quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Editor da Folha critica jornal:‘Ditabranda é demais’


Fernando de Barros e Silva é o nome dele, que é editor do Brasil, da Folha de S.Paulo. Em artigo publicado nesta terça de carnaval, ele é o primeiro jornalista a reagir ao sequestro da realidade que a mídia corporativa impõe ao país, na tentativa de vender uma realidade alternativa aos brasileiros. Eis a íntegra do artigo de Fernando:

Ditadura, por favor

Certamente não é a primeira vez que um colunista da casa diverge de uma posição expressa pelo jornal em editorial.
Mas é a primeira vez que este colunista se sente compelido a tornar pública sua discordância, inclusive em nome do que aprendeu durante 20 anos nesta Folha.
O mundo mudou um bocado, mas "ditabranda" é demais.
O argumento de que, comparada a outras instaladas na América Latina, a ditadura brasileira apresentou "níveis baixos de violência política e institucional" parece servir, hoje, para atenuar a percepção dos danos daquele regime de exceção, e não para compreendê-lo melhor.
O que pretende ser um avanço analítico parece, mais do que um erro, um sintoma de regressão.
Algumas matam mais, outras menos, mas toda ditadura é igualmente repugnante. Devemos agora contar cadáveres para medir níveis de afabilidade ou criar algum ranking entre regimes bárbaros?
Por essa lógica, chega-se à conclusão absurda de que o holocausto nazista não passou de um "genolight" perto do extermínio de 20 milhões promovido por Stálin.
Ora, se é verdade que o aparelho repressivo brasileiro produziu menos vítimas do que o chileno ou o argentino, isso se deu porque a esquerda armada daqui era menos organizada e foi mais facilmente dizimada, não porque nossos militares tenham sido "brandos".
Quando a tortura se transforma em política de Estado, como de fato ocorreu após o AI-5, o que se tem é a "ditadura escancarada", para falar como Elio Gaspari. Seria um equívoco de mau gosto associar qualquer tipo de "brandura" até mesmo ao que Gaspari chamou de "ditadura envergonhada", quando o regime, entre 64 e 68, ainda convivia com clarões de liberdade, circunscritos à cultura.
Brandos ou duros, o fato é que os regimes autoritários só mobilizam a indignação de grande parte da esquerda quando não vêm acompanhados da retórica igualitarista.
Muitos intelectuais se assanham agora com a tirania por etapas que Chávez vai impondo à Venezuela sob a gosma ideológica da revolução bolivariana. Isso para não lembrar o fascínio que o regime moribundo mas terrível de Fidel Castro ainda exerce sobre figurões e figurinhas da esquerda nativa.
É bem sintomático, aliás, que, ao protestar contra a "ditabranda" em carta à Folha, o professor Fábio Konder Comparato, guardião do "devido respeito à pessoa humana", tenha condenado os autores do neologismo a ficar "de joelhos em praça pública" para "pedir perdão ao povo brasileiro".
Que coisa. Era assim, obrigando suas vítimas a ajoelhar em praça pública, submetendo-as à autêntica "tortura chinesa", que a polícia política maoísta punia desvios ideológicos durante a Revolução Cultural. Quem sabe, como a "ditabranda", seja só um palpite infeliz.

Você pode até alegar que Fernando de Barros e Silva deu uma no cravo e várias na ferradura, ao atacar Chavez e Fidel, como o editorial, e ainda forçar a barra com uma interpretação literal do comentário de Comparato. Mas isso é acessório, o fundamental é que um jornalista disse Não, um jornalista ousou dar a cara a tapa e dizer que não endossa a falsificação histórica e autoindulgente que a Folha tenta impor a seus leitores.

Espero que não seja apenas o primeiro e único. Também vamos aguardar para ver o que o futuro lhe reserva, se a Folha é ditadura ou ditabranda. Na Globo, em 2006, o resultado foi a demissão do repórter Rodrigo Vianna, que criticara internamente a cobertura eleitoral imposta pelo aquário comandado por Kamel. Fernando de Barros e Silva deu um passo à frente ao expor sua discordância em público e no próprio veículo.

