéria na denúncia de um suborno proposto por Braz é a montagem e a palavra do locutor, que sempre afirma: “Ferreira disse que...”, “Chicaroni disse que...” ou “Braz disse que...” O que não se sabe ainda é quanto da armação veio pronta da PF e quanto é contribuição própria da Globo.

Aqui, Raimundo Pereira parece ter se deixado levar pela conversa de Braz. A voz do emissário de Dantas não aparece gravada por um motivo simples, que está explicado na sentença do juiz De Sanctis, que o condenou:

Sua [de Braz] reprovabilidade deve ser acentuada, até porque o dolo foi de uma intensidade extrema, tanto é que parte da conversa com a autoridade policial Victor Hugo travava-se por escrito, a fim de não haver a possibilidade de captação de voz e de permitir a concretização do "negócio" espúrio a que se dispôs a intermediar de maneira tão importante e participativa” [cf. fls. 5033 – grifos apostos].

Pereira prossegue enumerando mais inconsistências da reportagem do Jornal Nacional e termina com interrogações:

A Globo fez esse tipo de cobertura por algum interesse? Quem são os interessados em considerar que os erros na privatização das teles brasileiras serão aplacados com a demonização de Daniel Dantas e das pessoas que estejam próximas a ele, como Braz?

Leia também:

» De Bush para Jornal Nacional, A/C: Homer Simpson

» Quando é aliado do governo, Jornal Nacional denuncia. Quando é tucano, silencia

» Jovem de 15 anos torturado e morto pela polícia em Bauru, SP. Serra estuda

» É no Brasil todo: - ‘Presa tem que dar’

» No Jornal Nacional, cratera do metrô de São Paulo pariu um bebê

» Se é do governo, Jornal Nacional critica

» Histórias da Globo: a edição do debate Lula-Collor em 1989

Clique aqui para ler as notícias de hoje do Blog do Mello

Clique aqui e receba gratuitamente o Blog do Mello em seu e-mail

imagem RSSimagem e-mail

Comente com o Facebook:

16 comentários:

  1. Tralli aumenta, mas não "inventa". Resta mesmo colorir o cabelo e explicar para a opinião pública e para a Justiça a teia de corrupção que envolve jornalistas da Globo e da Veja e "supostos" policiais federais que vazam, em troca de propina, conteúdos de investigações sigilosas.

    ResponderExcluir
  2. Rapaz, vc vai insistir em desqualificar Protógenes? Deveria se envergonhar e lutar para limpar a banda suja do PT que só faz atrasar o governo Lula.

    ResponderExcluir
  3. Matheus,
    antes de criticar, a pessoa deve se informar. Dê uma clicada na caixa de pesquisa do blog, aqui à direita, e procure pelo nome Protógenes. Você vai ver que falou besteira. Como o Protógenes, quando escreveu o que é informado na postagem.
    Aquele abraço

    ResponderExcluir
  4. Mello, eu sempre leio seu blog, mas só hoje vou fazer um comentário.
    Você tem sistematicamente mostrado aqui que: tem o que você diz ou mostra, mas tem a verdade. E a verdade não é só quando nós vemos na tv e sim quando a percebemos e sentimos.
    Parabéns, porque não é fácil agirmos cobrando a verdade.
    Mas, eu costumo dizer: vento que venta lá, venta cá também.
    Abraço

    ResponderExcluir
  5. Caro Mello: seu blog acaba de ser incluído na seleta lista do Cloaca News. Quando puder, apareça. Quem sabe, possamos trocar figurinhas.
    Abraços!
    .
    http://cloacanews.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Tenho o feed do Cloaca no meu leitor de feeds.
    Abraços recíprocos,
    AM

    ResponderExcluir
  7. Anônimo19.12.08

    A corrupcao no Brasil, como de resto world wide, se move, como 1 monstrengo vivo, passando pela mídia podre (já nem tao poderosa assim), e, como sabemos, enlameia políticos e tem no Judiciário suas garantias. Protógens fez cagadas? SIm, tentou (qerendo ou noa) ser maior q a lei, o q nao tira o mérito de seu trabalho nem do q expos). A mídia é corrupta? Sim e Tralli é 1 laranja do esqemao q tem outros Ali Kamel, Se proteje, se nao, nao existiriam. A nós o contra ataqe ...
    Inté,
    Murilo

    ResponderExcluir
  8. Anônimo19.12.08

    Esse Raimundo Pereira é um picareta. Ele está escalado para defender o Zé Dirceu. Uma vergonha! É a esquerda que se corrompeu igual a pior direita do Brasil. A tentativa de desconstrução é ridícula. Ela desconstrói é a credibilidade, se existe, desse jornalista.

    Antonio Carlos de Almeida Prado

    ResponderExcluir
  9. Anarquista Lúcida19.12.08

    Até tu, Brutus? Estao querendo agora cooptar a Internet até aqui independente? Qual a finalidade de tentar desmoralizar a Satiagraha?

    ResponderExcluir
  10. PHA diz que Daniel Dantas grampiou os Marinhos, não o pai e sim o filhos. Deve ser dai que a Globo quer exterminar DVD.

    ResponderExcluir
  11. Anônimo19.12.08

    PROTÓGENES NO RODA VIVA
    22/12/2008 - Ao vivo às 22h10

    PROTÓGENES QUEIROZ
    Delegado da Polícia Federal

    Entrevistadores: Ricardo Noblat, colunista do jornal O Globo e titular do Blog do Noblat; Renato Lombardi, comentarista do Jornal da Cultura; Fernando Rodrigues, colunista e repórter do jornal Folha de S. Paulo em Brasília e Fausto Macedo, repórter de política do jornal O Estado de S. Paulo.

    Apresentação: Lillian Witte Fibe
    fonte: http://www.tvcultura.com.br/rodaviva/

    ResponderExcluir
  12. Anônimo19.12.08

    19/12/2008 - 18:03 - Blog do Nassif

    Gilmar Mendes e os Blogs

    Por Dinha
    Muito interessante:

    Gilmar Mendes em coletiva hoje no STF, disse que os blogs - de sua oposição - inventam leitores. Que esses comentários nos blogs que o criticam são fictícios. Armados.

    Segundo ele, Paulo Markun , durante entrevista na TV Cultura, disse estava preocupado com protestos e manifestações na porta da emissora , por conta da entrevista dele no programa.

    Gilmar Mendes disse ao Markun : ” Essa gente não lotaria nem mesmo uma Kombi”.

    PS: De certo a referência dele é a das Kombis que a Folha emprestou para a ditadura…

    Adicional com algo do tipo, aquele é um mundo surreal e sem importância. Ou seja, o dos comentaristas e leitores de blogs.

    Disse ainda que a Carta Capital ( sem dar o nome) é financiada e aparelho de Estado.

    Afinal, quando é que os blogueiros vão fazer um movimentos para o MOSTRE A SUA CARA ALÉM DO COMPUTADOR?

    Acho que deveríamos unir os blogs , lotar e plotar algumas Kombis e em comboio e dar as caras para bater na porta do STF.

    Poderíamos plotar as KOMBIS do povo com a frase: NADA SURREAL , AINDA QUE REALMENTE INDIGNADOS

    Posso até ver o presidente do Supremo fugindo como o leão da montanha em seu carro chapa branca - que longe está de ser uma kombi.

    Fica a idéia para 2009

    Enviado por: luisnassif - Categoria(s): Mídia

    ResponderExcluir
  13. Otário20.12.08

    A tal Andrea que não tem mais nd a ver eh a msma que "consciente ou inconscientemente, (...) foi utilizada pela trupe dantesca(...)"??

    Me parece, então que TODO MUNDO caiu na do Cesar Tralli e saiu divulgando informações como se fossem verdadeirissimas, o que eh um erro, principalmente quando se fala de jornalismo (ético)!

    ResponderExcluir
  14. Anônimo20.12.08

    Enquanto a GLOBO pauta nossa vida com esse tal de César “Tralha”, esconde que a equipe de Barack Obama está usando a internet para manter vivo e ativo o movimento por mudanças que o levou a presidente.

    Mas tal como no começo da campanha pelas primárias, a mídia americana e sua correspondente brasileira, finge que não sabe do que está acontecendo nesse momento nos Estados Unidos e de como a informática está sendo fundamental para isso.
    Os donos dos jornais decidiram esconder, de qualquer maneira, um fato importantíssimo que está acontecendo depois das eleições.

    Já são mais de 2000 reuniões ocorridas nos municípios onde o movimento que elegeu Barack Obama está organizado.Escolas, casas de vizinhos, clubes, foram os locais mais utilizados. Pessoas de todas as condições sociais, origens étnicas e profissões estiveram se reunindo durante esses dois primeiros meses depois da eleição, com um só objetivo: discutir as formas de ajudar Obama a manter atuante o movimento por mudanças que o levou à presidência.

    As imagens desses milhares de pessoas reunidas, discutindo o futuro do seu país com seus vizinhos, parentes, colegas de trabalho são emocionantes e qualquer um pode vê-las nesse site:

    http://my.barackobama.com/page/content/saying

    Apenas para dar uma idéia da mobilização ainda silenciosa devido ao bloqueio da mídia, foram 302 reuniões só na Flórida, 165 na Pensilvânia e 160 em Ohio. Os militantes pró-Obama são ajudados por um programa de computador feito para organizar pessoas e grupos, através do qual os apoiadores do presidente durante a campanha, que cadastraram-se via internet, podem saber qual é o grupo mais próximo, a data da próxima reunião, o nome de quem é o responsável naquela área pelo grupo, os temas discutidos, etc.