Que esse artigo seja o primeiro de uma série, escrito por jornalistas que não concordam com os caminhos do jornalismo impostos pela mídia corporativa - O Globo, Folha, Estadão, Rede Globo à frente.

Leia também:

» ‘Grande imprensa’ seqüestra e mata

» Demitido, repórter da TV Globo acusa emissora e Ali Kamel de manipularem cobertura política

» Reportagem de Nassif sobre a Veja e uma pergunta: - Quem será o Rodrigo Vianna de Veja?

Clique aqui e receba gratuitamente o Blog do Mello em seu e-mail

imagem RSSimagem e-mail

Comente com o Facebook:

15 comentários:

  1. quero ver o Cony, que ganha 100 mil por mês da Viúva, por ter provado que perdeu muito dinheiro durante a ditadura, enfrentar o jornal para o qual escreve.

    ResponderExcluir
  2. Se jornalistas do bem não ficassem calados em relação aos abusos do PIG o Brasil estaria muito melhor.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo25.2.09

    Sei não, Mello...

    Ele somente tentou 'se desculpar' pelo termo. A Folha tem uma história de se aparentar progressista, para enganar trouxa e vender mais jornal. Mas mesmo assim continua a linha ideológica revisionista - hipocritamente, faz uso do 'ranking de regimes bárbaros' que ele mesmo indica. Afirma, categoricamente, que a esquerda é um 'covil de genocidas', usando o velho clichê da 'trilogia do Mal', Stalin / Mao / Fidel. Ele nada mais faz do que confirmar o editorial da 'ditabranda' nas entrelinhas de seu texto. Eu havia comentado, alguns posts atrás, esse 'complexo de Jesus Cristo' que assola os ideólogos da direita - só eles tem o direito de carregar a tocha da virtude!

    Abraços,

    Luís

    ResponderExcluir
  4. Eu acho que foi a Falha que mandou ele escrever esta "meia culpa", exatamente para mostrar-se plural e não de pensamento único.
    Foi uma no cravo e 10 na ferradura, falando mal do Comparato e demonizando outros regimes de esquerda, como Chavez e Fidel.

    js

    ResponderExcluir
  5. Anônimo25.2.09

    Mello,

    OK, o Fernando BS criticou a ditabranda da Folha.

    Mas ele é editor de política, homem de confiança dentro do jornal (se existe manipulação do noticiário, ele com certeza sabe, afinal, ele edita o caderno de política).

    Acho que o artigo dele serviu mais para mostrar que a Folha é democrática, pluralista, blablabla ---um discurso mercadológico p/ vender credibilidade.

    Perceba que haviam passado dois dias sem cartas sobre o assunto (e deviam estar chegando ainda) e que depois do artigo do Barros, foram publicadas cartas nesse sentido de que eu to falando (ah, a Folha foi a FOlha que eu conheco, lavou minha alma blablabla).

    O Corriere de lo Serra cometeu o maior erro da história recente --e até de um ponto de vista comercial.

    Agora, quer matar a polêmica e tentar dar uma ressucitadinha.

    Abs

    ResponderExcluir
  6. Carlos Cunha25.2.09

    Mello,
    Você não tem vergonha?
    Cravo, Ferradura! Em um post você conseguiu demonstrar o porquê da nossa sociedade ser o que é. Não bastasse um menino mimado que ganhou um jornal do papai ter jogado por terra a possibilidade de discutir a ditadura sem ser de esquerda ou de direita, a esquerda aproveita para desviar a atenção sobre a questão.
    Veja seu post: quando alguém pensa com o partido está certo, contra está errado. Já que você ficou tão ofendido com o comentário ao Fidel: o regime cubano é o que? Ditamole? Não há perseguidos, presos políticos. Lutadores de Boxe se perdem aqui apenas por falta de direção. Eleições a cada semana. Jornais aos milhares e sem PIG!
    O seu comentário figura ao lado do editorial da Folha. Aqui ditadura, em Cuba felicidade. A mesma alienação, para pensar no melhor.
    Ainda bem que você não falou no Serra...
    Você continua mediando seus comentários como o Estadão.
    Eu ia escrever mais, mas perdi a vontade.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  7. Luis Claudio26.2.09

    Bobagem. Isso é coisa de pau-mandado. Encomenda da direção do jornal, pra baixar a temperatura da fogueira moral emque se meteu. O FBS é da turma, faz o que mandam, tem empregão, participa de tudo. Acho inacreditável que um cara bem-informado, como parece ser o autor desse blog, caia num truque medíocre como esse.