    David Pouffle, o organizador da campanha vitoriosa, está à frente do movimento.
    Nos rostos das pessoas reunidas, nos seus depoimentos nos vídeos, dá para perceber a mesma chama de esperança e de fé no futuro, que qualquer um que tenha participado do processo que levou à fundação do PT e das quatro campanhas de Lula Presidente.

    A mesma chama que ainda se sente hoje em vários momentos de nossa vida no dia a dia de um Brasil que cresce, mas que infelizmente, por incompetência ou falta de interesse , não está sendo canalizada nem organizada pela estrutura meramente burocrática em que se tem transformado o PT.

    Porque as nossas lideranças não copiam a organização de Barack Obama? Do que terão medo nossos dirigentes? Não interessa a ninguém um PT forte e organizado nas vizinhanças, nos bairros, nas escolas? A quem interessa a desorganização do PT? QUem disse que o movimento dos núcleos “é inviável” , como se apregoa?

    Qual é o problema?

    Se temos um excelente presidente ,um excelente governo, porque não podemos ter um excelente Partido? Porque não podemos ter uma excelente Frente de Partidos?
    Onde está nossa chama de organizadores, de entusiastas, de criativos e dedicados militantes?

    Porque deixamos a imprensa brasileira transformar a palavra “militante” num sinônimo de “meliante”, como antes nos chamavam de “subversivos”, “terroristas”, “comunistas”, apenas porque lutávamos por um país sem as enormes injustiças sociais que hoje são tão difíceis de superar, graças aos sucessivos desgovernos que essa mídia ajudou a implantar e sustentar?

    Porque não usamos a informática, a tecnologia da informação para organizar o povo e suas lutas, sua conscientização e sua mobilização? Porque estar no governo é incompatível com ser despojado, ser íntegro, pensar na organização e na emancipação das pessoas?

    Porque o partido deve ser um problema, um saco de gatos a ser acalmado,mimado e acomodado?E não um instrumento diário de fazer as mudanças na sociedade acontecerem pela base?

    Sugiro que acompanhemos de perto o movimento pelas mudanças de Obama.
    Só o fato da mídia fazer tanta questão de ignorá-lo e não divulgá-lo, para mim, já é bom sinal.

    Se como diz Lula, a mídia hoje só fala em crise, vamos conhecer mais sobre aquilo que ela quer nos esconder: o movimento dos americanos que votaram em Obama para reconstruir seu país, arrasado pelo desgoverno Bush e pela mídia que ajudou a elegê-lo, reelegê-lo e mantê-lo no poder.

    Vejam o site. Vocês vão ter saudades do nosso velho trabalho de núcleos...

    Um abraço,

    Um Velho Militante!

    ResponderExcluir
  15. Anônimo20.12.08

    Sobre o interesse da Globo em demonizar Dantas, acho que o PHA disse algo sobre um certo problema entre os dois há um tempo atrás. Não lembro, tem que pesquisar lá.

    ResponderExcluir
  16. Eu gostei da parte da caravana que tava seguindo o Braz..rsrsrs Já Já..vão dizer que era o agente 86 que tava grampeando o Gilmar Mendes! O cara (Braz) é rico, tem curso superior e bons advogados e ficou preso 30 dias a troco de quê?...Ah e na gravação o Gilberto Carvalho fala pro Gomes..que o cara(que seguia o Braz) não era de lá GSP...historinha mal contada, esse Dantas tem 60% do país na mão!

    Veja o vídeo no link:

    http://www.youtube.com/watch?v=S24qenmuhMY&feature=related

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

ENFRENTANDO O GOLPE 

A mídia corporativa e o governo golpista querem sufocar os blogs e sites de oposição ao golpe. Precisamos do seu apoio, da sua assinatura, e também do seu engajamento, nos ajudando a divulgar nossos blogs e sites de oposição ao golpe nas redes, republicando nossas postagens, distribuindo conteúdo para amplificar o alcance de nossas críticas.

Assinar é muito fácil, é só clicar numa das imagens, Doar ou Assinar. Todos os cartões de crédito são aceitos



Se preferir, você pode fazer sua doação diretamente na conta do Blog:

Banco Bradesco
Pipa Produções Artísticas Ltda
CNPJ: 10585813/0001-44
Agência 0213
Conta 8035-7
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
O Blog do Mello, enquanto não consegue se sustentar apenas com assinantes, precisa de anunciantes, e você utiliza um bloqueador de anúncios.
Por favor, desative o bloqueador para o Blog do Mello. Obrigado.