    ResponderExcluir
  8. Marcelo26.2.09

    Eu não acho que o referido jornalista tenha ido de encontro à opinião de seu patrão, acho que apenas mandou um pequeno recado aos seus pares da Folha: cuidado para não pesarem a mão, a nossa farsa ainda continua valendo, esqueçam esse assunto e vamos continuar como sempre fizemos.
    O fato do jornalista atacar o governo de Chavez e Fidel é uma forma de dizer: não estou me opondo ao patrão, concordo com tudo que ele diz, só acho que não é hora de falar na ditadura, deixa isso pra lá.
    Ultimamente, no Brasil, qualquer boa ou má intenção fica difícil de ser interpretada; não duvido, por exemplo, que o referido jornalista pseudo-indignado, antes de publicar o que escreveu, não tenha perguntado ao patrão se o texto estava bom ou não.
    Só nos resta ver como e onde essa gente vai parar um dia.

    ResponderExcluir
  9. Baader26.2.09

    Bobagem...

    Um recuo estratégico que, com uma retórica duvidosa, pretende atacar a esquerda...

    ResponderExcluir
  10. Anônimo26.2.09

    E, ainda hoje é possível encontrar docente
    público federal que jura pela santíssima trindade de que o
    Regime era dotado de uma bondade tão extremada pelo nosso
    educacional, e tão extremada mesmo, ao ponto de o ter nomeado sem
    concurso apenas por ele ter convencido general avalizador de ficha
    dos ingressantes de ser o mais competente academicamente possível
    para o cargo.

    ResponderExcluir
  11. O Boca no Trombone - http://muitasbocasnotrombone.blogspot.com/) - indica seu blog para receber o Prêmio Dardos.
    Esta premiação foi criada em reconhecimento ao trabalho desenvolvido por blogueiros nas mais diversas áreas. Premia a criatividade e busca promover a confraternização entre os blogueiros cujos trabalhos agreguem valor à Web.

    Receba seu prêmio Dardos Acessando http://pedalante.wordpress.com/

    Abraços.
    Alexandra Peixoto - Blog Boca no Trombone


    http://muitasbocasnotrombone.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. Mello, concordo com a maioria dos comentaristas: foi o jeito escroto que o "Corriere de lo Serra" (esta é ótima!) achou para aliviar sua barra e como disse o Marcelo, tem o dedão do patrão aí.

    PS - Não carregam as letras de confirmação para comentar no meu Firefox. Tive que usar o IE para conseguir

    ResponderExcluir
  13. Alexandra,
    grato pela indicação. Seu blog está no meu Google Reader.
    Jean,
    não sei o que houve. Acontece sempre?
    Uso o Firefox, e gostaria de saber se o problema levantado pelo Jean Scharlau está acontecendo com mais alguém.
    Quanto aos comentários gerais de que tudo não passaria de uma farsa, uma combinação entre a Folha e o jornalista, não concordo.
    Sempre criticamos o silêncio dos jornalistas e quando um fala negamos seu discurso? Acho que ele disse o que pensa, e o parabenizo por isso.

    ResponderExcluir
  14. Chico Mendes1.3.09

    Eu não sei se há cartas publicadas pela folha elogiando o texto crítico do Barros, não sei, por que não leio este jornal, mas se existir faz parte do teatro. do arranjo. para como disse a galera dizer que a folha é plural.

    ResponderExcluir
  15. Não tem nada de mea culpa, o texto está cheio de sutileza, manha e malícia. Quem nunca ouviu falar como é que o morcego age, "morde e abana".

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...